Navegação – Mapa do site
Resenha

Música, máquinas e humanos

Tarsila Chiara Albino da Silva Santana
Referência(s):

BACAL. Tatiana. Música, máquinas e humanos: os djs no cenário da música eletrônica. Rio de Janeiro: Apicuri, 2012, 176 p.

Texto integral

  • 1 Dissertação de mestrado, defendida em 2013, no Programa de Pós-graduação em Antropologia Social da (...)

1Originalmente escrito como uma dissertação de mestrado em antropologia1, o livro “Música, máquinas e humanos” de Tatiana Bacal faz um rico debate em torno da música eletrônica, particularmente das mudanças a respeito da figura do deejay, que saiu de um certo anonimato nas festas para assumir a posição de “artista no cenário musical”. Desta forma, ao falar dessas transformações, a autora apresenta a relação da música eletrônica com a tecnologia, sendo esta última uma importante ferramenta para compreender o processo de modificação nos trabalhos desempenhados tanto por deejays quanto por produtores musicais.

2Utilizando-se de uma de uma abordagem etnográfica, a autora busca acompanhar diferentes deejays em suas apresentações, trazendo para o leitor uma visão mais ampla e diversificada de alguns gêneros da música eletrônica. Gêneros estes que resultam em diferentes performances do deejay e de suas interações com o público e com a máquina, no caso, com as pick-ups. Ao trazer a discussão da música eletrônica para os espaços de sociabilidade urbana, a autora levanta importantes questões a respeito da espacialidade e de como os lugares onde essas músicas são tocadas, enquanto fatores relevantes para a análise. Como a musicalidade das raves que são diferentes da musicalidade dos clubes, por exemplo.

3No primeiro capítulo, a autora faz um breve histórico sobre a origem da música eletrônica, trazendo à luz um debate entre a música erudita e popular e de como a tensão entre as músicas consideradas de “concerto” e aquelas consideradas “popular”, transformam o cenário musical. Sendo o estilo musical do rock um importante meio para o diálogo entre o estilo popular e o erudito ao levar para o palco elementos como sintetizadores e iluminação psicodélicas. A exemplo do punk rock, considerado um estilo mais “undergroud”, nos anos 1990, que teve grande influência na cultura rave/club. Outro importante ponto destacado pela autora é em relação aos “modos de sociabilidade” proporcionados por esse estilo musical “feito para dançar”, sendo a música eletrônica, em seus mais variados estilos, um estilo pulsante e envolvente das pistas de danças de espaços de sociabilidade urbana como o clube Shoom (1987) em Londres e a boate Hell’s (1999) em São Paulo. Importante ressaltar que os estilos acid house e tecno na Europa eram associados a um público heterossexual, enquanto no Brasil foram primeiramente associados a um público GLS, assim os espaços de sociabilidade urbana relacionados a música eletrônica são importantes para criação de um estilo de vida especifico de seus frequentadores.

4No segundo capítulo, a autora, ao trazer para a cena as discussões entre o local e global e seus reflexos na construção de uma música eletrônica, faz um rico debate a respeito do “processo de hibridação”. Desta forma, a música eletrônica é pensada e desenvolvida com base em misturas de diferentes fluxos culturais. A autora, a partir da discussão entre local e global, afirma que é mais apropriado se referir à cena musical eletrônica como um fenômeno “glocal”, sendo a mistura de batidas do drum’n bass com ritmos considerados “autenticamente brasileiros” a prática utilizada por deejays, produtores musicais e compositores de diversas áreas.

5Utilizando-se de um rico material etnográfico, a autora debate a respeito da “música eletrônica no Brasil” e da “ música eletrônica brasileira”. No caso da música eletrônica brasileira, teríamos uma mistura das pick-ups com elementos característicos da bossa nova, a exemplo da parceria entre Fernanda Porto e deejay Patife, que resultou numa versão mais dançante da música “Só tinha que ser com você”, com a introdução de ecos e encurtamento de palavras. Outro exemplo mencionado pela autora é do deejay Dolores, que ao apostar na extinção do dilema entre regional versus universal troca o uso do termo “mistura” pelo “contraditório? ”, buscando assim um diálogo com a tradição, mas fugindo de uma reverência a esta. Há assim um deslocamento do ouvir para o dançar, sendo a sonoridade aspecto central. Se para alguns djs e produtores é possível afirmar que no Brasil há uma música eletrônica tipicamente brasileira, para outros entrevistados isso seria mais “macumba para turista”. E sendo assim, não é suficiente afirmar que exista uma música “tipicamente brasileira”, mas sim, “sampleado da música eletrônica brasileira”; isto posto, seria mais apropriado chamar de música eletrônica no Brasil.

6A relação feita com o processo de composição dessas músicas é outro ponto interessante tratado pela autora. Fazendo um importante debate a respeito de aspectos como “originalidade”, “tradução”, “reciclagem” e “hibridismo”, a autora lança luz para um debate baseado em teorias de Bruno Latour, Homi Bhabla, entre outros, no qual busca demonstrar como se dá o processo criativo nas composições dessas músicas, assim como os remix dão origem a outros remix.

7No terceiro e último capítulo, a autora trata da relação dos deejays com os espaços em que tocam e de como a temporalidade é fundamental para composição de suas performances musicais. A autora mergulha de forma etnográfica ao acompanhar esses deejays em suas performances e ao descrever os relatos da interação dos deejays no meio à qual estão situados, ela proporciona ao leitor uma melhor compreensão do universo em questão. Qual momento da festa vai tocar, qual o público presente, quais os estilos dos deejays que irão tocar na noite são, na análise da autora, fundamentais para que deejays possam compor suas performances.

8No Brasil os estudos sobre música vêm ganhando espaços nos congressos acadêmicos em ciências sociais, porém, de maneira muito tímida se comparado a outros objetos de pesquisa. A etnomusicologia e os estilos considerados mais “tradicionais”, como o forró e o samba, geralmente têm seus estudos relacionados a construção cultural de determinadas culturas. Com isso, Tatiana Bacal, ao pesquisar a música eletrônica e ao percorrer por uma discussão que passa pelos debates sobre tecnologia, fluxos, apropriação, globalização, vem contribuindo com os estudos antropológicos sobre a música.

9Nesse sentido, o presente livro nos presenteia com uma instigante pesquisa que parte do universo no qual a figura do deejay e dos compositores musicais são centrais para expandir e proporcionar uma análise mais aprofundada a respeito da música eletrônica e o meio a qual esta faz parte. Assim, acredito ser esta obra uma importante contribuição que poderá possibilitar ao leitor um mergulho no debate atual a respeito do local e global, pois é um importante estudo que auxilia o leitor para questionar e se aprofundar nos estudos sobre musicalidade. É, por fim, também uma importante contribuição para os estudos sobre música eletrônica, tecnologia e sociabilidade urbana.

Topo da página

Notas

1 Dissertação de mestrado, defendida em 2013, no Programa de Pós-graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, sob a orientação do Prof. Dr. Otávio Velho.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Tarsila Chiara Albino da Silva Santana, « Música, máquinas e humanos », Ponto Urbe [Online], 18 | 2016, posto online no dia 07 Agosto 2016, consultado o 26 Maio 2017. URL : http://pontourbe.revues.org/3168 ; DOI : 10.4000/pontourbe.3168

Topo da página

Autor

Tarsila Chiara Albino da Silva Santana

 

 

Mestranda em Antropologia Social do PPGAS/UFRN

 

Pesquisadora do NAVIS da UFRN

Bolsista CAPES

Tarsila.chiara@gmail.com

Topo da página

Direitos de autor

© NAU

Topo da página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • Revues.org