Navegación – Mapa del sitio
Artigos

A “moda” das aparelhagens

Festa e cotidiano na capital paraense
The aparelhagens “wave”: festivities and dailylife at the capital of Pará
Andrey Faro de Lima

Resúmenes

Neste artigo desenvolvo observações acerca da dinâmica “evolutiva” das chamadas festas de aparelhagem, a partir de sua recente projeção em Belém do Pará, apresentando alguns aspectos concernentes à sua reprodução no contexto citadino, incluindo suas dimensões pública e estético-performática. Utilizo-me de teorias construídas no âmbito das Ciências Sociais sobre a função e o significado das expressões festivas, especialmente, no que diz respeito à relação entre festa e cotidiano. Por meio de tais considerações, delimitei heuristicamente um quadro composto por três aspectos mutuamente envolvidos: a) a dimensão estrutural do evento festivo, marcada pela ordem da diferenciação suntuosa (estética, plástica, dramática e performática), b) a reprodução pública, correspondente às estratégias publicitárias, às veiculações nos meios de comunicação locais e regionais e à divulgação e promoção dos elementos relativos ao primeiro aspecto e c) as redes de sociabilidades, esteticidades, códigos de identificação grupal, gramaticalidades, afetividades, devidamente representados ordinária e eventualmente.

Inicio de página

Texto completo

1Como um preâmbulo, apresento aqui algumas anotações de cunho majoritariamente alegórico que, desde já, vêm elucidar certos motes importantes do que pretendo discutir adiante. As anotações emitidas, como um irônico Diário de Campo/Gabinete, dizem respeito à rotina de minhas pesquisas num determinado sábado de 2007.

2I – Sete horas da manhã. Cheguei em casa ainda há pouco da festa de lançamento do novo DVD da aparelhagem Tupinambá, no Ipanema Clube – Cidade Nova – e já ouço, em sonoros decibéis, a propaganda de mais uma festa de aparelhagem para este final de semana. Apesar da desorientação natural de quem não dormiu a noite toda, percebo, da janela de casa, que o estriduloso anúncio provém de um carro-som estacionado logo defronte de minha residência. Vejo que algumas pessoas se aglomeram em torno do respectivo carro-som. O motivo: do banco do carona um rapaz distribui, gratuitamente, ingressos para a festa da aparelhagem Superpop, que ocorrerá esta noite em um ginásio pertencente ao Quartel do Corpo de Bombeiros, a poucas quadras daqui. Também gostaria de alguns ingressos, pois sei que na bilheteria custará pelo menos uns vinte reais, mas estou bastante exausto, quem sabe da próxima vez.

3II – São exatamente onze horas da manhã. Faço mais algumas anotações sobre a festa desta última noite e aproveito para folhear a edição de hoje do jornal O Liberal (diário de grande circulação local) à procura de informações sobre as agendas das principais festas de aparelhagem para este final de semana, na cidade. Na seção Magazine do referido jornal, direcionada a temas de entretenimento, em geral (eventos artísticos, turismo, gastronomia etc.), chama-me a atenção uma matéria de quatro páginas sobre o lançamento da “repaginada” aparelhagem Rubi, que ocorrerá hoje e amanhã no Cidade Folia e no Ipanema Clube, respectivamente. De acordo com o título da matéria, “será uma explosão de som e tecnologia”. Embora ainda esteja muito cansado, acho que já sei para onde ir neste final de semana.

4III – O relógio na parede indica que já passam das dezessete horas. Como nos demais sábados dos últimos três meses, passei a tarde toda no sofá de casa, com meu caderno de anotações, assistindo, pela TV Rauland (emissora local de rádio e televisão), a uma sequência de programas promovidos, custeados e apresentados por algumas das principais aparelhagens da cidade como meio de divulgação de seus empreendimentos (exibindo imagens das festas mais recentes, anunciando patrocinadores e fazendo muita autopromoção). A maratona televisiva teve início logo após o almoço, quando começou o Na Frequência na Tv, da aparelhagem Tupinambá. Neste momento assisto ao Calhambeque da Saudade, da aparelhagem Brasilândia, e aguardo a exibição do programa Mega Príncipe Negro, da aparelhagem de mesmo nome, que começará daqui a pouco.

5IV – Vinte e três e trinta. Enquanto ouço uma incessante e sonora exposição dos últimos sucessos do brega, procuro terminar um artigo que apresentarei à disciplina Seminários de Dissertação, do curso de mestrado em Ciências Sociais – Antropologia (UFPA), do qual sou discente. A música vem de um pequeno bar localizado a poucos metros de meu apartamento, cujo proprietário, pelo visto, resolveu não economizar na capacidade de seus equipamentos sonoros. O som reverbera pelas frestas da janela do quarto, propagando-se acusticamente por todos os cômodos de minha residência. Escuto as letras das canções, quase que exclusivamente relacionadas ao universo das festas de aparelhagem. Tento não dar muita atenção, pois preciso terminar minhas atividades, mas acho que deixarei este trabalho para amanhã, já que, provavelmente, essa festa não terminará tão cedo, como sempre.

Trivialidades extraordinárias

  • 1 Os equipamentos e demais recursos constituintes de uma aparelhagem, geralmente são dispostos segun (...)

6As festas de aparelhagem, de modo geral, inserem-se no conjunto de modalidades festivas associadas à atuação das chamadas aparelhagens, empreendimentos identificados pela utilização de suntuosos aparatos eletrônicos, sonoros e visuais; diferenciados pelo “estilo” de festas que propõem; pelo público que atraem e por suas dimensões e feições diversas.1 Algumas, as menores, podem incluir (além do dj) apenas um par de amplificadores (PA”s) e alguns aparelhos como toca-cd, computador, MP3 e equalizadores – geralmente presentes em festividades comunitárias, confraternizações profissionais, bares, bingos dançantes, aniversários e demais eventos de proporções relativamente menores. Outras, como as de grande porte, constituem verdadeiras boates itinerantes, com equipes técnicas, caminhões-baú, estúdio de áudio e vídeo, mesas de som, armações metálicas, palco com suporte hidráulico, sistemas de iluminação, monitores em tela plana, câmeras de vídeo, máquinas de fumaça, entre outros materiais e recursos. Estas últimas, também chamadas midiaticamente de superaparelhagens, tornaram-se responsáveis pela projeção das festas de aparelhagem, tal como ficaram notoriamente conhecidas e denominadas na capital paraense e demais municípios próximos.

7As festas de aparelhagem configuram um cenário amplo em Belém, e característico na relação que estabelecem entre público, festas e aparelhagens – assinalada, principalmente, pelos fã-clubes; pelas canções que procuram exaltar as qualidades e virtudes das aparelhagens e por outras articulações afetivas, dramáticas, performáticas e estéticas que se desdobram para além do momento festivo propriamente dito.

8A manutenção da relação público/aparelhagem, segundo seus protagonistas, baseia-se na originalidade e na eficácia do modo como as aparelhagens realizam constantes “inovações” e “evoluções”. O que envolve desde o aparato tecnológico utilizado – sonoro, eletrônico, luminoso etc. – até a criatividade, o carisma e a destreza dos djs na manipulação dos equipamentos e interações com o público por meio de performances que incluem vinhetas, chamadas ao microfone e intervenções durante a reprodução de canções.

9Esta relação público/aparelhagem também é estabelecida por meio da dança e dos repertórios musicais. Os gêneros mais tocados (e dançados) são o forró eletrônico, o funk carioca, o arrocha e o melody. Todavia, embora estes gêneros sejam os mais requisitados, os repertórios podem se diferenciar bastante em decorrência da diversificação do público, dos locais e circunstâncias em que ocorrem.

10Dada sua contínua projeção e visibilidade durante, principalmente, a primeira década do século XXI, as festas de aparelhagem passaram a atrair públicos de diferentes procedências. Curiosos em geral, jornalistas e, sobretudo, jovens de camadas médias interessados em participar e conhecer, incentivados ou não pelas propagandas e matérias veiculadas nos meios de comunicação, juntaram-se pouco a pouco (com algumas limitações) aos demais frequentadores. De acordo com o que majoritariamente se divulgava pela imprensa local, estas festas, que até então ocorriam quase que exclusivamente em galpões, sedes esportivas e clubes localizados em espaços periféricos da cidade, teriam “invadido” lugares tradicionalmente reconhecidos como redutos da “classe média” belemense, em circunstâncias as mais distintas (shows de artistas locais e nacionais), assumindo assim diferentes feições.

11As festas de aparelhagem, expressas em múltiplos desdobramentos, entremearam-se num jogo de significações bem heterogêneo, por meio de discursos que as representavam ora como sustentáculos de toda uma cadeia (mainstream alternativo) cultural e econômica periférica, independente e original, que nortearia e reafirmaria identidades; ora como uma cultura nociva, perniciosa e alienante que homogeneizaria, pela influência da indústria de massa, as práticas culturais realmente “autênticas”.

12A notória visibilidade que as chamadas festas de aparelhagem adquiriram em Belém do Pará, quando da época em que eu cursava o mestrado em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Pará (2006-2008) implicou, certamente, uma dinâmica muito particular ao desenvolvimento de minhas pesquisas. Embora considere que a delimitação de um determinado objeto de estudo pressupõe, necessariamente, a subsequuente aproximação de uma dada realidade social e simbólica, chamou-me a atenção que, mesmo não me reconhecendo como um “típico” antropólogo-nativo (já que meus interesses éticos e estéticos eram outros), o universo de meus estudos, de modo geral, jamais me fora exclusivamente “estranho”. Quando das pesquisas que realizei, situações e contextos trespassados por algumas de minhas experiências mais ordinárias assumiram importância fundamental à compreensão de muitas das relações e práticas que constituíam o domínio das festas de aparelhagem. Uma gíria, um corte de cabelo, uma tatuagem, uma camiseta, tudo me parecia conter alguma associação com as festas de aparelhagem. Isto, é claro, sem contar com a enxurrada de decibéis promovida pelos equipamentos sonoros de carros, bares, residências, que se propagava por, praticamente, toda a cidade, não deixando de suscitar a ideia de que se convivia a todo o momento com uma festa de aparelhagem. Em muitas circunstâncias não precisei realmente de grandes incursões etnográficas para manter-me devidamente informado sobre as últimas e constantes novidades do mundo das aparelhagens.

13Tornou-se curioso que uma série de elementos expressivos concernentes à dimensão festiva do fenômeno em questão, chegasse até a mim de maneira relativamente espontânea. Como se a ordem do ordinário e prosaico se confundisse, num continuum dialético, com os aspectos mais eventuais e singulares da ordem festiva. Continuum engendrado não somente pela grande quantidade de festas que, sequentemente, interpunham-se a cada dia nos múltiplos espaços e contextos da cidade, ou mesmo pela recorrente veiculação destas festas nas mídias locais, mas, principalmente, pela forma como estes referidos aspectos desdobravam-se, com diferentes matizes, por planos relativamente diversos da vida social, tornando-se isto, inclusive, parte de sua lógica de reprodução. Algo como um transbordo do fenômeno festivo para além da ordem puramente formal, que se delineava por gramaticalidades, esteticidades e modos de sociabilidade não necessariamente compartilhados (ou sempre compartilhados) em todos os estratos da sociedade local, mas, certamente, reconhecíveis, mesmo que de maneira fragmentada, nos mais diversos domínios. As festas de aparelhagem não se resumiam a pontualidades.

  • 2 De acordo com Maurício da Costa, bregas são quase todas as músicas de “cunho popular” tocadas nas (...)

14Antônio Maurício da Costa, em seus estudos sobre o circuito bregueiro de Belém do Pará, ressalta justamente a dimensão que as chamadas festas de brega, principalmente as que envolvem aparelhagens, assumem (ou assumiam) no cotidiano da cidade:2

A festa de brega em Belém está a meio caminho entre a cultura de massa (produzida localmente) e as práticas culturais de seus frequentadores. Ela não se apresenta no sentido clássico enquanto uma ruptura temporal por excelência. Até certa medida, a festa de brega se confunde com o cotidiano da cidade, com suas festas que vão de quinta à segunda-feira seguinte de cada semana. Ao mesmo tempo, ela está dotada de um grau de flexibilidade que lhe permite adequar-se aos pontos altos do calendário festivo da cidade. De todo modo, eventos do circuito são quase sempre apresentados por seus organizadores como “únicos”, ressaltando a sua novidade e o acréscimo de atrações (equipamentos novos da aparelhagem, presença de artistas de brega, a primeira apresentação de uma aparelhagem em determinada casa de festa etc.), de modo a chamar a maior quantidade de pessoas possível. E mesmo do ponto de vista do público, a participação nestes eventos, tomada como uma opção de lazer, destoa do cotidiano de trabalho e das obrigações da rotina diária. O sentido construído localmente para a festa do circuito bregueiro reside fundamentalmente nestas condições particulares. (COSTA 2007:94).

15 Decerto, não é de hoje que esta dita contraposição entre domínios cotidianos e eventuais apresenta-se no âmbito das Ciências Sociais como dorsal nos estudos em torno da natureza e sentido das festas.

  • 3 Victor Turner, inspirado em Durkheim, vai chamar a atenção justamente para o aspecto criador desta (...)

16 Ao atentar para a dimensão recreativa e estética da religião, Émile Durkheim, em As Formas Elementares da Vida Religiosa, de 1912, já inseria algumas considerações que se tornaram recorrentes nos estudos posteriores sobre o caráter e o papel das comemorações festivas. De acordo com este autor, tanto as cerimônias religiosas quanto as festas correspondem a momentos especiais da vida social, marcados pela possibilidade de transgressão às normas, pela aproximação que propiciam entre os indivíduos e pela produção de um estado de efervescência coletiva:3

A ideia mesma de uma cerimônia religiosa de certa importância desperta naturalmente a ideia de festa. Inversamente, toda festa, mesmo que puramente leiga por suas origens, tem certos traços da cerimônia religiosa, pois sempre tem por efeito aproximar os indivíduos, pôr em movimento as massas e suscitar, assim, um estado de efervescência, às vezes até de delírio, que não deixa de ter parentesco com o estado religioso. O homem é transportado fora de si, distraído de suas ocupações e preocupações ordinárias. Por isso, observam-se, em ambos os casos as mesmas manifestações: gritos, cantos, música, movimentos violentos, danças, busca de estimulantes que elevem o nível vital, etc. Foi assinalado com frequência que as festas populares levam aos excessos, fazem perder de vista os limites que separam o lícito do ilícito; também há cerimônias religiosas que determinam como que uma necessidade de violar as regras, ordinariamente as mais respeitadas. (DURKHEIM 1997: 417-418).

17Para Durkheim, todas as crenças religiosas fundamentam-se na divisão do mundo em dois domínios opostos e radicalmente distintos, a saber: o profano e o sagrado. A definição de tais categorias situa-se na ordem opositiva que assumem entre si. Conforme ressalta este autor, nada do que pertence, direta ou indiretamente, ao mundo profano deve se misturar ao domínio do sagrado, e a festa, assim como os rituais religiosos, surgem justamente da necessidade de diferenciação, temporal e espacial, em que todas as práticas referentes à vida ordinária são devidamente interditas: “É nesse princípio que se baseia a instituição universal do descanso religioso. O caráter distintivo dos dias de festa, em todas as religiões conhecidas é a paralisação do trabalho, é a suspensão da vida pública e privada, na medida em que esta não tem objetivo religioso” (DURKHEIM 1997:325).

18Por sua natureza particular, a festa constitui então uma espécie de “válvula de escape”, uma fuga momentânea dos constrangimentos cotidianos, não tendo, a princípio, nenhuma utilidade imediata. Já em um segundo momento, a festa assume sua função regeneradora dos “espíritos já fatigados” com o que há de sujeição ao ritmo ordinário do mundo, atuando assim, no restabelecimento dos laços que possibilitam a vida social:

[...] a recreação é uma das formas desse restabelecimento moral que é o objeto principal do culto positivo. Assim que cumprimos nossos deveres rituais, retornamos à vida profana com mais coragem e ardor, não somente porque nos pusemos em contato com uma fonte superior de energia, mas também porque nossas forças se revigoraram ao viver, por alguns instantes, uma vida menos tensa, mais agradável e mais livre (DURKHEIM 1997:417).

19A festa, como um momento distinto à ordem ordinária das coisas, ainda vai aparecer em muitas das produções posteriores sobre o assunto, com algumas mudanças de enfoque e perspectivas.

20Dentre os autores brasileiros, Roberto DaMatta foi um dos que mais notoriamente se debruçou a respeito do referido tema. De acordo com este antropólogo, os rituais (e aqui a festa é entendida como um ritual) são discursos que atuam no processo de transmissão e reprodução de valores que compõem as sociedades. Neste sentido, os rituais são veículos privilegiados através dos quais as sociedades dramatizam aspectos relativos a si próprias, atualizando-os ou mesmo lhes dando novos significados:

O rito, assim, entre outras coisas, pode marcar aquele instante privilegiado em que buscamos transformar o particular no universal (comemorando, por exemplo, nossa independência de uma nação matriz colonizadora); o regional no nacional (quando comemoramos um santo local que, naquele momento, pode representar todo o país); o individual no coletivo como ocorre numa festa de aniversário, onde a ênfase é colocada na relação entre gerações, ou, ao inverso, quando diante de um problema universal, mostramos como o resolvemos, nos apropriamos dele por um certo ângulo e o marcamos como um determinado estilo (DAMATTA 1997:31).

21Para DaMatta, uma vez que o ritual corresponde a uma dramatização discursiva de partes, situações, relações e contextos da vida ordinária, os elementos que exprime são, por este prisma, totalmente relativos ao que ocorre nesta última: “Uma ação que no mundo diário é banal, pode adquirir um alto significado (e assim, virar rito), quando destacada num certo ambiente por meio de uma sequência” (DAMATTA 1997:37). O ritual se compõe a partir de uma dialética entre o extraordinário e o cotidiano, onde um atua diretamente sobre o outro, confirmando-se ou se contrapondo mutuamente: “É o rito, então, o veículo da permanência e da mudança. Do retorno à ordem, ou da criação de uma nova ordem, uma nova alternativa” (DAMATTA 1997:39).

22DaMatta acaba por relativizar a ideia de que a festa consiste, necessariamente, num veículo de reforço da ordem social, já que a maneira com que os ritos destacam ou expressam aspectos da realidade pode assumir diferentes direções. Com tais proposições, este autor realiza um movimento de mão dupla, na medida em que tenta demonstrar que o ritual e a festa, não se constituem domínio à parte do cotidiano, pois se relacionam dialeticamente com este, e “não devem ser tomados como momentos essencialmente diferentes (em forma, qualidade e matéria-prima) daqueles que formam e informam a rotina da vida diária” (DAMATTA 1997:76). No entanto, ao mesmo tempo, o ritual pertence ao plano do extraordinário, configura-se como um momento nitidamente especial, na dramatização de contextos da vida diária, seja para transformá-la, seja para reforçá-la:

[O ritual] é a separação nítida entre o mundo cotidiano e outro: o universo dos acontecimentos extra-ordinários. A passagem de um domínio a outro é marcado por alterações no comportamento, e tais mudanças criam as condições para que eles sejam percebidos como especiais. Este é o subuniverso das festas e solenidades. (DAMATTA 1997: 49).

23Concordo, tal como frisa DaMatta, que o ritual seja, realmente, algo plenamente compatível com os domínios mais ordinários da vida, e que os elementos que compõem o primeiro encontram-se devidamente presentes nestes últimos. Todavia, parece-me aqui, e isto, presumo eu, não é casual, que a preocupação tanto de DaMatta quanto de muitos outros autores nacionais e estrangeiros consiste mais na busca de uma compreensão ou apreensão dos contextos, aspectos e situações do cotidiano que se tornariam devidamente dramatizados na e pela festa, do que na apreensão dos mecanismos possíveis através dos quais a festa permearia, em diferentes planos, aquele primeiro. Mesmo considerando que uma coisa pode levar a outra, o que proponho, neste trabalho é justamente seguir pela outra via dialética, procurando mostrar como determinadas práticas festivas se imbricam num continuum particular pelos vários meandros que marcam a cotidianidade, e que, mesmo mantendo suas propriedades extraordinárias, chegam em alguns momentos a perder de vista os limiares que a separariam das práticas consideradas comuns à vida diária.

24Não pretendo desenvolver grandes considerações acerca de uma possível teoria da festa, nem realizar uma revisão da literatura referente; a questão se situa no interesse em problematizar a relação existente entre as festas de aparelhagem como um momento verdadeiramente singular e as intersticialidades do cotidiano citadino local.

25Segundo comentei anteriormente, quando de minhas pesquisas sobre as festas de aparelhagem em Belém, em meados da primeira década do século XXI, deparei-me com uma conjuntura bastante peculiar. Embora, acredito, não compartilhasse das relações éticas e estéticas que atribuía e reconhecia como relacionadas a este universo festivo (interesses musicais, afetividades, gramaticalidades etc.), parecia-me que praticamente todos os possíveis planos que compunham minhas redes de relações sociais continham alguma relação com as festas de aparelhagem, ainda que indiretamente.

26Devo ressaltar que tal consideração não se trata de um mero equívoco epistemológico. Reconheço, consoante frisa Gilberto Velho, que o fato de determinadas paisagens sociais nos serem relativamente habituais, onde as disposições dos atores nos são, de certa forma, familiares, além de não significar, necessariamente, que compreendemos a lógica de suas relações, podem, também, constituir impedimento, caso não haja uma problematização sistemática desta presumível familiaridade. Conforme alerta o autor:

[...] em princípio, dispomos de um mapa que nos familiariza com os cenários e situações de nosso cotidiano, dando nome, lugar e posição aos indivíduos. Isso, no entanto, não significa que conhecemos a visão de mundo dos diferentes atores em uma situação social, nem as regras que estão por detrás dessas interações, dando continuidade ao sistema. (VELHO 2004:127).

27Entretanto, não posso deixar de frisar que as proporções adquiridas pelas festas de aparelhagem na capital paraense imprimiram, como já foi dito, uma dinâmica muito particular às minhas práticas etnográficas que, em muitas circunstâncias, tornaram-se bastante fluidas, contínuas e, por vezes, espontâneas, como se o estar lá e o estar aqui, de que nos fala Clifford Geertz (2005), perdessem seus limiares.

28Portanto, não afirmo que as festas de aparelhagem, por terem se apresentado notoriamente presentes em diversos planos de minhas redes de relações sociais, fossem plenamente familiares (ou mesmo que fossem legitimadas e compartilhadas por todos os domínios da sociedade local), e é justamente nesta constatação, de uma familiaridade relativa, que se situa parte importante das questões que insiro.

29Por conseguinte, partindo deste ponto, primeiramente há as possibilidades oferecidas por este mote às discussões sobre a relação existente entre as festas de aparelhagem e a dinâmica citadina. Em segundo, têm-se os desdobramentos que esta relação fornece para o entendimento de sua ordem de reprodução e, consequentemente, para a compreensão de certos aspectos sociais e simbólicos relevantes no que tange à compreensão dos fenômenos festivos.

30 Inicio este empreendimento contextualizando a temática em um plano sócio-histórico pertinente, procurando compreender como se deu, em linhas gerais, a projeção das festas de aparelhagem e que tipo de interações e relações elas inauguraram ou articularam.

Quando a brincadeira fica séria

31“Tudo começou meio que de brincadeira!”. Com este comentário Zenildo Fonseca, proprietário da aparelhagem Brasilândia, tenta esclarecer, em uma das entrevistas que realizei para esta pesquisa, o matiz originário do que ficou conhecido publicamente como o “fenômeno” das festas de aparelhagem. Afirmação que não deixa de ser ironicamente sintomática por se referir a um universo lúdico-festivo. O empresário (como o mesmo fez questão de se identificar) quis explicar que não houve um planejamento propriamente dito, uma espécie de organização deliberada que justificasse as proporções assumidas pelas atuais festas de aparelhagem. Tudo ocorreu de maneira mais ou menos espontânea. Com a chegada das vitrolas, projetores e equipamentos valvulados na região, ainda na primeira metade do século XX, pareceu viável e pertinente para alguns moradores dos bairros periféricos e populares de Belém e municípios próximos, quando do interesse na realização de festividades de santo, de aniversários, de batizados, chamarem “aquele compadre” proprietário de um aparelho destes (na época, já utilizados na divulgação de pequenos comércios). Costumava-se nem cobrar pelo serviço. Todavia, esses aparelhos tornaram-se cada vez mais requisitados, fazendo com que seus proprietários começassem a vislumbrar outras possibilidades:

Quando foi chegando a década de cinquenta; a década de sessenta, começaram a surgir aquelas vitrolas, aquelas radiolas no Brasil... aí começaram a trazer umas pra cá... Como não tinha publicidade, era só aquele repórter Shell... bem pouquinho ainda se ouvia falar alguma coisa de publicidade... Papai como era marinheiro, ele conseguia muitas músicas através dos portos, dos colegas, conseguia muita música de merengue aí de fora. E ele colocava na porta da loja que nós tínhamos, uma fábrica de móveis, pra animar os clientes, os funcionários. Ele gostava da música e deixava tocar lá na frente... O tempo todo tocando aquilo. E o negócio foi dando certo. A gente se chamava muito, naquela época, de compadre: “compadre, toque pra mim ali, no aniversário da minha filha...”, festa de São João, festinha de colégio... Muitas festinhas assim... Não era nada muito sério, era mais por brincadeira mesmo... Um negócio bem simples, que os alto falantes eram pendurados nas paredes, não tinha caixa de som naquela época. Botava aquele projetorzão nas frentes das casas, ou em poste, nos açaizeiros, pra jogar o som bem longe pra dizer que ali ia ter festa. Aí foram surgindo os sonoros, naquela época começaram a chamar de sonoro... o sonoro Brasilândia... Existia outros sonoros... sonoro Sansão, sonoro Paysandu, sonoro Clube do Remo, Copacabana... sonoros que hoje já não existem mais. E também o sonoro Brasilândia... aí começamos a construir, na fábrica, caixas de som... Aí a gente fez a aparelhagem de som... Naquela época era bem atrasado, se usava um toca-disco só. A pessoa tocava uma música, quando terminava aquela música as pessoas ficavam batendo palma até ele trocar o disco. Era um negócio bem atrasado. Até que lançaram dois toca-discos. Foi toda uma novidade. Aí não parou mais. Os pessoal inventaram as modas das aparelhagens. Na década de setenta e oitenta, já começou a ser aparelhagem de som. O negócio foi evoluindo de acordo com que as tecnologias foram avançando no mercado, foram chegando equipamentos novos. Hoje uma aparelhagem é uma empresa, com funcionários... é um movimento que ajuda o governo a combater o desemprego, direto e indireto. Cada dia envolve mais profissionais. (Zenildo Fonseca. O dj Zenildo. Entrevista realizada em 27/05/2007).

32A noção de que tudo começou como uma despretensiosa brincadeira e foi adquirindo outras proporções dantes inexistentes remete às proposições de vários autores que abordam a dimensão cultural da ludicidade. Johan Huizinga, em suas observações, verifica que o jogo e as práticas lúdicas em geral constituem uma atividade exterior à vida habitual, conscientemente concebida como “não-séria” (porém extremamente séria em sua lógica interna) e desinteressada, mas capaz de absorver os indivíduos de maneira particularmente intensa, a partir de uma diferenciação temporal e espacial própria:

[...] O jogo é uma função que facilmente poderia ser dispensada, é algo supérfluo. [...] Trata-se de uma evasão da vida “real” para uma esfera temporária de atividade com orientação própria. [...] Ele se insinua como atividade temporária que tem uma finalidade autônoma e se realiza tendo em vista uma satisfação que consiste nessa própria realização. [...] E há, diretamente ligada a sua limitação no tempo, uma outra característica interessante do jogo, a de se fixar imediatamente como fenômeno cultural. Mesmo depois de o jogo ter chegado ao fim, ele permanece como uma criação nova do espírito, um tesouro a ser conservado pela memória. É transmitido, torna-se tradição. [...] Uma de suas qualidades fundamentais reside nesta capacidade de repetição, que não se aplica apenas ao jogo em geral, mas também à sua estrutura interna. [...] Reina dentro do domínio do jogo uma ordem específica e absoluta. [...] É talvez devido a esta afinidade profunda entre a ordem e o jogo que este, como assinalamos de passagem, parece estar em tão larga medida ligado ao domínio do estético. Há nele uma tendência para ser belo. (HUIZINGA 2007:10 e 13).

33Temos aqui alguns elementos elucidativos da reprodução social, simbólica e histórica destas práticas festivas. Não era nada muito sério e, portanto, distinto à ordem ordinária (uma brincadeira de final de semana); havia um certo desinteresse do ponto de vista econômico, pois, geralmente, nem havia cobrança pela sonorização; apesar disso, decorreu numa contínua “evolução” artística e estética que assumiu uma magnitude verdadeiramente apoteótica, na medida em que este processo adquiriu maior gravidade, maior “seriedade”.

34As acepções aqui referidas, de modo geral, não diferem substancialmente das proposições já enunciadas por Durkheim sobre a dimensão estética e recreativa da religião. A oposição entre a rotina diária e o momento festivo, dentre outros aspectos relativos, podem ser devidamente encontrados tanto em As formas Elementares da Vida Religiosa quanto na obra de muitos outros autores. O que, neste contexto, acrescenta uma certa particularidade a tais considerações é justamente a ênfase dada à noção de “evolução” da festa (ou do jogo), não só de sua amplitude sociológica, mas também no que diz respeito aos seus aspectos estéticos, performáticos e dramáticos, em paralelo à sua emersão como um empreendimento verdadeiramente “sério”.

35Fossem em casamentos, aniversários, festividades ou bailes populares, as festas sonorizadas por aparatos eletrônicos, desde pelo menos a década de 1950, já figuravam como práticas relativamente comuns na paisagem da cidade, geralmente relativas a sociabilidades e espaços populares, como cabarés, gafieiras, e os chamados bregões da periferia da cidade. Ora, esta organicidade não foi meramente ocasional.

36Embora reconheça que as festas de aparelhagem chegaram a inaugurar formas de sociabilidade próprias, não afirmo que estas práticas tenham surgido por algum tipo de encanto. Houve uma espécie de reavaliação funcional das possibilidades que determinados adventos tecnológicos e outros produtos culturais puderam oferecer.

  • 4 Tais reavaliações funcionais, como frisa Marshall Sahlins, longe de constituírem uma “importação e (...)

37Os compadres do senhor Zenildo Fonseca não começaram a realizar seus eventos somente após o aparecimento das vitrolas, projetores e valvulados. As circunstâncias festivas já eram frequentes, devidamente configuradas pelas redes de vizinhança, pela religiosidade leiga, pelos vínculos familiares e de compadrio, dentre outros aspectos contextuais; e consideradas corriqueiras para muitos grupos e segmentos sociais da cidade e do interior do estado. Neste sentido, as aparelhagens surgiram a partir dos interstícios instrumentais de tais práticas festivas, ou seja, como movimentos de reavaliações funcionais que, gradualmente, passaram a participar da lógica de reprodução deste fenômeno.4

38 Conforme dito anteriormente, apesar da despretensão inicial, as festas animadas pelas aparelhagens (boca de ferro, picapos ou sonoros, como eram chamadas) foram cada vez mais se expandindo. Ainda que estas modalidades festivas pouco penetrassem nos “ambientes médios” da cidade, novas aparelhagens surgiam e mais festas ocorriam, fazendo com que tudo adquirisse um caráter mais “sério”. Caráter este no qual “evoluir” se tornou fundamental. Daí então surge, segundo ressalta Zenildo Fonseca, a “moda das aparelhagens”.

39O papel mediador que as aparelhagens assumiram desde a sua origem (remeto-me, por exemplo, às vitrolas do pai de Zenildo Fonseca) – sempre “antenadas” com o que havia de mais “moderno” e “inovador” circulando pelos meios de massa – estabelecendo arranjos dialógicos entre múltiplas escalas de produção e reprodução cultural, talvez represente um dos principais aspectos que vieram a delinear os contornos das atuais festas de aparelhagem. Basta observar sua trajetória para logo constatar como estes referidos arranjos dialógicos foram gradativamente deixando marcas indeléveis na história das aparelhagens.

40Se recortarmos pelo menos as últimas três décadas deste último século, verificamos como as pistas de dança das discotecas americanas e seus efeitos estroboscópicos; a disco music; os ds com suas performances sobre as pickus; o house music, as festas rave europeias com suas vertentes da música eletrônica; o funk carioca; os grandes espetáculos da música pop, e tudo que porventura já esteve (ou esteja) na “crista da moda” dos mais diferentes mercados culturais, já deixaram suas assinaturas na ordem “evolutiva” das aparelhagens.

41A ideia de “evolução” diz respeito tanto à sequente sofisticação e inovação tecnológica, sonora, estética e performática, quanto à utilização de diversas estratégias publicitárias e empáticas pertinentes à projeção pública das festas, dos djs e das aparelhagens.

42Há então um quadro composto por três aspectos diretamente imbricados e heuristicamente delimitados: de início vemos a dimensão estrutural do evento festivo, marcada pela ordem da diferenciação suntuosa, sobretudo, estética, plástica, dramática e performática. Trata-se do caráter extraordinário e singular da festa em comum acordo com o caráter empresarial que possui. Vemos também a reprodução pública das festas de aparelhagem, que consiste, do mesmo modo, em um mecanismo de diferenciação. A este correspondem as estratégias publicitárias, as veiculações nos meios de comunicação locais e regionais e a divulgação e promoção dos elementos relativos àquele primeiro aspecto. Trespassado por estas duas dimensões, temos então toda a gama de sociabilidades, gostos artísticos, esteticidades, códigos de identificação grupal, gramaticalidades, afetividades, além dos hábitos de lazer em geral, devidamente representados cotidianamente e que se reproduzem neste domínio.

A inclusão pela exclusividade

43Em suas considerações sobre a função sociativa das relações competitivas, Georg Simmel observa que a competição, em determinadas circunstâncias, promove um verdadeiro entrelaçamento de perspectivas subjetivas e objetivas, evidenciando, ao mesmo tempo, interesses individuais e aspectos estruturais.

44Este autor procura ressaltar como a competição impele os indivíduos concorrentes a buscarem, paralelamente, meios de levar o competidor “(...) a procurar o objeto pretendido, a aproximar-se dele, a estabelecer laços com ele, a descobrir suas forças e fraquezas e ajustar-se a elas, a encontrar todas as pontes ou a criar novas, que possam conectá-lo ao próprio ser e obra do concorrente” (SIMMEL 1983:139). Os conteúdos que produzem as relações competitivas tornando-as uma forma de sociação criam uma infinidade de elos sociológicos engendrados pelas diferentes articulações do homem em direção ao homem e de sua adaptação ao outro, onde “(...) a competição é para o homem uma luta por aplauso e esforço, isenção e devoção de todos os tipos, uma luta de poucos por muitos, assim como de muitos por poucos” (SIMMEL 1983:140).

45Nada mais elucidativo do que o jogo envolvido nas relações competitivas aparentemente pontuais entre as aparelhagens (sobretudo as de grande porte), e a contribuição destas relações para a compreensão de alguns pontos importantes do já referido “fenômeno” das festas de aparelhagem.

46Em uma breve entrevista que realizei com Raimundo Corrêa, o dj e proprietário da aparelhagem Tupinambá, passamos aproximadamente vinte minutos conversando sobre o, até então, recém-inaugurado Altar-Sonoro do Tupinambá, um sistema hidráulico que elevava a cabine na qual o dj realizava suas performances, movendo-a em várias direções. Para Raimundo Corrêa o lançamento do Altar-Sonoro representou, sobretudo, a confirmação para o público de seu compromisso com a inovação tecnológica e com a “evolução”, estando assim, supostamente, à frente da concorrência:

[...] Aí veio o Treme-Terra, o Novíssimo e agora já estamos com projeto pra outra estrutura grandiosa... Temos djs novos, temos o Altar... O Altar é o ápice da festa... tu sabes... é quando eu aciono toda a iluminação, os efeitos de som, sonoplastia e o hidráulico. (Raimundo Corrêa, o dj Dinho, entrevista realizada em 21/03/2006).

47Gilmar Santos, proprietário da aparelhagem Rubi, por sua vez, numa rápida e atribulada entrevista que realizei durante uma festa na boate Metrô, em um bairro central de Belém, teceu o subsequente comentário:

[...] o Rubi já existe desde o tempo em que ainda se usava os equipamentos valvulados... Naquele tempo chamavam de sonoro... Nós já passamos por todo tipo de fase... Já estamos na estrada há mais de meio século... É uma história que tem que se respeitar... É como eu digo lá na frente: “o primeiro você nunca esquece”. E isso com certeza é graças à criatividade de quem faz o Rubi; nossa capacidade de tá sempre inovando... Na tecnologia, no som... Quem não tem talento, ousadia, vai ficando pra trás. É por isso que a gente se destaca. (Gilmar Santos, o dj Gilmar. Entrevista realizada em 18/07/2006).

48Todas as aparelhagens com as quais tive contato, quando do período de minhas pesquisas, desenvolviam estratégias e utilizavam recursos que traziam referências (nos termos dos entrevistados) “tecnológicas”, “modernas” e “futuristas”, responsáveis pelo que haveria de surpreendente e espetacular nas festas. Por meio destes recursos e estratégias (não somente, é claro) as aparelhagens se articulavam e se movimentavam frente ao público e à concorrência.

  • 5 Como referência, insiro aqui a letra de uma canção do grupo Bruno e Trio, chamada 24 Horas, uma de (...)

49Aqui, vemos então a outra face deste processo de diferenciação, pois não bastava apenas inovar na capacidade sonora dos equipamentos, ou criar novas performances, era necessário “espalhar a notícia” por toda a cidade. Todos deveriam saber qual o dj mais carismático, qual a festa com melhor segurança, qual a aparelhagem mais grandiosa. Para viabilização desta empreitada surgiram os programas de rádio e televisão, as camisetas, bonés e adesivos com diferentes tarjas/logomarcas e a variedade de bregas paraenses e demais vertentes que atuavam como verdadeiros jingles publicitários, ou odes às aparelhagens, se quisermos enfatizar o caráter lúdico deste fenômeno.5

50Para melhor ilustrar os sentidos de concorrência e de publicidade, lanço mão de uma declaração de Raimundo Corrêa (o dj Dinho) durante a apresentação do programa Na Frequência, promovido pela aparelhagem Tupinambá:

[...] Você que acompanha o Tupinambá sabe que sempre estamos lançando novidades... Pois é... adquirimos em São Paulo novos equipamentos de última geração que vão “bombar” no Tupinambá a partir do mês de outubro. E olha que não pára por aí, vem aí ainda mais novidades, pois você sabe, ninguém chega ao sucesso por acaso, tem que manter o sucesso, por isso lançaremos em outubro um trio elétrico gigantesco... Ah! mas vão dizer: “mas Dinho, logo você, que sempre está à frente de todo mundo... na vanguarda... logo você, copiando os trios elétricos da Bahia”... Calma lá pessoal! deixa eu explicar. Nós vamos adaptar um trio elétrico que compramos lá da Bahia, que pertenceu a Ivete Sangalo pra fazer uma coisa totalmente inovadora, pra lançar no final de outubro ou início de novembro, o que vai revolucionar tudo que se conhece sobre aparelhagem, vai ser uma aparelhagem móvel. Aguarde. Pois você sabe, o Tupinambá nunca se cansa de inovar só para lhe trazer o que há de mais moderno e de melhor nas maiores festas do mundo, a mais alta tecnologia. (Raimundo Corrêa, comentário feito durante a apresentação do programa Na Frequência da emissora Rauland de Televisão em 02/10/2006).

51Muitas aparelhagens surgiram e muitas desapareceram, e a capacidade de se firmarem nesse jogo/competição foi fundamental para o malogro de umas e a consolidação de outras. Portanto, ao mesmo tempo em que esta busca pela diferenciação tornou este fenômeno tão heterogêneo e dinâmico, acabou por reafirmar e retroalimentar sua unidade e especificidade, no modo como se estabeleceu e se complexificou na paisagem sociocultural de Belém, principalmente, como já dito, durante a primeira década deste século. A significativa veiculação pública e as contínuas inovações produziram a ideia de que as festas de aparelhagem eram quase onipresentes na cidade.

  • 6 Mas não se pode negar que sua presença quase generalizada na cidade dificultava, em muitas situaçõ (...)

52Entretanto, é claro que nada disso se deu por mera imposição midiática. Por mais que se falasse em uma ditadura das aparelhagens (como alguns segmentos e indivíduos não tão entusiastas acusavam), não acredito, realmente, que houve algum tipo de “terrorismo sonoro”.6 O que se viu foi a presença de uma rede expressiva de relações, práticas e contextos que amparava e sustentava a projeção pública que as festas de aparelhagem assumiram, coadunando-se e se afeiçoando a esta mesma projeção. Daí a presença dos fã-clubes, equipes, galeras, e demais grupos de entusiastas – composições lúdico-associativas, geralmente juvenis – para os quais a festa parecia uma constante.

  • 7 Apesar do tempo verbal (pretérito) utilizado neste texto, as festas de aparelhagens ainda se fazem (...)
  • 8 Cláudia Rezende sublinha que as interações produzidas nas relações de sociabilidade nem sempre se (...)

53Conforme comentei, as festas de aparelhagem não constituíam apenas uma sucessão pontual de momentos festivos, já que se desdobravam pela dinâmica mais ou menos ordinária da cidade.7 Estes desdobramentos imbricavam-se às relações tecidas pelos indivíduos em suas interações cotidianas, o que indicava a dimensão pública envolvida produzindo uma dialética particular na qual a ordem festiva se confundia com a vida social de indivíduos e coletividades – uma se tornava a extensão da outra. Noutras palavras, muitos indivíduos vivenciavam este fenômeno por meio de suas sociabilidades mais cotidianas, baseadas comumente em relações de parentesco, vizinhança e amizade, coadunadas a aspectos estéticos, performáticos e afetivos. Isto, consequentemente, pressupunha certo exclusivismo no modo como sujeitos e associações, em suas relações, diferenciavam-se em meio aos arranjos interacionais de segmentos, camadas e domínios sociais, segundo suas perspectivas e expectativas distintas. A partir destas diferenciações surgiram grupos de entusiastas como os fã-clubes, as equipes e as galeras, exclusivos na significância que assumiam para seus prosélitos, e os elementos identificadores destes grupos refletiam as percepções, posições e interesses que possuíam.8

  • 9 Tais definições são muito mais de caráter heurístico. Não havia distinções fixas entre um fã-clube(...)

54Os fã-clubes costumavam se organizar em torno de alguma aparelhagem ou dj específico. Identificados pela associação que faziam à imagem da aparelhagem ou dj em questão (utilizavam camisetas, faixas, bonés), mas também pela dança, pelas interações durante as festas e por demais elementos que os particularizavam (o bairro, a escola, um “estilo”, interesse ou prática social que lhes eram próprios, devidamente referenciados nas denominações de cada fã-clube). As galeras não se distinguiam tanto dos fã-clubes, exceto por não se associarem, necessariamente, a alguma aparelhagem, mas a o universo festivo . Já as equipes comumente possuíam os chamados sons-automotivos (suntuosos equipamentos sonoros acoplados aos porta-malas de automóveis) e costumavam realizar encontros festivos entre seus pares, em balneários e festas de aparelhagem.9 Portanto, havia quem gostasse, não eram poucos e provinham dos mais diferentes domínios e camadas sociais, e bastava atentar para a profusão de decibéis decorrente deste fenômeno, para compreendermos sua imbricação com o domínio citadino.

55Nestes termos, não poderia falar desta relativa “onipresença” sem considerar os decibéis associados, aqui representados, sobretudo pelo melody, a música das aparelhagens. O melody, pelas feições que possuía (os mecanismos por meio dos quais era produzido, reproduzido e divulgado; os cenários, práticas e relações que representava em suas letras e ritmo), constituía (e constitui) uma extensão direta das festas de aparelhagem. Esta vertente do brega, também chamada de brega das aparelhagens, tornou-se lugar comum na paisagem da cidade. Ainda hoje, em várias circunstâncias, são tantos os aparelhos a tocar o ritmo que as muitas canções chegam a se emaranhar.

56A origem do melody remete à virada deste último século, quando o brega já havia se ramificado em novas vertentes, fruto das experimentações (compassos acelerados, harmonias mais “frenéticas”, letras de cunho festivo, mais “sérias” ou satíricas) e esforços de músicos e produtores musicais com vistas, sobretudo, a uma melhor aceitação por diferentes públicos e à propagação do gênero pelo país. Surgiram segmentos mesclados a estilos como o rock e a outros gêneros evocados, genericamente, como caribenhos: o zouk e a soca. Surgiram também (popularizavam-se) novas tecnologias de produção musical: softwares e hardwares de computador com programas de edição musical, gravação e reprodução de cds e dvds; e não tardou para que fossem apropriadas e inseridas no brega e nas aparelhagens. Este período foi marcado pela consolidação da música eletrônica nas festas de aparelhagem e pela ascensão do melody, como ficou conhecida a vertente do brega que resultou da utilização destes expedientes.

57Com a popularização das novas tecnologias, produziu-se, de forma quase artesanal, com pouco custo (técnico e financeiro), uma infinidade de composições musicais, utilizando-se de diversos recursos como sintetizadores e equipamentos digitais, o que levou, por outro lado, a um arrefecimento das gravadoras e produtoras, devido a concorrência das produções independentes que dispensavam a necessidade de estúdios profissionais. Muitos artistas representantes do brega paraense abandonaram suas carreiras na música ou se mudaram para outros estados, haja vista o significativo predomínio do melody, disseminado por meio das aparelhagens e do comércio informal de cds e dvds.

58De certa forma não é possível visualizar a emersão do melody sem pensar a sua concomitância com o incremento das aparelhagens e com a popularização das mídias digitais.

59As aparelhagens são a principal divulgadora do melody, da mesma forma, a popularização do ritmo tornou as aparelhagens ainda mais exitosas. A indissociabilidade da relação melody/aparelhagens obteve tal dimensão que a grande maioria das canções constituem regravações de composições pop internacionais, cujas letras das versões em português discorrem sobre as virtudes desta ou daquela aparelhagem.

  • 10 Entre as camadas médias locais, assim como para a mídia, o termo tecnobrega se tornou a referência (...)

60Ainda que o melody e as aparelhagens fossem assinaladamente associados às camadas mais populares da capital e do interior, atraíram as atenções de diversos produtores, jornalistas e músicos de outros estados, entusiasmados e interessados em melhor conhecer a exótica relação que se constituía entre público, venda informal de cds e dvds, festas suntuosas e ritmos populares. O tecnobrega, como ficou nacionalmente conhecido o melody paraense, apresentava-se como uma pitoresca expressão a ser explorada.10

61Sob as denominações tanto de melody quanto de tecnobrega, o ritmo se consolidou como o mais eficaz de todos os tentáculos das festas de aparelhagem, levando-as para além de sua ordem puramente eventual, entremeando-se numa lógica sutil que combina diversos elementos a aspectos significativos do continnum ordinário citadino, engendrando estilos de vida e visões de mundo.

62Para exemplificar tais considerações, citarei um episódio peculiar que ocorreu com um de meus interlocutores neste trabalho, E.F., estudante secundarista de 21 anos, morador do bairro Cidade Nova 08, em Ananindeua, Área Metropolitana de Belém. Numa das conversas que tivemos, este me informou que não pertencia a fã-clube algum e por isso não se prendia a nenhuma aparelhagem específica (apesar da preferência por algumas), não as acompanhando a lugares que fossem distantes de sua casa. Costumava frequentar somente as festas que ocorriam no Clube Ipanema, próximo à sua residência. Ao comentar sobre certos acontecimentos recentes, contou-me que no início do ano de 2005, havia conseguido um emprego de vigilante em uma rede de farmácias da cidade. O salário não era alto, mas permitiu que pudesse comprar, em muitas prestações, um aparelho de som que custava cerca de mil e oitocentos reais. No entanto, três meses depois acabou perdendo o emprego, o que deixou seu pai bastante irritado. Quando perguntei ao rapaz por que, mesmo com um salário baixo e trabalhando em um emprego instável, resolveu comprar um equipamento tão caro, E.F. respondeu que era pela “pagação”, e concluiu seu relato lamentando entristecido e ao mesmo tempo orgulhoso o fato de que, infelizmente, teve que devolver o aparelho à loja, mas o pouco tempo que permaneceu com o equipamento foi uma “pagação em toda a rua”. Indaguei a ele sobre o que se tratava a “pagação em toda rua”, este respondeu que o aparelho possuía uma série de recursos (enumerando termos que eu realmente desconhecia), e uma potência capaz de incomodar a vizinhança “a quarteirões de distância”. Todos os seus amigos se reuniam em frente à sua casa para escutarem os sucessos tocados nas festas de aparelhagem. Nos finais de semana faziam churrasco, compravam bebidas e dançavam até o momento em que partiam rumo ao Clube Ipanema.

63 A partir de tais observações, talvez se possa encontrar algumas indicações que levem à compreensão de um pouco do que, afinal, consiste uma festa de aparelhagem.

64Tal definição é complexa, não apenas pela diversidade de nuances e domínios simbólicos e sociológicos que este fenômeno envolve contemporaneamente, mas porque não há uma tipologia determinada do que se pode identificar como uma “típica” festa de aparelhagem, pois os contextos, mesmo que se considere o momento festivo temporal e espacialmente delimitado, são inúmeros, em circunstâncias e com contornos os mais diferenciados. No entanto, ainda que corra certo risco, apresentarei algumas considerações que, espero, ajudarão a visualizar e localizar melhor as festas de aparelhagem.

  • 11 Entendo esta dimensão estética e afetiva conforme os termos de Michel Maffesoli, ou seja, como for (...)

65 Tal como colocado, as festas de aparelhagem podem ser definidas da seguinte forma: um complexo de práticas e relações sócio-significativas, construídas, desenvolvidas e reproduzidas cotidianamente por mecanismos e recursos estético-performáticos que se direcionam e se condensam numa ordem festiva específica, a partir da relação que se estabelece entre público e aparelhagens. Como motor e consequência destas relações e experiências, temos a dimensão pública que lhe é inerente.11 Um conjunto de desdobramentos diversos que se catalisam dialética e ciclicamente na interação festa/cotidiano.

Considerações Preliminares

66 Tornou-se interessante que a estratégia de aproximação da realidade que procurei compreender fosse a “simples” observação, no cenário urbano-social à minha volta, de fenômenos que até então passavam desapercebidos. Tudo isso sem necessariamente estabelecer maiores mudanças em meus trajetos mais ou menos rotineiros. No entanto, a presença de qualquer elemento considerado relativo ao, supostamente identificado, “fenômeno” das aparelhagens (a música, as festas, as propagandas e anúncios, as danças), tornava-se tão recorrente que, durante as primeiras tentativas de aproximação etnográfica, cheguei a acreditar que se tratasse de um universo quase generalizado na cidade. O que não deixava de ser verdade. Todavia, reconheço que tais conclusões se deram mais pela pré-diferenciação que construí deste universo como um sistema objetivamente delimitável. Vejo que não se pode, em tese, reconhecer que toda a complexidade de práticas e relações que compunham a dinâmica urbano-social de Belém estivesse necessária e diretamente relacionada a este “fenômeno”, mas que havia uma dialética característica na qual um e outro: a cidade (suas implicações metropolitanas e configurações urbanas, econômicas e sociais, redes de produção, informação, comunicação, sociabilidade, dentre outros aspectos contemporâneo-citadinos) e a festa, em seu sentido mais amplo, engendravam-se mutuamente.

Inicio de página

Bibliografía

COSTA. Antônio Maurício Dias da. Festa na cidade: o circuito bregueiro de Belém. Belém: S/N, 2007. 316 p il.

DAMATTA, Roberto. Carnavais, Malandros e Heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

DURKHEIM, Émile. As Formas Elementares da Vida Religiosa. São Paulo, Martin Claret, 1997.

GEERTZ, Clifford. Obras e Vidas: o antropólogo como autor. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2005.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. São Paulo: Perspectiva, 2007.

LIMA, Andrey Faro de. É a Festa das Aparelhagens!” – Performances Culturais e Discursos Sociais. Belém: Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais – Antropologia. 2008.

MAFFESOLI, Michel. O Tempo das Tribos: O Declínio do Individualismo nas Sociedades de Massa. 4ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

MORAES FILHO, Evaristo de (Org.). Simmel. São Paulo: Ática, 1983.

REZENDE, Cláudia Barcellos. Os limites da sociabilidade: “cariocas” e “nordestinos” na Feira de São Cristóvão. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, nº. 28, p. 1-15, 2001.

SAHLINS, Marshall. Ilhas de História. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1990.

TURNER, Victor. Process, Performance and Pilgrimage. A Study in Comparative Simbology. New Delhi: Concept Publishing Company New Delhi,1979.

VELHO, Gilberto. Individualismo e Cultura. Rio de Janeiro: Zahar Editora, 2004.

Inicio de página

Notas

1 Os equipamentos e demais recursos constituintes de uma aparelhagem, geralmente são dispostos segundo uma esteticidade (designers, temas e termos) que a individualiza.

2 De acordo com Maurício da Costa, bregas são quase todas as músicas de “cunho popular” tocadas nas rádios locais e vendidas nas lojas de discos populares e que representam o centro de um tipo de festa que se espalha por diversos bairros da cidade. Conforme verifica este autor, a emersão do brega em sua versão “tipicamente paraense”, inicia-se em fins da década de 1970, com a difusão nas rádios locais de um estilo musical originado da mistura de elementos do bolero, do merengue e de “outros ritmos evocados por seus compositores” (COSTA 2007:15). Uma das características fundamentais que identificam o chamado brega paraense é o universo das festas de brega, cujo desenvolvimento acompanhou a ascensão do “movimento do brega” desde o início dos anos 1980 e que historicamente remonta aos boleros e merengues tocados nas festas de gafieiras e cabarés das periferias da cidade nos anos 1950/60/70 e que, desde já, incluíam as chamadas aparelhagens.

3 Victor Turner, inspirado em Durkheim, vai chamar a atenção justamente para o aspecto criador destas efervescências. Segundo o autor, tais efervescências se expressam nas performances sociais e culturais que emergem nos interstícios estruturais das sociedades, gerando novos símbolos e significados através da experiência performática: “Post modern theory would see in the very flaws, hesitations, personal factors, incomplete, elliptical, context-dependent, situational components of performance, clues to the very nature of human process itself, and would also perceive genuine novelty, creativeness, as able to emerge from the freedom of the performance situation, from what Durkheim (in his best moment) called social "effervescence," exemplified for him in the generation of new symbols and meanings by the public actions, the "performances," of the French Revolution” (TURNER 1979: 67). Já Michel Maffesoli, apropria-se desta definição durkheimiana a partir da noção de êxtase; que se manifesta como um resíduo estético e afetivo por toda a vida social.

4 Tais reavaliações funcionais, como frisa Marshall Sahlins, longe de constituírem uma “importação estéril” de produtos culturais “alienígenas”, correspondem à própria dinâmica da cultura, em que a tradição conceitual do passado e a singularidade contingente e prática do presente se entrelaçam continuamente. “A ação simbólica é um composto duplo constituído por um passado inescapável e por um presente irredutível” (SAHLINS 1990:189).

5 Como referência, insiro aqui a letra de uma canção do grupo Bruno e Trio, chamada 24 Horas, uma declaração de amor à aparelhagem Superpop: “Vinte e quatro horas pensando em ti/quando te encontrei/aconteceu assim/não dá mais para disfarçar/o som é de qualidade/sabe como queria muito te conhecer/com os super telões e a metralhadora/fico alucinado louco de paixão/e está pegando fogo o meu coração/dj Élison vai agitar/dj Juninho já vai comandar/eu estou preparado pode vir pra cá/faz o “s” pra mim.../louco por você/é o Águia de Fogo/bom te ver...”.

6 Mas não se pode negar que sua presença quase generalizada na cidade dificultava, em muitas situações, uma eventual tentativa de “fuga” da profusão sonora e estética.

7 Apesar do tempo verbal (pretérito) utilizado neste texto, as festas de aparelhagens ainda se fazem presentes e significativas na paisagem da capital e de muitos municípios do interior do estado, embora a efervescência midiática tenha sem dúvida arrefecido, juntamente com a visibilidade em outros domínios para além dos constituídos por sociabilidades notadamente periféricas.

8 Cláudia Rezende sublinha que as interações produzidas nas relações de sociabilidade nem sempre se constituem apenas pelos aspectos lúdicos essencialmente intrínsecos ao “jogo das formas”, de que nos fala Georg Simmel (e Michel Maffesoli, inclusive, retoma): “Pelo contrário, a literatura mostra continuamente que padrões de sociabilidade tendem a ser diferenciados por gênero, idade, classe social etc. Mais ainda, embora a sociabilidade implique uma associação prazerosa em si mesma, isto não anula a possibilidade de que, mesmo dentro de certos estilos de sociabilidade, afirmem-se diferenças ou até surjam conflitos entre as pessoas” (REZENDE, 2001, p. 2).

9 Tais definições são muito mais de caráter heurístico. Não havia distinções fixas entre um fã-clube, uma equipe ou uma galera. Um fã-clube poderia tanto ser uma equipe quanto uma galera poderia ser um fã-clube. Existiam, inclusive, fã-clubes de fã-clubes.

10 Entre as camadas médias locais, assim como para a mídia, o termo tecnobrega se tornou a referência mais usual, decorrência da projeção que esta música obteve neste início de século.

11 Entendo esta dimensão estética e afetiva conforme os termos de Michel Maffesoli, ou seja, como formas de sentir e vivenciar em comum certas experiências no cotidiano. O cotidiano “serve de matriz a partir da qual se cristalizam todas as representações: trocas de sentimentos, discussões de botequim, crenças populares, visões de mundo e outras tagarelices sem consistência que constituem a solidez da comunidade de destino” (MAFFESOLI, 2006, p. 41). Neste caso em questão, estas experiências são diluídas na ordem cotidiana através de uma performatização destas experiências. Tais performatizações, até então fragmentárias, tendem a se cristalizar e se condensar por meio da (e na) ordem festiva.

Inicio de página

Para citar este artículo

Referencia electrónica

Andrey Faro de Lima, « A “moda” das aparelhagens », Ponto Urbe [En línea], 19 | 2016, Publicado el 31 diciembre 2016, consultado el 17 noviembre 2017. URL : http://pontourbe.revues.org/3252 ; DOI : 10.4000/pontourbe.3252

Inicio de página

Autor

Andrey Faro de Lima

Professor da Escola de Aplicação da Universidade Federal do Pará (EAUFPA). Doutor em Ciências Sociais/Antropologia pelo PPGCS/UFPA. Contato: farolima@yahoo.com.br.

Inicio de página

Derechos de autor

© NAU

Inicio de página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • Revues.org