Navegação – Mapa do site
Resenhas

Antropologia da cidade: lugares, situações, movimentos

Referência(s):

AGIER, Michel. Antropologia da cidade: lugares, situações, movimentos. São Paulo, Editora Terceiro Nome, 2011. 216p.

Texto integral

1A compreensão do mundo contemporâneo tem sido um desafio instigante para a antropologia e a delimitação de subáreas, bem como o distanciamento entre elas, vem alterando de forma terminante o próprio fazer antropológico. Michel Agier não hesita em afirmar: “(...) não há duas antropologias, mas sim maneiras diferentes de fazer antropologia com objetos diferentes e, portanto, campos diferentes, maneiras de pesquisar diferentes” (p.192). A antropologia da cidade pode, assim, ultrapassar os domínios de uma antropologia urbana e alcançar o pensamento antropológico mais geral, e assim enriquecer teórica e metodologicamente a própria disciplina. Nesse sentido, faz-se necessário avaliar os potenciais e limites da contribuição da antropologia da cidade para um debate mais abrangente da própria antropologia, procurando, a partir dos estudos urbanos, mas para além de barreiras disciplinares, novos modos de ler estas realidades complexas. Ao mesmo tempo, devemos examinar as contribuições que a antropologia traz para a redefinição das cidades e das etnografias urbanas na investigação das práticas culturais contemporâneas.

2Este é o projeto que Michel Agier procura defender no livro Antropologia da cidade: lugares, situações, movimentos: uma forma de conhecimento antropológico da cidade, tomando-a como lugar estratégico para pensar inúmeros temas antropológicos clássicos e atuais: relações de identidade, etnicidade, hibri­dação, territorialidade, globalização, lugares, fronteiras etc. Tal amplitude de temáticas leva Agier a observar as várias entradas do conhecimento urbano - saberes, espaços, situações, lugares, movimentos -, por meio das quais analisa as dinâmicas urbanas e o cruzamento das várias dimensões da cidade, realizando uma abordagem situacional, relacional e processual, que parte dos lugares e dos citadinos para compreender as situações de interação dos indivíduos urbanos nos seus respectivos contextos relacionais.

3Com este objetivo, Agier propõe compreender a cidade do ponto de vista dos citadinos, por “sobre os ombros” deles, deslocando assim o olhar da cidade para as pessoas que vivem, sentem e ‘fazem a cidade’. Ao refletir sobre o modo como a cidade é vivenciada e inventada em situações cotidianas nos bairros, ruas, espaços domésticos ou de trabalho etc., Agier mostra uma preocupação em compreender a agência dos citadinos, bem como conhecer e contextualizar os lugares e interações pesquisados, para assim, posteriormente, apresentar o ponto de vista do antropólogo sobre a cidade. Desse modo, Agier evita trabalhar com uma representação fixa, institucional, normativa e apriorística da cidade, pois as definições de localidade são processuais e contextuais. Realiza, assim, uma antropologia urbana preocupada com as dinâmicas e processos socioculturais contemporâneos inscritos nos novos contextos urbanos.

4No projeto de Michel Agier a prática etnográfica é indispensável para a descrição das experiências daqueles que vivem as situações, visto que as entrevistas, discursos e representações não dão conta de acessar informações que só podemos obter por meio da etnografia, esta sim decisiva para a observação das redes ampliadas e conexões entre os sujeitos e atores abordados. A etnografia permite ao antropólogo produzir um conhecimento da cidade a partir dos seus níveis mais elementares, observando seus espaços intermediários e a construção das relações interpessoais, descrevendo sua heterogeneidade etc.. Portanto, ainda que a cidade em sua totalidade seja imperceptível ao saber antropológico, as situações etnográficas permitem uma compreensão do contexto urbano como um sistema de relações e de significações. Outra aposta metodológica de Agier é a opção por pesquisas etnográficas nas margens urbanas, em contextos densos e heterogêneos, de grande precariedade no plano social e material, assinalados por uma urbanização informal, sem projeto inicial de cidade, sem equipamentos ou acesso a serviços urbanos. Segundo o autor, uma “cidade nua”, espaços intersticiais de onde é possível etnografar o processo de formação de lugares, ou seja, observar o “fazer cidade”. Portanto, a antropologia da cidade de Agier valoriza a etnografia urbana para alimentar a construção do conhecimento das cidades contemporâneas, da “cidade bis”, a cidade produzida pelo antropólogo por meio da observação e descrição das práticas, relações, situações e representações dos citadinos em sequências da vida urbana. Pois, como bem define Agier, “A reflexão que proponho não trata da cidade, mas da investigação urbana antropológica” (p.59).

5Organizado em três partes, e dividido em nove capítulos, o livro, que faz parte da coleção Antropologia Hoje, parceria entre o Núcleo de Antropologia Urbana da Universidade de São Paulo (NAU-USP) e a Editora Terceiro Nome, traz artigos, capítulos de livros e entrevistas publicados anteriormente em diversos momentos da trajetória acadêmica de Agier, mais precisamente entre 1997 e 2008, e agora revistos e atualizados. A primeira parte tem como foco a cidade relacional, situacional e criativa, construída a partir das observações diretas do etnógrafo. Se a entrevista que compõe o primeiro capítulo aborda a experiência mais pessoal de Agier nas cidades, os dois capítulos seguintes trazem uma cuidadosa releitura das questões teóricas e metodológicas da pesquisa urbana. São, assim, capítulos basilares para a compreensão da proposta de uma antropologia da cidade, e de seus principais conceitos e objetos. O segundo capítulo traz uma reflexão que procura articular o conhecimento empírico produzido pelo antropólogo no nível microssocial da observação etnográfica e o conhecimento teórico da organização social e da totalidade urbana. Para dar conta das articulações entre prática etnográfica e teoria antropológica, Agier aloca seu projeto num nível intermediário, de onde pode descrever e pensar a cidade. Para o autor, são os conceitos intermediários que permitem essa articulação entre uma perspectiva etnográfica de observação da cidade e um saber totalizador do urbano. Com esse objetivo, Agier aborda alguns pressupostos teóricos e metodológicos que definem a investigação urbana antropológica, mais especificamente as noções de região, de situação e de rede (abordarei esta mais a frente). Traça, assim, um diálogo crítico com diferentes tradições teóricas e metodológicas, mas principalmente com os sociólogos da Escola de Chicago e os africanistas da Escola de Manchester, autores que realizaram pesquisas pioneiras nos estudos urbanos.

6Sobre a Escola de Chicago, considerada a pioneira da investigação urbana nas ciências sociais e que definiu instrumentos metodológicos e teóricos na produção de trabalhos empíricos (inclusive etnografias), Agier primeiro aborda a questão sobre o individualismo urbano, para depois analisar o ponto de vista regional sobre a cidade, baseada na caracterização moral das regiões urbanas. A problematização de Robert Park sobre a ordem moral da cidade, que estabelece uma relação entre o plano de cidade, a sociabilidade local e a formação das regiões morais, será retomada pelo autor no quinto capítulo. Contudo, a ideia de região moral está relacionada a uma leitura espacializada das questões identitárias da cidade, o que leva o autor a retomar uma abordagem situacional do contexto urbano. Agier reconstrói a trajetória da perspectiva situacional, partindo das concepções e trabalhos dos antropólogos da Escola de Manchester e suas abordagens situacionais sobre a urbanização e etnicidade em sociedades africanas (em especial, Clyde Mitchell e sua análise situacional, contextual e política da Dança Kalela). No projeto de uma antropologia da cidade, a abordagem situacional é imprescindível para definir a dimensão relacional da cidade, pois o etnógrafo observa as situações vivenciadas na cidade, o que está em processo. “A situação resulta da operação que consiste em isolar intelectualmente um acontecimento ou um conjunto de acontecimentos a fim de facilitar uma análise coerente” (p.74). Este conceito será explorado no capítulo 3, quando Agier, mesmo sabendo dos riscos de utilizar qualquer classificação - visto que elas podem ser simplificadoras, efêmeras e parciais -, propõe uma tipologia das situações da vida citadina que permite descrever os diferentes momentos da vida relacional dos citadinos: situação ordinária, extraordinária, de passagem e ritual.

7Na segunda parte, observamos a atualidade das reflexões propostas por Agier, com capítulos focados em suas principais etnografias, grande parte centrada em espaços marginais e liminares. Uma longa trajetória, repleta de experiências etnográficas em diversos contextos urbanos, desde a África, passando pelo Brasil e Colômbia, até retornar ao continente africano, mas agora focando os campos de refugiados. As pesquisas em Salvador ganham destaque na obra de Agier, como o próprio autor faz questão de frisar, quando investigou diversos temas relacionados à vida cotidiana do bairro da Liberdade. Entre essas temáticas, a dimensão familiar da cidade (analisada no capítulo 4), considerada pelo autor uma parte essencial da vida citadina, pois confere ao citadino “a ancoragem social mínima de cada um, o seu mínimo social vital, em certa medida, tal como é vivido nos detalhes do cotidiano” (p.115). A partir da “etnologia das vielas”, da rua tomada como um espaço de relações, Agier observou a “cidade familiar”, composta por diversas redes de relações centradas nas dimensões da família, vizinhança, trabalho etc., e que se focaliza na continuidade entre a casa, o bairro e os outros espaços da cidade. Trata-se, portanto, de uma familiaridade da cidade que ultrapassa as casas e os mundos domésticos conforme as circulações e mobilidades espaciais dos citadinos. Assim, a vida relacional dos citadinos amplia-se para outros lugares, alcança as dinâmicas sociais de diversos pequenos mundos urbanos e dota de sentido os ditos “não lugares” da cidade.

8Nessas pesquisas, Agier trabalhou com o conceito de rede, analisado de forma mais detida em outro livro do autor,L'invention de la ville (1999), quando analisou as redes de sociabilidade no bairro da Liberdade. Em seus trabalhos, Agier acompanhou a construção de redes dilatadas que partiam de um núcleo inicial específico e territorializado, marcado pelas relações cotidianas e diferentes formas de sociabilidade (reciprocidades, confiança, clientelismo etc.), e constituído pelas esferas da família, vizinhança, trabalho, lazer etc. Tais relações e sociabilidades, inicialmente vinculadas a um contexto singular, articulam-se e se alargam em redes, ligando os pequenos mundos de cada citadino (a “cidade familiar”) às macroestruturas sociais. Ampliação e alargamento que podem alcançar redes multilocais e, por conseguinte, o universo urbano em sua totalidade, mas que se dão, porém, de forma elusiva, visto que o tamanho da rede é determinado pelo modo como os desígnios locais e as formas de apropriação citadina de amplas instituições produzem as relações. Portanto, a partir das situações de interação no nível microssocial – desde as relações mais próximas com parentes, amigos e vizinhos, aos quadros públicos de criação e representação de identidades coletivas –, tais redes de relações podem por vezes atingir um nível de expressão nacional, mas permanecendo ligadas às mesmas fidelidades e valores relacionais. Assim, é na dinâmica das redes que se desenham os elos intermediários - esferas por excelência das sociabilidades alargadas – entre os pequenos mundos dos citadinos e as macroestruturas sociais nas cidades.

9Dentre os inúmeros recortes analíticos de Michel Agier, é possível destacar suas etnografias nas “babas” (termo utilizado para denominar as partidas amadoras de futebol) do bairro da Liberdade em Salvador (BA), quando procurou apreender as situações de interação e construção de redes num espaço mais local, esportivo, masculino e citadino. Os espaços futebolísticos seriam, portanto, um espaço privilegiado para a observação de redes; uma situação interacional onde as distinções entre as equipes, mais do que por categorias, seriam relacionais, com cada equipe reunindo por volta de vinte participantes, vinculados a um núcleo inicial de três ou quatro pessoas. Equipes formadas por amigos que foram colegas de escola, ou por núcleos familiares ampliados na vizinhança imediata e aquelas formadas por solidariedades especializadas por categorias profissionais.

10Porém, tal conceito de redes de relações abarca não somente o plano da sociabilidade masculina, como é possível perceber numa comparação entre redes masculinas e femininas. Para Agier, as mulheres atuam como protetoras e organizadoras do ambiente doméstico, o que não significa uma atuação menos urbana; ao contrário, a vida doméstica é marcada pela individualização dos projetos, no máximo com articulações em duplas ou trios que atuariam em espaços esparsos (na rua, entre amigas e comadres), formando uma rede de lugares dentro e fora do bairro. Enquanto que a circulação dos homens apresenta uma territorialidade mais localizada e fechada, a das mulheres, embora centrada no universo doméstico e das vielas do bairro, proporciona uma citadinidade aberta, de maior mobilidade e mais individualizada, orientada para espaços mais dispersos. O que pode ser percebido na abordagem de Agier sobre as formas de apadrinhamento e reforço dos laços consangüíneos das famílias matrifocais da Liberdade. Portanto, a sociabilidade das mulheres não é menos circulante que a dos homens, tampouco menos vinculada ao modo de vida urbano.

11Ainda por meio de uma abordagem das redes no bairro da Liberdade, Agier investigou também a questão das relações raciais em sua pesquisa com os blocos afros e afoxés, especialmente o bloco afro Ilê Aiyê, importante representante de um movimento social, cultural e identitário negro, cujas demandas políticas de reafirmação de uma identidade são expressas no espaço do carnaval baiano (Agier, 2001). A pesquisa sobre a questão identitária nos processos culturais contemporâneos, mais especificamente do movimento negro de Salvador, revela a importância do tema da identidade na obra de Agier, para quem a criação da identidade é sempre contextual, situacional e relacional, com um caráter processual e localizado, e não definida em si mesma. Nesse sentido, a redefinição das formas e dos espaços de identificação é decisiva, segundo o autor, pois os meios urbanos podem reforçar os processos identitários, visto que a cidade abriga e multiplica os encontros de indivíduos, etnicidades, localismos e relações.

12Percebe-se, portanto, a importância da dimensão urbana na análise de diversos processos sociais, como no caso dos aspectos identitários analisados cima, o que exige uma leitura crítica de seus principais pressupostos, tal como Agier realiza no capítulo 5 ao questionar as propostas de um urbanismo que promove uma cidade divida em zonas especializadas, diferente assim do projeto de uma antropologia que pensa a cidade enquanto um espaço de troca e convivência. Esse capítulo sobre as formas de zoneamento prepara o leitor para a discussão do sexto capítulo sobre a emergência de novos tipos de aglomeração: os campos de refugiados (o que Agier denomina de campos-cidade). Nesse capítulo, Agier apresenta dados de suas etnografias, analisando as novas lógicas urbanas decorrentes do processo de deslocamento das populações - os “indesejáveis”, pessoas ‘sem Estado’, ‘sem direitos’- devido a guerras, exílio e outras violências, principalmente na Ásia e na África (por exemplo, os campos em Dadaab, ao nordeste do Quênia, com refugiados somalis, sudaneses e etíopes). Segundo o autor, trata-se de um processo de desterritorialização social, com a formação de novos mundos sociais em contextos marginais e liminares. Contextos assinalados pela bricolagem, incorporação e ressignificação local de valores, conceitos, imagens etc., e não somente por uma reprodução de aspectos étnicos tradicionais. Refugiados, deslocados, órgãos internacionais, agências humanitárias e Estados-Nação compõem um cenário de dinâmicas e tensões sociais, políticas e territoriais no qual “a produção do espaço local é também a da invenção da cidade a partir das ocupações ilegais, dos campos e de outros espaços vazios e precários” (p.137). Aqui também as ações dos citadinos fazem a cidade, estabelecem novas formas de sociabilidade e acionam múltiplas resistências. Um processo de longa duração que resulta na transformação de refugiados em habitantes, e habitantes em citadinos.

13Na terceira e última parte, as relações entre o processo cultural e o processo urbano são analisadas por Agier com base nas observações de várias manifestações culturais e políticas em diferentes contextos, como a rua, carnaval, teatro de rua, lendas, assombrações e outras narrativas urbanas. No capítulo 7, após inicialmente descortinar três concepções de cultura (segundo o autor, um termo vulgarizado e manipulado), Agier problematiza a criação ritualizada de identidades urbanas. Primeiro, aborda o plano do carnaval e os movimentos identitários ali representados, numa associação entre criação identitária e a criação cultural. Em seguida, discorre sobre lendas, fantasmas e visões presentes no imaginário urbano, sempre do ponto de vista da experiência dos citadinos. Fantasmas malaios de Cingapura e “monstros” de um bairro em Cali, metáforas dos problemas e estigmas urbanos, conferem à cidade outra auto-imagem e uma posição identitária, num diálogo entre o que é invisível e visível nas cidades.

14A questão política, presente pontualmente em diversos momentos da obra, é retomada de forma mais detida no capítulo 8, quando Agier aborda as dimensões políticas encontradas na cidade vivida em situações por citadinos, quando a rua torna-se não só espaço onde pode começar a política, como também da criação cultural. O que pode ser percebido no exemplo das townships sul-africanas e suas múltiplas formas de resistência, tanto políticas e artísticas, acionadas em diferentes espaços, como nos trens de transporte dos trabalhadores negros ou nas performances no teatro das townships. Assim, ações políticas e criações artísticas põem em relação indivíduos à procura de associações e conexões, ainda mais em contextos de difusão dos espaços de circulação. Vide o exemplo do desfile do Ilê Aiyê, situado na esfera da festa e na esfera política.

15Portanto, podemos perceber a abrangência de questões observadas por Michel Agier nesse livro que passa a ser uma obra de referência dentro dos estudos urbanos no Brasil, pois traz importantes contribuições para uma antropologia da cidade, por exemplo, ao colocar o conceito de relação como ponto central do projeto, principalmente num contraponto à noção de espaço, tomado como um tema secundário. Se por meio do conceito de região o antropólogo pode descrever as referências espaciais e morais, e através da noção de situação pode construir configurações interacionais para além das referências espaciais, as redes permitem a Agier se movimentar pelas situações citadinas e acompanhar as relações que compõem a cidade - a “rede das redes” (Hannerz, 1980).  Assim, a partir da proposta de uma antropologia da cidade é possível traçar conexões entre relações locais com identidades mais abrangentes, observar as articulações entre etnicidade e territorialidade nos contextos urbanos, apreender lugares estratégicos de análise da vida política das cidades, ampliar e alargar redes relações locais etc. Questões fundamentais retomadas breve e objetivamente na segunda entrevista que encerra o livro.

16Por fim, vale questionar quais instrumentos teórico-metodológicos poderão ser utilizados na abordagem de diferentes contextos urbanos. Portanto, fica o desafio de pensar antropologia da cidade relacional em contextos diferentes dos espaços marginais e vulneráveis estudados por Agier, mas que também podem apresentar múltiplas relações, práticas e experiências vividas em situação. Ainda que “nem todas as formas urbanas apresentam as mesmas potencialidades relacionais, facilitando, algumas mais que outras, uma apropriação do espaço público pelos habitantes” (p.109), percebe-se a existência de uma diversidade de lógicas urbanas em mundos sociais nos quais as pessoas também “fazem a cidade” sob espaços intermediários, domínios, fidelidades e valores comuns e diferentes, ou seja, outras formas de agir e saberes sobre a cidade.  Afinal, as cidades são imprevisíveis, vividas e imaginadas por aqueles(as) que a fazem.

Topo da página

Bibliografia

AGIER, Michel. “Distúrbios Identitários em Tempos de Globalização”. Mana, v.7, nº2 , Rio de Janeiro, p.7-33. 2001.

_____. L’invention de la ville. Banlieues, townships, invasions et favelas, Paris, Éditions des Archives Contemporaines. 1999.

HANNERZ, Ulf. Exploring the City: Inquiries toward an Urban Anthropology. Nova

York, Columbia University Press, 1980.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

« Antropologia da cidade: lugares, situações, movimentos », Ponto Urbe [Online], 9 | 2011, posto online no dia 31 Dezembro 2011, consultado o 23 Abril 2017. URL : http://pontourbe.revues.org/1827 ; DOI : 10.4000/pontourbe.1827

Topo da página

Direitos de autor

© NAU

Topo da página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • Revues.org