Navegación – Mapa del sitio
Ensaios fotográficos

A atuação dos “flanelinhas” e o olhar fotografado da cidade

The performance of " keepers " and look town photographed
Francieli Muller Prado

Texto completo

1O potencial descritivo da fotografia sempre foi de suma importância para os estudos etnográficos. Na Antropologia as fotografias podem ser encontradas em alguns clássicos, como no livro “Argonautas do Pacífico Ocidental” de Bronislaw Malinowski (1922), no qual o autor além da descrição textual apresenta as imagens, inaugurando assim a fotografia como um instrumento descritivo potencial. Porém, após 90 anos da obra de Malinowski, percebe-se certa resistência ao uso da fotografia no campo da Antropologia, especificamente na etnografia. 

2Pensar no uso das imagens nas pesquisas antropológicas implica em compreender a imagem como mais uma forma de linguagem, de narrativa visual que reproduz um “texto vivido”, capaz de ir além do registro da experiência material em si, mas trazer à tona o sentido das relações sociais estabelecidas e possíveis de serem analisadas pela Antropologia.

3Na Antropologia Urbana a fotografia se apresenta como um instrumento importante no processo de compreensão das dinâmicas urbanas, uma vez que embrear-se em uma prática de etnografia na rua, traz o exercício da observação aliada a descrição etnográfica das histórias dos grupos urbanos na cidade; neste sentido a fotografia é capaz de revelar a cidade, a rua, o urbano e como ocorrem as dinâmicas que são construídas e reinventadas no cotidiano da vida nas cidades.

4  Nesta perspectiva, através das fotografias capturadas dos guardadores de carros de Maringá –PR, foi possível vislumbrar suas experiências no espaço urbano, na qual a rua se faz sempre presente e representa múltiplos significados : além do lugar de trabalho, ainda se apresenta como local do encontro, de sociabilidade em que as experiências sobrevêm. E, por detrás do aparente desarranjo da atividade é possível perceber o aparelhamento do grupo e as regularidades das suas performances, que são formuladas e organizadas de acordo com as normas estabelecidas, socialmente, entre seus membros.

5Para os guardadores de carros a atuação é uma alternativa preferível por uma série de razões, variando entre a possibilidade de melhor salário, um senso de independência, por não exigir formação profissional e educacional. Assim mesmo, no âmbito da informalidade, encaram a atividade como uma “boa ocupação”, quando comparado com outros trabalhos. Porém a ideia de “boa ocupação” é controvertida no meio social, especialmente do ponto de vista dos clientes, para os quais a prática de guardador de carros é tida como desnecessária e abusiva, uma vez que esse serviço de cuidar do automóvel é um direito que deveria ser garantido pela segurança pública, já que se trata de um espaço público.

6Deste modo, ao mesmo tempo em que a atividade é capaz de integrar os sujeitos, já que a rua viabiliza a construção dos mais diversos vínculos, ela também se apresenta como um fator discriminatório, constituído, sobretudo pelo estigma próprio da atividade de guardador de carros. Assim, os sujeitos sentem a marginalidade, instituída por meio da discriminação e vivem a invisibilidade, pela falta de atenção dos municípios na regulamentação da atividade.

Vendedores ambulantes atuando em Maringá-PR:

Vendedores ambulantes atuando em Maringá-PR:

Francieli Muller Prado (2015)

Vendedores ambulantes atuando em Maringá-PR:

Vendedores ambulantes atuando em Maringá-PR:

Francieli Muller Prado (2015)

Ponto de “flanelinha” identificado com a mochila:

Ponto de “flanelinha” identificado com a mochila:

Francieli Muller Prado (2015)

“Flanelinha” fazendo a segurança do seu ponto:

“Flanelinha” fazendo a segurança do seu ponto:

Francieli Muller Prado (2015)

“Flanelinha” vigiando os carros:

“Flanelinha” vigiando os carros:

Francieli Muller Prado (2015)

“Flanelinha” recebendo a contribuição:

“Flanelinha” recebendo a contribuição:

Francieli Muller Prado (2015)

“Flanelinha” vigiando os automóveis:

“Flanelinha” vigiando os automóveis:

Francieli Muller Prado (2015)

Organização do estacionamento de uma “flanelinha”:

Organização do estacionamento de uma “flanelinha”:

Francieli Muller Prado (2015)

“Flanelinha” trabalhando em dia de chuva:

“Flanelinha” trabalhando em dia de chuva:

Francieli Muller Prado (2015)

“Flanelinha” vigiando seu estacionamento:

“Flanelinha” vigiando seu estacionamento:

Francieli Muller Prado (2015)

Inicio de página

Bibliografía

MALINOWSKI, Bronislaw. Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Editora Abril, 1984.

Inicio de página

Índice de ilustraciones

Título Vendedores ambulantes atuando em Maringá-PR:
Créditos Francieli Muller Prado (2015)
URL http://pontourbe.revues.org/docannexe/image/3484/img-1.jpg
Ficheros image/jpeg, 232k
Título Vendedores ambulantes atuando em Maringá-PR:
Créditos Francieli Muller Prado (2015)
URL http://pontourbe.revues.org/docannexe/image/3484/img-2.jpg
Ficheros image/jpeg, 371k
Título Ponto de “flanelinha” identificado com a mochila:
Créditos Francieli Muller Prado (2015)
URL http://pontourbe.revues.org/docannexe/image/3484/img-3.jpg
Ficheros image/jpeg, 326k
Título “Flanelinha” fazendo a segurança do seu ponto:
Créditos Francieli Muller Prado (2015)
URL http://pontourbe.revues.org/docannexe/image/3484/img-4.jpg
Ficheros image/jpeg, 215k
Título “Flanelinha” vigiando os carros:
Créditos Francieli Muller Prado (2015)
URL http://pontourbe.revues.org/docannexe/image/3484/img-5.jpg
Ficheros image/jpeg, 71k
Título “Flanelinha” recebendo a contribuição:
Créditos Francieli Muller Prado (2015)
URL http://pontourbe.revues.org/docannexe/image/3484/img-6.jpg
Ficheros image/jpeg, 92k
Título “Flanelinha” vigiando os automóveis:
Créditos Francieli Muller Prado (2015)
URL http://pontourbe.revues.org/docannexe/image/3484/img-7.jpg
Ficheros image/jpeg, 64k
Título Organização do estacionamento de uma “flanelinha”:
Créditos Francieli Muller Prado (2015)
URL http://pontourbe.revues.org/docannexe/image/3484/img-8.jpg
Ficheros image/jpeg, 300k
Título “Flanelinha” trabalhando em dia de chuva:
Créditos Francieli Muller Prado (2015)
URL http://pontourbe.revues.org/docannexe/image/3484/img-9.jpg
Ficheros image/jpeg, 151k
Título “Flanelinha” vigiando seu estacionamento:
Créditos Francieli Muller Prado (2015)
URL http://pontourbe.revues.org/docannexe/image/3484/img-10.jpg
Ficheros image/jpeg, 364k
Inicio de página

Para citar este artículo

Referencia electrónica

Francieli Muller Prado, « A atuação dos “flanelinhas” e o olhar fotografado da cidade », Ponto Urbe [En línea], 20 | 2017, Publicado el 30 junio 2017, consultado el 24 noviembre 2017. URL : http://pontourbe.revues.org/3484 ; DOI : 10.4000/pontourbe.3484

Inicio de página

Autor

Francieli Muller Prado

Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Maringá – UEM.

francimullerp@gmail.com

Inicio de página

Derechos de autor

© NAU

Inicio de página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • Revues.org