Navegação – Mapa do site
Dossiê Virada Cultural

Revirando A Virada

Notas Etnográficas Sobre os Olhares na Virada Cultural em São Paulo
Rosenilton S. Oliveira

Texto integral

Agradeço aos colegas do NAU, Lucas M. Lopes e Giancarlo C. Machado, pelos comentários feitos à primeira versão deste texto.

1"Venha viver a Virada!". Anunciava o slogan da Virada Cultural. Em 2013, o evento que reúne atrações culturais que vão da música erudita ao cinema pornô, efetivou sua nona edição e, em pouco mais de 24 horas, reuniu no centro de São Paulo e em alguns outros pontos da cidade, milhares de pessoas. Alguns dos pesquisadores do Laboratório de Antropologia Urbana da Universidade de São Paulo (NAU/FFLCH-USP), mais uma vez estiveram presentes para acompanhar estes citadinos em suas deambulações em meio a um sem número de atrações.

2"O que ver na Virada?" Talvez esta seja a pergunta que mais se ouviu e, por extensão, aquela que todos tentavam responder diante da miríade de oportunidades culturais. Dessa forma, refletirei sobre o processo de direcionamento do olhar, isto é, sobre as estratégias que os sujeitos utilizam para "aproveitar" ao máximo o evento, escolhendo o que ver. Entretanto, assim como o público esteve presente para observar as atrações, os antropólogos do NAU foram à Virada afim de "ver os nativos vendo"; coloquei-me num outro lugar (também de observador): ver como vêem os antropólogos. Portanto, aqui pretendo discorrer sobre algumas impressões que tive ao acompanhar pesquisadores em campo "olhando por sobre os ombros dos nativos".

3Éramos um grupo relativamente pequeno, sete pessoas, sendo duas mulheres e cinco homens. Uma delas não era antropóloga, mas bióloga. Estes antropólogos urbanos estão acostumados com objetos diferentes, mas naquela noite tinham a tarefa de observar a Virada e tecer alguns comentários razoavelmente coerentes sobre as inúmeras coisas que estavam acontecendo.

4Nosso ponto de encontro foi a estação de metrô República, no centro (para não dizer no epicentro) do evento, marcado para às 17h (uma hora antes do início oficial). A intenção era trocarmos algumas idéias sobre o trajeto que faríamos. Atrasos. A cada minuto, aumentava o volume de pessoas que chegavam à estação, o saguão próximo às catracas era o local de encontro por excelência. Pessoas de todas as idades e estilos circulavam. Completo o grupo, estabelecemos: vamos caminhar concentrando-nos naquilo que chamar a atenção.

5Estava feito o nosso "recorte": tudo o que chamasse a nossa atenção seria registrado. Assim como os espectadores, pré-definimos um roteiro de observação (meio genérico) e nos colocamos em marcha. Fizemos o seguinte percurso: Praça da República, Largo do Arouche, Avenida São João (Largo do Paissandu), Praça das Artes, Vale do Anhangabaú, Viaduto do Chá, Praça do Patriarca, Rua São Bento, Largo São Francisco e Praça da Sé.

6Podemos supor que as motivações da escolha entre uma ou outra apresentação variam de pessoa para pessoa, o mesmo se passou com os pesquisadores, entretanto, em se tratando de uma "etnografia coletiva", fazia-se necessário encontrar um ponto de convergência. Qual seria ele? Ao ouvir os membros da equipe falarem sobre as expectativas para a Virada, ficava evidente que havia certo esforço em não projetar sobre a Virada pré-impressões, ou seja, a "expectativa é não ter expectativa", afirmou de maneira jocosa um dos integrantes do grupo. Este clima de descontração, que marcou todo o trabalho, de certa maneira evidenciou que os pesquisadores também estavam "curtindo" a Virada, à sua maneira.

7Se o olhar do pesquisador é orientado pelas suas perspectivas teóricas, isto é, considerando a formação específica de cada antropólogo, o fenômeno observado tende a ter determinadas características realçadas em detrimento de outras durante a análise; os membros do NAU assumiram o risco de não formularem hipóteses a priori sobre a Virada Cultural, afim de captarem as "surpresas do campo" ou como o prof. José Guilherme C. Magnani costuma dizer em aula: "perceber as pedras que brilham ao longo do caminho". Todavia, parece-me que não foram totalmente felizes nessa empreitada, pois a forma como se comportavam em campo denunciava o enfoque que estavam dando para o evento.

8Apenas três membros do grupo portavam câmeras fotográficas, dois optaram por utilizar o bom e velho bloco de notas. À medida que caminhavam os olhares dispersavam-se cada vez mais, e os interesses de pesquisa de cada um, guiava-os livremente aquém do grupo.

9Um dos pesquisadores - que analisa formas de mobilidade urbana - passou a observar as estratégias utilizadas pelos organizadores da Virada para controlar os fluxos de pessoas e veículos. Faixas de sinalização foram fotografadas, notas sobre o desvio do trânsito e remanejamento das paradas dos ônibus foram tomadas. Se as atrações estavam dispostas em pontos específicos do "mapa" da cidade, os sujeitos precisavam deslocar-se de um lugar a outro, foi sobre esses trajetos que a atenção deste nosso colega se ateve. Ver a Virada acontecendo, em certa medida, significou compreender os deslocamentos dos agentes os quais, ao fazerem isso, criavam "zonas de passagem" onde outras coisas aconteciam.

10Estas "outras coisas" que ocorriam nesses espaços intermediários (entre um palco e outro, por exemplo), foram "vistas" por outro membro do grupo. Com pesquisas sobre os meios pelos quais os citadinos se apropriam do espaço urbano, a atenção deste nosso colega deteve-se justamente sobre esses atores "extra-oficiais" que apresentavam, cada um à sua maneira, seus espetáculos para um público em trânsito. Postos, pois, nas franjas dos trajetos, artistas de rua e vendedores ambulantes possibilitavam, à primeira vista, pensar nos processos de liminaridade, já que sua presença naqueles espaços envolvia riscos: riscos para os transeuntes, que não contavam com a presença física dos agentes de segurança do Estado (foi justamente num desses espaços que pudemos observar alguns atos de violência, como arrastões), logo, todos que passavam eram igualmente perigosos - mesmo se estivessem fazendo o mesmo trajeto - e também, para os próprios profissionais que estavam ali atuando. Nesse sentido, ao conversar com um vendedor de artigos africanos, perguntei-lhe se ficaria ali durante todo o evento, ao que ele me respondeu: "Se a polícia deixar, sim". O virar-se de um canto a outro envolvia riscos, os quais eram encarados por todos, para poderem ver tudo quanto tinham se predisposto a ver.

11Os (re)arranjos das pessoas para ocuparem  os espaços da Virada, cada uma à sua maneira, também chamou à atenção de outro antropólogo do nosso grupo - o único, além de mim, que já tinha estabelecido o que observar. Numa perspectiva comparativa, interessava-o saber se os eventos capitaneados pelo poder público (como a Virada Cultural) produziam a mesma sensação de envolvimento no público quanto aqueles organizados pelos coletivos urbanos nas periferias. Ao perseguir esse objetivo, nosso colega colocou-se num outro lugar - até mesmo apartado do grupo. Acompanhando uma amiga com suas duas filhas pequenas, a cada nova atração ele se envolvia completamente: interagia com as pessoas, assistia as apresentações, brincava com as crianças...

12O meu olhar, ao dirigir-se para as práticas de alguns antropólogos em campo, também não esteve aquém dos meus interesses de pesquisa, já que no campo das religiosidades e das identidades, os discursos e as práticas produzem epifanias, criam seres (humanos e não-humanos), organizam e dão sentido às práticas sociais coletivas e individuais. Mais do que revelar estratégias etnográficas, meu objetivo era justamente refletir como o fazer antropológico de cada pesquisador é atravessado por valores e crenças que conduzem o olhar. A depuração do que "foi visto" dar-se-á, creio, por meio da teoria acionada para tentar dar inteligibilidade ao fenômeno observado.

13Veremos nas Etnográficas como essas posturas em campo tomarão forma e corpo num outro tipo de registro: o texto. No que tange o objetivo da nossa participação, cabe ressaltar que a experiência da observação coletiva de um mesmo fenômeno é enriquecedora em vários planos, pois quando se tem pesquisadores com formações diferentes (ainda que da mesma área de conhecimento) é possível captar vários pontos de vistas, como peças num mosaico, as quais podem ser observadas e analisadas em suas singularidades, entretanto, sua compreensão torna-se mais interessante quando vistas no conjunto.

14Por fim, diria que tal como a Virada Cultural permite múltiplas participações, diversas são também as digressões analíticas, talvez porque, para qualquer lugar que viremos, vemos pessoas vendo-se.

Topo da página

Bibliografia

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro : LTC, 1989 [1973].

LÉVI-STRAUSS, Claude. O feiticeiro e sua magiaIn: Antropologia Estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. 1975, pp. 193-213. [1945].

MARCUS, George E. Ethnography in/of the World System: The Emergence of Multi-Sited Ethnography. Annual Review of Anthropology, Palo Alto, California, vol. 24, 1995, pp. 95-117.

SILVA, Vagner G. da. O antropólogo e sua magia. Trabalho de campo e texto etnográfico nas pesquisas antropológicas sobre as religiões afro-brasileiras. São Paulo: EDUSP, 2005.

TURNER, Victor. O processo ritual: estrutura e antiestrutura. Petrópolis: Vozes, 1974.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Rosenilton S. Oliveira, « Revirando A Virada », Ponto Urbe [Online], 12 | 2013, posto online no dia 31 Julho 2013, consultado o 22 Outubro 2017. URL : http://pontourbe.revues.org/616 ; DOI : 10.4000/pontourbe.616

Topo da página

Autor

Rosenilton S. Oliveira

Grupo de Estudo da Religião na Metrópole - Germ/NAU

Centro de Estudos de Religiosidades Contemporâneas e das Culturas Negras – CERNe

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© NAU

Topo da página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • Revues.org