Navegação – Mapa do site
Graduação em Campo

De Dentro e de Fora

As diferentes dinâmicas sociais e seus reflexos nos usos do espaço em uma aldeia urbana Mbyá Guarani
Amanda Alves Migliora 

Texto integral

Introdução

1 Com  este  trabalho  trataremos  das  relações  entre  mbyás  e  juruás  (termo traduzido  como  “homem branco” pelos mbyá) não somente na aldeia urbana Tekoá Mboy’ty,  localizada  na  Região  Oceânica  de  Niterói,  Rio  de  Janeiro,  mas,  também, daquelas que são travadas por seus membros nas redondezas. Tentaremos evidenciar as formas como estes vivenciam a cidade e como  diferentes juruás, com diferentes intenções, vivenciam a aldeia. Vale enfatizar que, conforme observamos em campo, as formas de lidar com a cidade variam dentro do grupo, de acordo com critérios como gênero e idade.

2Inseridos    numa    lógica    distante    daquela    que    regeria     as    práticas    e comportamentos tidos como “originais” ou “tradicionais” e inevitavelmente colocados em relação   constante  com  a  mesma,  movimentos  de  transformação,  diálogo  e ressignificação do mundo são  produzidos no grupo para dar conta da realidade que assim se coloca. Estes se dão concomitantemente a um processo do que chamam de um “fortalecimento da cultura” ou  “preservação do costume”. “Aldeia urbana” será, portanto, a categoria de maior rendimento analítico  para entendermos tal situação.

3Pretendemos tratar por meio dela de uma série de mediações que são estabelecidas entre  o  grupo  e  o  meio  circundante  na  configuração  e  afirmação  de  sua própria identidade.

4Defenderemos adiante que o segundo modelo de interação, aquele que se dá com a  inserção  de juruás na lógica da aldeia, se fundamentaria nos termos postos pelos mbyás. Estes termos seriam observáveis especialmente na configuração espacial da   aldeia,   materializados   em    sua    arquitetura.   Os   dispositivos   de  mediação estabelecidos pelo grupo estariam, pois, inscritos num modo de pensar esse “outro” que, embora algumas vezes se lhes mostre hostil, em  determinadas circunstâncias constitui mesmo um interlocutor desejável.

5Vale adiantar que o uso constante dos termos juruá e mbyá nos discursos de mbyás sobre os mais diversos âmbitos da vida social, por si só já evidencia o quanto é marcada essa relação de  oposição no modelo nativo de explicação de seu mundo, o que  acabaria  sendo  relativizado  por  meio  de  uma  análise  mais  profunda destas relações na prática. A lógica de oposições e complementaridades se estende a outras esferas, sendo elemento fundamental da cosmologia do grupo.

 1  O grupo

6 O grupo em questão localiza-se no sítio arqueológico denominado Sambaqui de Camboinhas, na Região Oceânica de Niterói, desde 2008, quando teve de sair da Terra Indígena  de  Paraty-Mirim   por  conta  de  uma  divergência  com  a  liderança  local. Liderados  pela  sua  matriarca  rumaram   para  Niterói,  onde  se estabeleceram  e construíram a aldeia que foi chamada Tekoá Itarypu. Esta foi composta por cinco casas (OO’s)  até  julho  do  mesmo  ano,  quando  um  incêndio, que  se  acredita  ter  sido criminoso, destruiu praticamente tudo o que tinham. A aldeia foi então reconstruída, reinaugurada e rebatizada, recebendo o nome de Tekoá Mboy’ty (Aldeia Plantação de Sementes)  e   adquirindo  sua  configuração  atual.  Embora  passe  por  constantes transformações, essa configuração, ao que parece, persiste num modelo determinado.

7Trata-se de uma família extensa cujo ponto central é a chefe e pajé do grupo, ou seja, a  maioria dos moradores está ligada a ela por laços de consangüinidade ou

8afinidade. Há, além dos membros diretos da família, alguns indivíduos a ela associados. É uma  população  que gira em torno de 60 pessoas e, embora, em número, o grupo também varie, pode-se  identificar uma unidade característica entre seus membros, que parece ser ao mesmo tempo  espiritual e de “substância”, como uma análise da religião mbyá poderia sugerir.

9Todos eles falam o dialeto Mbyá, do idioma Guarani, que pertence à família Tupi-Guarani, do tronco lingüístico Tupi. Quase todos falam também o português, mas, a  não  ser  que  um  juruá participe  da  conversa,  a  comunicação  entre  eles  se  dá completamente em guarani.

  • 1 Acesso em: agosto de 2009.
  • 2 Embora   apareçam   enquanto   principal   fator   para   a   escolha   daquele   sítio arqueológic (...)

10À beira da praia de Camboinhas, entre o mar e a lagoa, o local onde o grupo se encontra é alvo não somente do interesse científico, dos arqueólogos principalmente, mas também de grande interesse imobiliário. Parte do sítio arqueológico foi destruída para a construção de edificações de  luxo. O futuro  do  local  é  incerto, como já o constatava, em 2006 (dois anos antes da chegada do grupo Mbya-Guarani na região), o então deputado, Carlos Minc na justificativa de seu projeto de lei 3375/20061 : “O sítio Arqueológico Duna Pequena é alvo de um grande empreendimento  imobiliário que, se  aprovado, trará 25.000 novos moradores para a região do Sítio descaracterizando-o por completo.” A esse contexto adiciona-se ainda o interesse dos Mbya-Guarani, que acreditam que o local é “sagrado”, pois seria um antigo cemitério de seus ancestrais2.

 2  Dinâmicas Sociais

11As relações estabelecidas fora da aldeia foram divididas, com fins analíticos, em dois tipos. Ao  primeiro chamamos de “relação com a cidade”, este diz respeito ao vivenciar a cidade, especialmente, na busca por serviços e na relação com o comércio local.  Ao  segundo  chamamos  de   “relação  com  o  entorno”,  este  se refere  aos relacionamentos  estabelecidos  ali  mesmo,   na   praia   de   Camboinhas,   seja   com moradores,  banhistas  mais  assíduos,  comerciantes  ou  funcionários,  que  por  ali circulam cotidianamente e que tendem a ser trazidos para a aldeia.

12Há  ainda  a  oferta  de  serviços  específicos  fora  da  aldeia,  estes  também poderiam  ser  encaixados  na  tipificação  acima  proposta.  Contudo  as  informações obtidas quanto a este tipo de  atividade são menos densas, e por isso seus relato e análise, por hora, se dará num registro mais superficial.

 2.1 Relações com a cidade

13 Muitas vezes a cidade foi tema de longas conversas. Geralmente estas se iniciavam com uma mesma pergunta direcionada a pesquisadora: “Onde você mora?”. Usando as lojas do comércio  local,  o posto de saúde, a delegacia e o quartel do corpo de bombeiros como pontos de  referência,  sempre se chegava, mais ou menos, a uma idéia vaga de onde se localizava a residência. As tentativas de explicação que fugiam a esse  modelo,  entretanto,  não  davam  em  nada.  De  qualquer maneira, a  pergunta sempre voltava em outras conversas.

14O mapa mental que tinham daquela região (Mauss, 1906) parecia evidenciar-se em tais  ocasiões.  Na  verdade,  tratar-se-ia  de  variados  mapas  mentais.  As variações derivariam  das  formas  de  vivenciar  a  cidade.  Um  dado  poderia  ser  utilizado  com segurança para tratar o tópico, a  importância dos fatores de gênero e idade em tais variações. Outra importante observação é a de  que esse mapa parecia estar, a cada conversa, cada vez mais detalhado. Isto poderia ser entendido como o indício de um gradual processo de conhecimento daquela região que lhes seria, de certo  modo, nova.

15Nos discursos sobre a cidade de Niterói duas atitudes ficavam bem delineadas. Aquela, mais freqüente, que tentava entendê-la e discuti-la em sua configuração atual e uma outra, que remontava ao tempo dos antigos ancestrais. Neste segundo tipo de discurso o argumento central se voltaria para  o bairro de Icaraí, cuja pronuncia em português era sempre corrigida, pela matriarca, para a forma mbyá de falar. Este teria sido o local onde se concentravam os grandes sábios mbyá, os Karaís, daí seu nome. Niterói, antigamente, teria sido um território mbyá, do qual eles estariam atualmente ocupando o cemitério, embora muito pouco se fale sobre isso.

16Supermercados, hortifrutis, lojas de material de construção costumavam figurar entre as falas  nas discussões relativas ao espaço urbano atual. As sextas-feiras pela manhã costumavam sair, a matriarca e alguns de seus filhos, para fazer compras para a aldeia.  Ocorriam,  também,  uma  vez  por  semana,  as  visitas  regulares  de  crianças, acompanhadas de algumas mulheres ao posto de saúde,  com o pessoal da FUNASA. Essas saídas femininas eram precedidas de uma produção mais elaborada, como se a saída da aldeia fosse uma saída de casa, uma ida a rua.

17As saídas masculinas pareciam mais despojadas. Saíam os meninos de bicicleta toda vez que algo faltava, iam comprar fumo, carne, entre outros itens obteníveis nas redondezas. Em dada  ocasião,  quando se teve uma oportunidade de sair com dois irmãos, uma menina e um menino, para comprar milho, a diferença ficou bem clara. O menino parecia conhecer várias pessoas na rua, mesmo  bem longe da aldeia, além disso, ele conhecia os caminhos e vários pequenos “sacolões” mais escondidos. A menina não desconhecia as ruas, mas era bem menos desenvolta, neste aspecto, do que seu irmão.

18Os mais velhos geralmente saem por motivos específicos, ou simplesmente não saem. A saída  dos meninos sofre uma sensível regulação por parte da matriarca do grupo, mas esta não é  absoluta.  Eles saem bem mais do que elas, mas suas saídas, como vimos, possuem um outro perfil,  uma outra abrangência do espaço da cidade, outras finalidades geralmente.

19O trabalhar na cidade é mais restrito do que o trabalhar no entorno, os exemplos dos quais  tomamos conhecimento resumiram-se a apresentações do coral da aldeia em eventos e escolas e algumas atividades isoladas em centros culturais, universidades ou no Museu do Índio. Notou-se que  nestas atividades as mulheres tinham alguma primazia, mas isso não pode ser afirmado categoricamente.

 2.2 Relações com o entorno

20 As relações tendem a se intensificar na medida em que se aproximam da aldeia. Há fortes  vínculos  entre  alguns  freqüentadores  da  praia,  funcionários  dos quiosques, ambulantes que trabalham nas redondezas entre outros trabalhadores que tiram seu sustento daquele lugar, como pedreiros e jardineiros. Com os outros moradores de Camboinhas as  relações cotidianas não transparecem muito. Foram vistos casos de moradores  solícitos,  e tem-se  também  conhecimento  daqueles que  se posicionam contra a aldeia.

21Apesar dos misteriosos incêndios, um em 2008, e outro em dezembro de 2010, pouco se especula sobre um possível envolvimento desta parcela de moradores. Não foi  presenciado  nenhum  evento  negativo  envolvendo  moradores  e  habitantes  da aldeia durante o campo, embora seja do conhecimento de todos os que se envolvem com  o  caso  em  questão  que  os  mbyás não  são  bem  quistos  por  todos  que  os circundam.

22Como dissemos acima, alguns homens trabalham no entorno, muitas vezes com a manutenção  dos  quiosques de sapê da orla da praia, mesmo material utilizado na construção  de  suas  casas.   Foram  conhecidos  casos  em  que  trabalharam  como ajudantes de pedreiros amigos. Fica claro, daí que estes trabalhos são ocasionais, mas as relações que os possibilitam executar tais atividades são duradouras.

23Além da praia, há a lagoa, que uma vez atravessada leva a praia de Itaipu. Variadas atividades são desempenhadas nestes locais, como a pesca e a travessia dos banhistas de canoa, estas últimas também ocasionais.

  • 3 A headline de uma matéria de jornal sobre um episódio ocorrido nas imediações da aldeia pode ser in (...)

24Vale ainda esclarecer que a praia em questão, apesar de não ser oficialmente fechada, é de relativo difícil acesso. A entrada de ônibus no bairro de Camboinhas é vedada, o que dificulta o acesso a praia. O bairro é inteiramente pavimentado e abriga a parcela mais rica da população da região. Há ali um apart-hotel que pode ser visto da aldeia. E mesmo o terreno onde ela se localiza possui um imenso valor econômico, e apesar de ser uma área de preservação, há uma construtora que reclama seus direitos sobre aquela terra para a construção de outros empreendimentos de mesmo tipo.3

 3.  Usos sociais do espaço na aldeia

 3.1 Tekoá Mboy’ty: espaços e circulações

25 Atualmente a aldeia é composta por uma parte alta e uma parte baixa. Na primeira localizam-se   uma  lojinha  de  artesanato  (ajakaovendeaty),  um  bar,  as  casas da matriarca e de dois de seus filhos, uma cozinha e três banheiros. Exploraremos melhor essa configuração adiante.

26O sustento do grupo é proveniente, em boa parte, da venda de artesanatos. Todo aquele que  produz uma peça recebe seu valor quando esta é vendida na lojinha da aldeia. Aquele que faz artesanato é chamado mbyá’pó vaé. Daqueles que trabalham fora, para os juruás, se diz: oo mbaiapó juruá pé (foi trabalhar para o branco). Algumas vezes o dinheiro é gasto ali mesmo, no bar, onde são vendidos biscoitos, refrigerantes, amendoim   em   saquinho,   água   de   coco,   etc.  Como  esclarecemos   nos   tópicos anteriores, para a compra de carne, danoninho e outros itens muito  pontuais, aos quais não se pode ter acesso ali dentro da aldeia, recorrem ao comércio da região.

27Cabe observar a diferença entre o dinheiro ganho individualmente e o dinheiro gasto no sustento da aldeia como um todo. Esse último diz respeito à comida feita e dividida   entre   seus   habitantes,   às   roupas   recebidas   por   meio   de   doações, freqüentemente de organizações  religiosas ou outros grupos específicos que variam bastante.

28A comida que é distribuída na aldeia é comprada no mercado local, embora recebam também contribuições para a merenda, por meio da secretaria municipal de educação, e algumas  ocasionais doações. Na aldeia são criadas algumas galinhas e, recentemente,  obtiveram  sucesso  no   plantio  do  milho  naquele  desafiador solo arenoso, o que trouxe muita alegria e orgulho aos mbyás.

29Como aludimos brevemente acima, atualmente a aldeia é dividida em uma parte alta e uma parte baixa. A primeira, onde se situa a entrada oficial, fica de frente para a estrada de acesso, e parece mediar o contato da aldeia com o mundo externo. Chamaremos  este  espaço  de  “complexo   transicional”.  É  lá  que  funciona  a  loja (ajakaovendeaty) onde são vendidos artesanatos aos visitantes. O momento da venda é também aquele no qual se decide se os visitantes poderão, ou  não, descer para “conhecer a aldeia”, objetivo principal, na maioria dos casos, deste tipo de interlocutor curioso. Localiza-se ali também o recentemente construído bar que é administrado por um segmento do grupo.

30Naquele espaço ficam ainda as moradias da chefe e pajé do grupo (num galpão de  alvenaria,   onde  funcionava,  antes  da  chegada  dos  mbyá,  uma  escolinha  de Windsurfe), de um de seus filhos e de uma de suas filhas, separadamente e cada qual com sua respectiva família nuclear. Além dos banheiros utilizados por quase todos os residentes da aldeia, também preexistente e feitos em  alvenaria. Finalizando existe uma cozinha de uso comunitário e um orelhão, que, apesar da  existência  de vários aparelhos de telefone celular, é constantemente utilizado.

31A segunda parte mostra-se como o lugar onde se reproduz a vida cotidiana de maneira mais  “tradicional”. Lá se localizam, por exemplo, a Opy (casa de reza) e as casas (oo) da maior parte de seus membros. Ao todo, somando-se partes alta e baixa, existem hoje na aldeia 19 construções  independentes do galpão, contando com as casas  construídas  na  subida,  com  a  cozinha  que  fica  na  parte  de  cima,  e  com  a estrutura  onde  ficam  a  loja  e  o  bar.  Esta  última  contando com   um  padrão arquitetônico similar ao das outras construções, a saber, vigas de eucalipto tratado com amarrações de sapê em arame, fixadas com pregos.

 3.2 Parte alta (ou complexo transicional)

32Procuramos explorar  os significados e possível papel estruturador nas relações mencionadas na introdução do espaço chamado aqui de “complexo transicional”. Este agiria como um mecanismo de transformação do outro em possibilidade de nós, o que esperamos comprovar com a exposição e análise dos dados etnográficos.

33Apesar de se tratar de um espaço reto, quase sem barreiras materiais que impeçam a livre passagem, as relações ali estabelecidas são muito diferentes entre si. Parece haver uma demarcação espacial muito sutil que indica o grau de possibilidade de trânsito naquela área. As trocas seriam o meio principal de se determinar que tipo de recepção e possibilidade de circulação será conferido ao estrangeiro. No bar é possível ver clientes habituais que não circulam além dali, apesar do amplo espaço “livre”. A troca que se estabelece com este tipo de juruá é imediata e não  implica  uma  relação  mais  profunda  com  seus  anfitriões.  Para  alguns  destes clientes se coloca a possibilidade de uma  troca outra, o namoro, com vistas a uma futura ligação por parentesco (que possui significados  diferentes para os dois lados envolvidos). Neste caso, a forma de circulação se modifica e ele passa a ocupar uma mesa que fica além da loja, a mesa “fixa” da matriarca do grupo, que avalia a situação do  pretendente  de  modo  bastante  simpático  e,  ao  mesmo  tempo,  agudo.  Neste momento, juntam-se livremente, na mesma mesa e na mesma conversa, vários outros membros do grupo.

34A circulação diferenciada no interior da aldeia também é permitida a um juruá por meio de alguns outros fatores.  Quando este é considerado um “amigo” ele pode andar por quase todo lado, exceto nas casas para as quais não foi convidado e na casa de reza fora de hora. Embora com restrições quase nulas, alguns protocolos devem ser respeitados, mesmo por aqueles que têm permissão para entrar na aldeia pela parte baixa. É essencial a visita ao complexo transicional na chegada, antes de  qualquer outra forma de movimentação.

35As características arquitetônicas deste espaço de mediação são quase as de um corredor de exposição, uma galeria. Trata-se de uma estrutura retangular aberta em ambas as extremidades cobertas com sapê em dois telhados diferentes, sobre os quais falaremos mais adiante, sustentados por vigas de eucalipto tratado. O chão de cimento foi feito em grande parte por juruás que tem alguma  relação com os membros do grupo, o que poderia indicar que esta seria uma especialidade da arquitetura juruá, em oposição aos discursos relativos à arquitetura “do índio” e a categoria moral “Xingu”, que diz respeito ao modelo das casas daquela aldeia e aos materiais utilizados em sua construção. Existem ainda duas paredes laterais feitas de um trançado de folhas que parecem ser de coqueiro.

36Há no telhado uma divisão que demarca a diferenciação entre o local onde fica nossa  personagem  principal  (a  chefe/pajé  do  grupo)  e  as  duas  esferas  de trocas comerciais. Entre estes dois telhados de formatos bastante diferentes há uma junção com uma calha plástica embaixo, que, aparentemente, serve para evitar que chova ali dentro. Olhando de qualquer extremidade, a impressão que se tem é a de se tratar de um só espaço. Se muito, poderíamos considerar que se há ali uma divisão esta seria concretizada pelo bar que, voltando-se  para a estrada, dá de costas para o resto da aldeia.

37Defendemos aqui, entretanto, que a separação arquitetônica mais relevante é a menos visível. Aquela que só é vista se olharmos para o alto, os diferentes telhados. Finalmente, podemos  dizer que o telhado do espaço que chamamos de complexo transicional   o   divide   em   três   espaços   de   fins   e   características  diferentes   e relativamente bem delimitados, o bar, a loja e o ponto fixo. Seria, portanto, dotado de agência no sentido da efetuação da transição do “outro” (o juruá) para possibilidade de eu/nós.

38Olhando da estrada para dentro da aldeia, na parte que fica sob o primeiro telhado   parece   constituir-se   como   uma   esfera   de   trocas   imediatas   com   os consumidores  do  bar  e  os  compradores  de  artesanato.  Tudo  sob  a  vigilância  e  o controle de sua observadora “fixa”, mas  não diretamente com ela, que delega tais funções a quem estiver por perto.

39É plausível cogitarmos tratar-se de uma organização tripartite, cujos limites seriam  demarcados  por  um  lado  pela  parede  dos  fundos  do  bar  (que  marca  a separação também no  telhado com uma  bandeira  do flamengo) e por outro pela divisão entre os telhados acima mencionada. Entre o bar e o espaço localizado sob o segundo telhado, ao qual chamaremos daqui  em  diante também de terceira seção, estaria a lojinha (ajakaovendeaty), como que significando um meio termo entre o de dentro, membros do grupo e juruás aceitos em seu seio, e aqueles que permanecem fora, apesar de espacialmente dentro.

40Assim, essa dita configuração tripartite funcionaria de acordo com uma lógica de   gradação   da   profundidade   das   relações,   marcada   pelo   tempo   das  trocas. Arriscaríamos afirmar ainda  que  tal configuração se daria por meio de mecanismos conscientes  e  inconscientes.  Nestes   termos,   em  uma  oposição  entre  as trocas financeiras  imediatas  dos  produtos  genéricos  do  bar  e  as  trocas  de  favores  e presentes, cujo tempo da reciprocidade é bem mais longo, há a lojinha, onde entram aqueles que se interessam por uma expressão da cultura, uma parte do ser deles, de seu “patrimônio” (Gonçalves, 2003). A troca que propõem se inscreve num registro de valorização e interesse por esse patrimônio mbyá. Por isso,  estes estariam a meio caminho entre aqueles que estão ali como meros consumidores e aqueles  que se colocam  ali  enquanto  pessoas  que  buscam  uma  amizade,  ou  coisa  do  tipo,  com aquelas outras pessoas. Dentro deste esquema uma personagem é especialmente mal vista, é aquele que não compra nada, mas quer entrar a qualquer custo para “ver os índios”, como num zoológico ou num museu de cera, não querem saber das pessoas, não estabelecem trocas ou relações de qualquer outro tipo, e, por isso, são geralmente vetadas.

41A parte onde se senta a responsável pela organização de todo esse circuito de movimentações em sentidos diversos é aberta para frente e para trás, como o resto do complexo. Conta ainda com uma abertura para um dos lados, pois a partir do início do segundo telhado uma das paredes de folha trançada é interrompida de modo que se tem uma visão direta do galpão onde ela  mora junto com parte de sua família. Isso possibilita que monitore quase todas as atividades da parte de cima, ou pelo menos, aquelas de caráter comunal, como a saída dos meninos de bicicleta para ir ao comércio local, ou as atividades de limpeza e preparação da comida, na cozinha anexa, que fica logo ali ao alcance de seus olhos.

42Os shows de forró, eventos que passaram a ocorrer periodicamente na aldeia, fornecem a  clara imagem do que afirmamos aqui. Visto que circunscreve todas as personagens que participam  dos processos ora analisados e as faz compartilhar este espaço,  todos  a  um  só  tempo.  Observou-se  que,  quando  ocorrem  tais  shows,  as posições ocupadas por juruás, mbyás e especialmente pela  Chefe e Pajé do grupo correspondem àquelas descritas estruturalmente com base na observação  da  vida diurna do grupo.

43Assim, segunda  e  terceira  seções  passam  por  pequenas  adaptações  para receber o  show, de modo que, os artesanatos são retirados e no limite interno do telhado na terceira seção é montado o equipamento de som. No espaço da lojinha dançam juruás e  mbyás, a chefe do grupo permanece em seu ponto “fixo”. A maior parte dos juruás que não estão dançando fica perto do bar e os mbyás que não estão dançando ficam entre a cozinha e os banheiros, sob o céu e no escuro, e não sob o telhado, ou seja, depois do complexo. Assistem, “de dentro” da  aldeia e de fora do referido complexo, àquele evento que não é de dentro, nem é de fora.

44Aqui é necessário fazer dois adendos: (1) a banda que toca nesses shows é composta por cinco membros do grupo, dos quais quatro são filhos da chefe e pajé do grupo  e  (2)  o  juruá que  quiser  dançar  com  um  mbyá geralmente  pede  para  a matriarca, mesmo que deseje somente sentar-se entre eles.

45Entendemos este espaço enquanto um “complexo transicional” por conta de seu  caráter  classificador  do  outro.  Este  outro,  o  juruá,  só  passa  a  ter  acesso ao universo ao qual nos referimos aqui mediante a operação nele, em seu status perante ao grupo, de uma transição. Somente assim ele pode ser liberado para transitar por ali, somente  se  submetendo  à  avaliação  e  julgamento  e  se  disponibilizando  a  trocas específicas com eles.

46Esse espaço  seria,  pois,  um  espaço  de  mediação.  Realizaria  uma  mediação especialmente necessária no contexto de uma “aldeia urbana”, tal como definimos na introdução. Num contexto perpassado por conflitos de variados teores com variados agentes,  algumas  mediações  se  fazem   necessárias  para  a  reprodução  de uma identidade  especifica  e  mesmo  para  uma   autopreservação  em  relação  a  uma alteridade predadora.

47O  passaporte  para  esse  mundo  mbyá,  para  sua  manutenção,  requer  a observação de  uma série de prescrições comportamentais, em especial aquelas que dizem respeito à uma certa reverência que se deve ter para com a chefe do grupo, se reportando  a  ela  de  maneira  respeitosa  e,  preferencialmente,  dadivosa (tanto  no sentido   da   reciprocidade,   ofertando-lhe   algo,   quanto   no   tempo   estendido   da retribuição,  característico  desse  tipo  de  troca),  ou  seja, atualizando  sua  atuação enquanto agente de trocas de longo termo.

48O  reconhecimento  dos  habitantes  da  parte  baixa  do  caráter  mediador,  e classificador   do   outro  enquanto  alguém  com  quem  seria  possível  relacionar-se seguramente, manifestou-se  irrefutavelmente num  episódio ocorrido no dia 07 de junho de 2010. Na parte baixa, conversava  com uma moradora quando uma turma escolar  de  adolescentes  passou  com  um  professor  do  lado  de  fora  da  cerca  que delimitava o perímetro da parte baixa da aldeia. A moradora com quem  falava ficou muito assustada e pediu  insistentemente que falasse com eles que não poderiam entrar na aldeia pela parte de baixo. Repetia que era preciso que falassem com a chefe e pajé do grupo, e que obtivessem sua permissão para que pudessem circular naquele espaço.

49O susto da senhora mbyá e a menção ao que chamamos aqui de complexo transicional   e   aquela  que  consideramos  aqui   como   a  principal  agente  dessas mediações, além do posicionamento de outros moradores que se juntaram no mesmo local  e  corroboraram  com  sua  fala,  tiveram um  valor  fundamental  na análise ora apresentada.

 Conclusão

50 A mediação e a afirmação de uma determinada identidade são feitas no mesmo lugar por um motivo. O conflito, a oposição, a mediação e a classificação do outro são todos aspectos de um  mesmo  processo, de uma mesma relação. O colecionamento inerente  à  noção  de  patrimônio   com   a  qual  trabalhamos  aqui,  os contornos semânticos que adquire neste caso, se referem a  práticas em constante perigo de perda  no  discurso  nativo.  Há,  portanto,  especial  necessidade  de reafirmá-los  no momento em que seu principal fator de risco se lhes apresenta.

51A oposição ao outro é concomitante a afirmação de si, essa é a nossa chave de compreensão, por exemplo, das fotografias (de dias festivos, de momentos em que se dedicam a atividades mbyá, em que o mbyá em cada um assume sua forma máxima com a adoção do máximo de elementos distintivos em relação aos juruás) espalhadas por todo o “complexo transicional”. Este espaço cheio  de mensagens defende uma identidade cultural específica, por meio de um patrimônio, organizando-se ainda como um museu que reivindica para si toda uma carga de significados que se projeta sobre “o índio”. São  mensagens sobre si para o outro e para si mesmos, como que para relembrar constantemente no que consiste ser mbyá, um meio de fortalecer a cultura em si mesma, neles mesmos.

52O juruá que desejar estar ali por um período mais longo do que o de uma visita deve entender e aceitar aquela imagem, aquele modo de ser, é necessário, para tanto, que passe por uma transição, num espaço determinado para isso, por meio do acesso, da   exposição,   ao   “patrimônio   mbyá”. Deste   modo,   podemos   concluir   que   a centralidade da pajé e chefe do grupo neste tipo de  situação, assim como o xamã tradutor, geógrafo, decifrador, descrito por Carneiro da Cunha (1997),  desempenha tais  facetas  simultaneamente  à  mediação  da  qual  fizemos  foco  de  análise,  numa tentativa incessante de pôr em sintonia a perspectiva do outro com seu próprio código e vice-versa.

Topo da página

Bibliografia

CARNEIRO  DA  CUNHA,  Manuela.  Xamanismo  e  tradução:  pontos  de  vista  sobre  a Floresta Amazônica. In: Cultura com aspas. São Paulo, Cosac & Naif, 2009.

 BARBOSA, Pablo Antunha, BENITES, Tonico. RELATÓRIO ANTROPOLÓGICO DE ELEIÇÃO DE TERRA INDÍGENA LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE MARICÁ, RIO DE JANEIRO. Rio de Janeiro, 2009.

CLASTRES,  Hélène.  Terra  sem  mal:  o  profetismo  tupi-guarani.  São  Paulo:  Editora Brasiliense, 1978.

 GONÇALVES, José Reginaldo Santos. O patrimônio como categoria do pensamento. In: Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: DP&A, 2003b.

 _________ A  retórica  da  perda:  discurso  nacionalista  e patrimônio cultural no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2003a.

INGOLD, Tim. The perception of the environment: essays in livelihood, dwelling and skill. London: Routledge, 2000.

 LÉVI-STRAUSS, Claude. As organizações dualistas existem? In: Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1970.

 LAGROU, Elsje. Arte ou artefato? Agencia e significado nas artes indígenas. In: Lagrou, E. Arte  indígena  no Brasil: agência, alteridade e relação. Capitulo 1. PP. 11-38. Col. Historiando a arte, 4º vol. Belo Horizonte: C/Arte, 2010.

MAUSS,  Marcel.  Ensaio  sobre  as  variações  sazonais  das  sociedades  esquimós.  In: Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

 ______________ Ensaio sobre a dádiva.In: Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

 SAHLINS, Marshall. O pessimismo sentimental e a experiência etnográfica: por que a cultura não é um "objeto" em via de extinção (parte I). Mana,  Rio de Janeiro,  v. 3,  n.1, Apr. 1997. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93131997000100002>. Acesso em: março. 2010.

Topo da página

Notas

1 Acesso em: agosto de 2009.

2 Embora   apareçam   enquanto   principal   fator   para   a   escolha   daquele   sítio arqueológico especificamente, a relação com os ancestrais que ali estariam enterrados raramente é tematizada pelos  mbyá. Vale ressaltar que muito pouco se falou sobre morte, de maneira geral, mesmo quando o tema era levantado pela pesquisadora.

3 A headline de uma matéria de jornal sobre um episódio ocorrido nas imediações da aldeia pode ser interessante para compreender a relação entre moradores, empreiteira  e aldeia e, sobretudo, para compreender o posicionamento de uma parte da  imprensa  em  relação à aldeia:“Índios  da  Aldeia Tekoa Mboy-ty e vizinhos de Camboinhas voltam a ter problemas. Indígenas alegam que uma construtora foi responsável pelo fechamento e cercamento da área.”Por: SorayaBatista,07/07/2011.In:http://jornal.ofluminense.com.br/editorias/cidades/passagem-cercada-de-misterio> Acesso em: julho de 2011.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Amanda Alves Migliora , « De Dentro e de Fora », Ponto Urbe [Online], 9 | 2011, posto online no dia 31 Dezembro 2011, consultado o 25 Maio 2017. URL : http://pontourbe.revues.org/1828 ; DOI : 10.4000/pontourbe.1828

Topo da página

Autor

Amanda Alves Migliora 

Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ

Topo da página

Direitos de autor

© NAU

Topo da página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • Revues.org