Navegação – Mapa do site
Resenhas

1968: Ditadura Abaixo

José Guilherme Cantor Magnani
Referência(s):

URBAN, Teresa. 1968: Ditaduras Abaixo. Editora Arte e Letra. Curitiba:2008.

Texto integral

1O livro, conforme se pode ler na apresentação, foi escrito por uma avó para seus netos: com esta informação, seria de esperar uma história contada ao pé da lareira, recheada de seres fantásticos, utopias, heróis, batalhas. Tal impressão é, em parte, verdade: só que a avó é Teresa Urban, militante de esquerda, presa política nos anos da repressão, jornalista com passagens pela revista Veja, pelo Estadão e pelo Jornal do Brasil, entre outros veículos de comunicação, e, atualmente, escritora e ativista de causas ambientais. E a história que ela conta em 1968 Ditadura Abaixo tem, sim, heróis, batalhas, ideais, ainda que o contexto não seja propriamente o de conto de fadas: com base em documentos, fotos, recortes de jornais, depoimentos, fichas do DOPS, cartazes e folhetos da época, Teresa constrói um vivo relato dos eventos políticos protagonizados por jovens de sua geração, no ano de 1968, no Paraná, e, especialmente na capital, Curitiba.

2Para costurar os fatos e organizá-los numa estrutura narrativa, optou pelo recurso aos quadrinhos (de Guilherme Caldas) que, intercalados com a farta documentação apresentada, estabelecem um original contraponto, semificcional, com a massa de informações (às vezes, pesada), muitas delas apresentadas em fac-símile. Mas não é apenas o recurso aos quadrinhos que constitui a originalidade do livro: a composição, do material iconográfico, no estilo colagem,  permite, também, uma leitura não linear: pode-se folhear o livro em qualquer sentido e o que se tem, numa espécie de caleidoscópio, é um panorama da Curitiba de então, com seus cinemas, apresentações teatrais, passeatas, reuniões estudantis, shows, festas, choques com a polícia – uma Curitiba conservadora que teve de conviver com estudantes de todo o país, descobrindo a política, quebrando tabus, experimentado novas formas de expressão e, principalmente, contestando o regime autoritário.

3No seu aspecto didático, fiel ao propósito inicial de contar uma história a uma geração mais nova de leitores, Teresa apresenta um linha do tempo que, de certa forma, constitui a amarração de todo o livro: o primeiro capítulo,  “Muito, muito antes de 1968”, traz, em forma de tópicos, alguns dos acontecimentos que pontuaram a história do Brasil desde o descobrimento até os anos de 1960; em seguida, em “Pouco antes”, mostra um rápido quadro sobre o contexto internacional por volta de 1964 e os anos que se seguiram ao golpe. “1968” constitui a parte central do livro – 176 páginas – que termina com a lista de desaparecidos e mortos pela repressão: é o capítulo final: “Depois”.

4Para além do propósito de resgatar uma história próxima, mas ainda pouco conhecida, e disponibilizá-la, principalmente para os que dela não participaram,  o livro de Teresa constitui o registro da forma como os fatos de 1968, geralmente referidos ao que ocorreu nos grandes centros do país, foram vividos num contexto fora do eixo Rio-São Paulo. Não há dúvidas de que foi naqueles centros que os acontecimentos adquiriram  maior dimensão e visibilidade, mas em muitas outras regiões e cidades a resistência à ditadura, não menos intensa, teve seus lances e marcas particulares. Não se trata, porém, apenas de buscar uma espécie de “cor local”, mas de levantar fatos, pesquisar estratégias e recuperar aspectos cuja especificidade e diversidade são fundamentais para que se tenha um quadro mais completo daquele período. Nesse sentido, 1968: Ditadura Abaixo tem o mérito de, por meio de uma linguagem ágil, de tipo jornalístico, abordar um tema que certamente está a pedir mais pesquisas e estudos sistemáticos.

5Por fim, cabe registrar que o livro tem um sabor especial para todos os que tomamos parte naqueles acontecimentos – confesso que, ao receber a publicação, logo fui procurando em que lista, reportagem ou arquivo policial aparecia meu nome, ao lado do de Teresa e dos demais colegas de então. E já que esta resenha aparece numa revista de orientação antropológica, não resisto à tentação de mencionar duas referências que estão na página 107 e que, de certa forma, mostram um aspecto não apenas do clima, mas, também, das preocupações do Movimento Estudantil em meio às lutas contra a ditadura: um ofício, assinado por mim e por João Elísio de Andrade, respectivamente presidente e vice-presidente do Diretório Acadêmico Rocha Pombo, da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da UFPR, solicitando a cessão de um auditório para “a realização de uma conferência sobre Existencialismo, pelo professor João Quartim de Moraes, da Universidade de São Paulo, no dia 10 de maio de 1968”. E um trecho do balanço de atividades, ao fim de nossa gestão nesse centro acadêmico: “Cursinho pré-vestibular; Peça teatralQuando as máquinas param, de Plínio Marcos, para a semana do calouro; Conferência do Frei Arcângelo Base sobre a encíclica Populorum Progressio; Conferência do Prof. Otávio Ianni, sociólogo da USP; Semana do Estruturalismo, com o Centro de Estudos de Antropologia”. Comprovadamente, a Antropologia também estava lá... 

Topo da página

Índice das ilustrações

URL http://pontourbe.revues.org/docannexe/image/1737/img-1.jpg
Ficheiros image/jpeg, 93k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

José Guilherme Cantor Magnani, « 1968: Ditadura Abaixo », Ponto Urbe [Online], 4 | 2009, posto online no dia 31 Julho 2010, consultado o 24 Abril 2017. URL : http://pontourbe.revues.org/1737 ; DOI : 10.4000/pontourbe.1737

Topo da página

Autor

José Guilherme Cantor Magnani

Professor do Departamento de Antropologia da USP.

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© NAU

Topo da página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • Revues.org