Navegação – Mapa do site
Graduação em Campo

A Comunidade Muçulmana em Juiz de Fora

Jayme Almeida Schmitz

Texto integral

1Esta pesquisa foi realizada entre agosto de 2005 e agosto de 2006, financiada pelo CNPq e pela UFJF - com uma bolsa de Iniciação Científica -,utilizando como metodologias a observação participante e entrevistas de profundidade para conhecer melhor a comunidade muçulmana em Juiz de Fora. Para fins de formação teórica, foram consultados vários livros de Sociologia e Antropologia das Religiões, enfatizando o Islamismo. Desde o fim da pesquisa de campo e até o presente momento, foram feitas reflexões acerca das conclusões desse trabalho, aqui contidas

2A Sociedade Beneficente Muçulmana de Juiz de Fora  localiza-se no Centro Comercial da cidade, ponto de grande circulação de pessoas, em sua maioria comerciantes, estudantes e moradores da região. A SBM está instalada em uma loja comercial dentro duma galeria, onde ocorrem as tradicionais reuniões - às sextas-feiras em horário de almoço- além de outros eventos ao longo do calendário muçulmano. O islamismo em Juiz de Fora, constitui, assim como no restante do Brasil, uma religião“quase étnica” (PEREZ; 2003), por ter chegado ao Brasil com a vinda dos libaneses,  instituindo-se como uma religião restrita ao cunho pessoal e familiar e abrindo-se, mais recentemente, para a conversão de fiéis.

  • 1 A partir de agora, no texto, utilizarei a palavra “mesquita” entre aspas, por ser um termo que os p (...)

3De fato, isso é um reflexo da busca por espaço em um “mercado religioso”. Na maioria das entrevistas que fizemos ficou claro que a divulgação da religião para a comunidade juizforana é feita na forma mais passiva de proselitismo. Há uma transparência muito grande ao fazer a divulgação da loja por meio de cartazes e mensagens afixados nos vidros da própria loja, com os muçulmanos encarregando-se de divulgar as características do Islã para aqueles que entram na “mesquita”1  em busca de informação.A comunidade atualmente possui 70 membros, entre ativos e não-ativos, que serão descritos posteriormente. A maioria, mas não a totalidade, é de brasileiros convertidos ao Islã. A “mesquita” conta com um Sheik que comanda as preces da reunião de sexta-feira e ministra aulas de árabe e  teologia muçulmana em outros dias da semana. Ele é de origem moçambicana e parece estar na cidade há pouco tempo. O Sheik também costuma receber as pessoas novas que se interessam pela religião, normalmente convidando-as para entrar e conhecer a “mesquita” e assistir às orações.

4A SBM em estudo mantém contatos com outras mesquitas - principalmente a de Belo Horizonte, Minas Gerais, por sua proximidade - além de  outras comunidades, mesmo as que não têm ainda um espaço devidamente reservado para a reunião dos muçulmanos, a exemplo da comunidade de Varginha, para que sejam angariados recursos para a construção ou aquisição do mesmo.
 

O Processo de Conversão

5Devido à sua localização privilegiada, como descrito acima, e pelo horário das orações, a “mesquita” é bem visível aos olhos dos cidadãos que passam pela galeria onde se localiza. Os cartazes chamam a atenção para a identificação do local como um lugar onde as pessoas podem conhecer a religião islâmica e perder os preconceitos com relação a essa crença.

6Apesar do processo de conversão ter se iniciado bem antes, foi possível perceber com as entrevistas e os documentos a nós mostrados, que muitos dos convertidos conheceram a “mesquita” ao procurar saber sobre a religião após os últimos acontecimentos nas relações internacionais, como o “11 de Setembro” e a Guerra no Iraque.

7Presenciamos o processo de conversão de três pessoas à religião. Primeiramente, há de se fazer menção a uma categoria nativa, pois ao invés da expressão conversão, os muçulmanos utilizam o termo “regressão” . Isso se deve a um argumento dos próprios fiéis ao dizerem  que, partindo do pressuposto que todos nascemos submissos a Deus e que Islã significa “submissão” (a Deus – ou Al-Lah), háveria, de fato, uma “regressão às origens” do homem. Notamos  uma diferença fundamental entre a primeira e a segunda conversão presenciadas. Enquanto na primeira o converso - um senhor de quase 70 anos - demorou a participar das orações (cerca de um mês e meio), fazer as prostrações e outros rituais que cercam a religião, na segunda, de um jovem artista plástico de 20 e poucos anos, já na semana seguinte à pronunciação da Shehadah (uma declaração da fé no Deus único e no Profeta Maomé, conceito explicado no capítulo sobre o Islã do livro Em Nome de Deus, de Karen Armstrong (2001), participava das orações. Isso talvez se deva a um maior conhecimento da religião que o segundo teria a priori, como o próprio converso afirmou numa conversa informal: que já buscara saber da religião antes de vir procurar a “mesquita”. O terceiro caso foi semelhante ao segundo: a conversão de uma jovem mulher de 25 anos, com quem não tivemos oportunidade de fazer a entrevista de profundidade.

8A estratégia básica da SBM é atrair potenciais fiéis com os cartazes mencionados acima. Quando é notado o interesse em entrar na “mesquita” J., o brasileiro convertido, e o próprio Sheik são os primeiros a receber a pessoa. Foi como aconteceu no primeiro dia em que fomos à “mesquita”, sendo muito bem recebidos pelo Sheik ao explicar–lhe que estávamos lá para fazer uma pesquisa para a Universidade Federal de Juiz de Fora e que queríamos conhecer a religião e o templo. Assim que demonstra interesse pela religião, a pessoa é prontamente convidada a entrar e assentar-se para assistir às orações. Durante nossa pesquisa, Luciano e eu observamos várias pessoas que visitaram a “mesquita” para assistir a uma prédica :  professores, estudantes de jornalismo. Para minha surpresa, muitas mulheres. O processo continua com o convite à pessoa para que volte a fim de assistir mais prédicas ou, ainda, para assistir às aulas de árabe ou de teologia ministradas pelo Sheik. Isso cria uma sensação de familiaridade necessária para que a pessoa se sinta à vontade para escolher o momento certo de recitar a Shehadah, sendo, parece-nos, indispensável, a participação de outros convertidos anteriormente na concepção dessa atmosfera familiar. A partir da conversão,  inicia-se um processo de aprendizado sobre a teologia muçulmana, além do suporte para o aprendizado de árabe, língua em que o Alcorão foi escrito e também  em que uma parte da prédica e todas as orações são pronunciadas.
 

Os convertidos “ativos”

9Convertidos “ativos” são os que participam da maioria das reuniões de sexta-feira, além das outras atividades promovidas pela SBM. Ou, ainda, os próprios membros da comunidade. É necessário fazer essa distinção, pois apesar de contar atualmente com 70 membros aproximadamente, a maioria convertidos, a “mesquita” registra nas reuniões às sextas-feiras, uma freqüência de 15 a 20 membros, lembrando que essas reuniões são obrigatórias para homens e facultativas para mulheres e crianças.  Portanto, se contarmos aqueles que têm sua presença garantida em quase todas as reuniões, chegaremos a um número de 12 a 15 membros  convertidos . Estes  são  aqui denominados “ativos”.
 
 

Os convertidos “ativos” que fazem o “proselitismo”

10Como visto acima, a atuação daquele que se converteu anteriormente, além de se dedicar à religião é também facilitar a integração dos interessados  na comunidade muçulmana. Ao transmitir sua experiência de conversão, o “brasileiro” (aqui entre aspas por também ser uma categoria nativa) também transmite sua experiência religiosa: um testemunho sobre o que mudou em sua vida e como ele se sente agora que descobriu sua religião. São esses “brasileiros” que também ressaltam as maiores qualidades da religião e se mostram muito felizes quando alguém demonstra interesse ou o desejo de se converter ao Islã. Normalmente, quatro desses “brasileiros” ficam encarregados de mostrar ao interessado os livros islâmicos, as formas de prostração, as vantagens de se tornar muçulmano e o restante da comunidade. Não importando se esses convertidos participam ou não do processo de conversões de algum modo, eles ficam felizes com a entrada de novos membros na comunidade, pois, para eles, é excelente que a religião cresça e espalhe sua mensagem com mais facilidade.
   

Os demais convertidos “ativos”

11Nem todos os convertidos ativos participam do processo de abordagem para novas conversões. Nessa categoria se incluem as mulheres, os convertidos mais recentes e outros que por alguma razão deixam essa parte para os quatro “brasileiros” mencionados anteriormente. Todos participam das preces e dos outros eventos, e alguns chegaram até a conversar conosco, uns de maneira mais tímida, outros mais desinibidos, querendo saber o que fazíamos ali e por quê não orávamos também. Como há uma estrutura organizacional na SBM, pode ser que este seja o motivo de eles não participarem do proselitismo ou,as funções deles sejam outras, e  prefiram deixar a parte da conversão com os incumbidos dessa tarefa.
   

Os convertidos “não-ativos”

12Os convertidos “não-ativos” são aqueles que por alguma razão não são assíduos às reuniões e/ou nas atividades promovidas para a comunidade. Nesse caso, J., que cuida da parte de documentação e estruturação da “mesquita”, nos explicou, por observarmos apenas uma freqüência de 20 pessoas/reunião, que há membros da comunidade que trabalham ou moram distantes de Juiz de Fora, dificultando a presença em todas as reuniões. Existe um outro grupo, de convertidos em Juiz de Fora, cujos membros mudaram-se para outra cidade, mas que ainda permanecem registrados ali por ser este seu local da conversão. E, por último, J. admite que alguns indivíduos se convertem e depois abandonam a prática, ou aparecem esporadicamente, mantendo pouquíssimas relações com a comunidade.
 

Estratégias de Visibilidade Pública

13Com a divulgação dos acontecimentos internacionais, a presença marcante de um “mercado religioso” e o aumento da busca por uma identidade cultural, o muçulmano passou a ser mais observado e também a querer ser observado na sociedade juizforana. As meninas e as mulheres muçulmanas costumam usar o véu quando saem à rua, inclusive ao irem trabalhar ou estudar. Não deixa de ser uma estratégia de visibilidade por diferenciação cultural, ao provocar o estranhamento do outro. Entre os homens, alguns costumam usar nas orações um turbante e um chapéu tipicamente muçulmanos durante as orações, mas somente o Sheik e poucos adeptos  andam assim trajados na rua.

14Devido aos acontecimentos no Líbano, muitos muçulmanos, sírios e pacifistas saíram em passeata em 5 de agosto de 2006 para pedir a paz no Oriente Médio. Alguns membros da “mesquita”, como a muçulmana K., ainda possuem família nos locais dos ataques e temem pela segurança de seus familiares, ou  no caso específico de K., da filha.

15Outra estratégia de visibilidade envolve a imprensa local, com a divulgação da “mesquita” em matérias e reportagens. Esses caso, são vistos mais como oportunidade do que como iniciativa, pois a idéia da reportagem parte da própria imprensa.E, como já mencionado, a estratégia mais usada é  mesmo surpreender as pessoas que passam pela galeria onde está instalada  a “mesquita”, com cartazes anunciando sua localização e informando os transeuntes sobre a religião e a Sociedade Beneficente Muçulmana ,ali presente.
 

Conclusão

16Como visto, a comunidade muçulmana em Juiz de Fora era de cunho “quase étnico” e  agora começa a crescer devido à presença marcante da religião na mídia. A SBM de Juiz de Fora parece estar buscando seu espaço em meio a um “mercado religioso” com táticas mais passivas de proselitismo e estimulando a curiosidade do ser humano em desvendar  aquilo que lhe parece estranho. Ao que nos parece até o momento, esse espaço vem sendo  conquistado com formas de expressão que a comunidade utiliza para poder demonstrar que está ali, e por isso continuamente recebe visitas de olhares surpresos e ao mesmo tempo curiosos para conhecer aquela religião. Em âmbito nacional, a SBM de Juiz de Fora sempre é representada por alguns de seus membros em congressos, viagens e eventos como a DAWA (em português, divulgação) -,uma reunião de muçulmanos de várias partes do país e do mundo para se discutir estratégias de divulgação da religião - e também estabelecendo contatos com outras mesquitas pelo país. Enquanto estivemos observando as relações na “mesquita”, presenciamos a visita de africanos, de um árabe e de um francês.É notória  a hospitalidade dos membros dessa religião para com seus semelhantes, além da importância da língua árabe para essa religião, assim como a língua  inglesa serve atualmente para encurtar distâncias e trespassar barreiras para a convivência nas diferentes esferas .A língua árabe serve para tentar melhorar a comunicação desses muçulmanos de várias partes do globo. Pudemos  observar também que o Islamismo transforma o corpo do convertido a partir do momento que este ingressa na religião, de uma forma semelhante à formação do habitus de Pierre Bourdieu, já que transcende a característica entre o sujeito e o objeto. O convertido, que antes se via como um brasileiro, agora passa a se considerar um brasileiro muçulmano, tomando para si a responsabilidade de divulgar a religião para outras pessoas, como visto acima. A questão que se coloca aqui é : até onde a relação entre convertidos e “imigrantes” pode ser conflituosa ou não, já que muitas vezes a experiência que o convertido traz de outras religiões e de outros fatos que ocorreram em sua vida, pode dar novas perspectivas para a prática do Islamismo? E a mesquita aqui funciona como uma espécie de Instituição fundamental de educação para a moralidade, nos moldes durkheimianos de instituição polissêmica e complexa de uma sociedade com uma solidariedade do tipo orgânica. É importante realçar também que as relações que a comunidade muçulmana tem com aqueles que estão mais próximos da mesquita, mas que não fazem parte da religião, fazem  parte de uma dinâmica sócio-cultural urbana, no sentido de que a propaganda com fins de proselitismo visa principalmente esse público que passa pela mesquita todos os dias. Além disso, há o fato de que a religião muçulmana ganhou muito destaque na mídia nos últimos anos, devido às notícias de ataques terroristas que afetam várias partes do mundo. No entanto, o que a mesquita em Juiz de Fora quer sustentar como mensagem é: não se busca ali nenhum tipo de violência, mas sim uma mensagem de renovação espiritual. Cabe aos convertidos essa tarefa de ligar a mesquita à sociedade juizforana, visto que os “imigrantes” procuram estar mais ligados aos rituais religiosos.

Topo da página

Bibliografia

ARMSTRONG, Karen. 2001. Em Nome de Deus: O Fundamentalismo no Judaísmo, no Cristianismo e no Islamismo. São Paulo, Companhia das Letras.
BERGER, Peter. 1985. O Dossel Sagrado: Elementos para uma teoria sociológica da religião. São Paulo, Paulus.
BOURDIEU, Pierre. 1991. “La creencia e el cuerpo”. I: Pierre Bourdieu. El sentido Prático. Madrid, Taurus.
BOURDIEU, Pierre. 2006. “O Camponês e seu corpo”. Revista de Sociologia e Política, 26. Curitiba.
FRÚGOLI Jr., Heitor; ANDRADE, Luciana Teixeira de; PEIXOTO, Fernanda Arêas (orgs). 2006. As cidades e seus agentes: práticas e representações.  Belo Horizonte, Editora PUCMinas e Edusp.
GEERTZ, Clifford. 2004. Observando o Islã. Rio de Janeiro, Jorge Zahar.
MAUSS, Marcel. 2003. Sociologia e Antropologia. São Paulo, Cosac Naify.
PACE, Enzo. 2005. Sociologia do Islã: Fenômenos Religiosos e Lógicas Sociais. Petrópolis, Vozes.
PEREZ, Vitória; MARIZ, Cecília. 2003. Muçulmanos no Brasil Contemporâneo: um estudo preliminar. Aprovado e aguardando publicação na revista Tempo Social.
WACQUANT, Loïc. 2002. Corpo e Alma. Notas etnográficas de um aprendiz de boxe. Rio de Janeiro, Relume Dumará.

Topo da página

Notas

1 A partir de agora, no texto, utilizarei a palavra “mesquita” entre aspas, por ser um termo que os próprios membros utilizam para denominar o local de sua reunião. Como já visto, a “mesquita” é uma loja comercial no centro da cidade, e não uma construção tipicamente árabe.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Jayme Almeida Schmitz, « A Comunidade Muçulmana em Juiz de Fora », Ponto Urbe [Online], 2 | 2008, posto online no dia , consultado o 27 Maio 2017. URL : http://pontourbe.revues.org/1899 ; DOI : 10.4000/pontourbe.1899

Topo da página

Autor

Jayme Almeida Schmitz

Aluno do Curso de Graduação de Ciências Sociais da Universidade Federal de Juiz de Fora

Topo da página

Direitos de autor

© NAU

Topo da página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • Revues.org