Navegação – Mapa do site
Cir-kula

Torcidas Queer e Livres em Campo: Sexualidade e Novas Práticas Discursivas no Futebol

Maurício Rodrigues Pinto

Resumo

Os debates em torno das relações entre esportes e sexualidade têm ganhado maior visibilidade nos últimos anos. O ensaio irá analisar o discurso recorrente de que futebol é “coisa pra macho”, tendo como recorte empírico o papel de comunidades criadas no Facebook, que se apresentam como torcidas livres ou queer, que se posicionam contrárias às discriminações motivadas por orientação sexual/gênero, visando desnaturalizar a violência ditada por uma ideia de dominação masculina. que legitimaria as injúrias machistas e homofóbicas, que inibem e segregam mulheres e, principalmente, homossexuais das práticas e lugares relacionados ao futebol, um universo em que é extremado o culto a uma masculinidade viril.

Topo da página

Entradas no índice

Topo da página

Texto integral

I - Introdução

1Durante o ano de 2013 páginas na rede social Facebook foram criadas apresentando-se como torcidas de alguns dos times mais populares do Brasil, mas com um grande diferencial em relação a outros agrupamentos de torcedores. Para além de manifestar a torcida pelo “time de coração”, esses grupos externavam posicionamentos contrários às manifestações homofóbicas e machistas recorrentes nos estádios e práticas relacionadas ao futebol no Brasil.

2Galo Queer, Cruzeiro Maria, Bambi Tricolor, Palmeiras Livre, Grêmio Queer, Queerlorado, entre outras, são comunidades resultantes da articulação de torcedores, que produzem e divulgam conteúdos com o propósito de colocar em xeque a ideia tão propalada de que futebol é “coisa pra macho”, reivindicando o reconhecimento da participação de homossexuais e mulheres, figuras historicamente segregadas de práticas que dão sentido ao esporte, como o jogar e o torcer. Essas páginas são curtidas e acompanhadas por milhares de pessoas.

  • 1 Emerson postou uma foto, beijando um amigo, na sua página da rede social Instagram, acompanhada da (...)
  • 2 Idealizada pelo jornalista Felipeh Campos, a Gaivotas Fieis apresenta-se como a “primeira torcida d (...)
  • 3 Bourdieu fala de como a dominação masculina sujeita e estigmatiza homossexuais, mas o foco de sua a (...)

3Além da repercussão que houve com o surgimento das torcidas queer, outros fatos recentes impulsionaram a discussão sobre as relações entre futebol e sexualidade. Episódios como o selinho do atacante corintiano Emerson Sheik em um amigo1 e a criação de uma torcida organizada gay do Corinthians, a Gaivotas Fiéis2, evidenciaram que no universo do futebol é levado ao extremo o que Pierre Bourdieu conceitua como dominação masculina3, em que o homem tido como viril é reconhecido como participante legítimo e “natural” dos rituais e práticas relacionadas ao futebol: “A força da ordem masculina se evidencia no fato de que ela dispensa justificação: a visão androcêntrica impõe-se como neutra e não tem necessidade de se enunciar em discursos que visem a legitimá-la” (BOURDIEU: 2002, p. 20)

4A sustentação da ideia de dominação masculina se dá pela negação da legitimidade e do direito à apropriação dessa manifestação cultural – tão significativa na constituição da sociedade brasileira – por pessoas que não se conformam a esse modelo. Por meio da violência simbólica (potencial ou real), mulheres e homens homossexuais veem-se constrangidos e mesmo sem legitimidade para frequentar os estádios na condição de torcedor. A mesma violência, evidente no caso envolvendo o jogador Emerson Sheik, nega e visa inibir a possibilidade de que um jogador venha a assumir ou expressar publicamente afetividade ou identidade sexual que não condiga com o modelo de masculinidade viril. Ela também tem por função introjetar nessas pessoas o não pertencimento a esse universo masculino, pela essencialização de uma inaptidão ou incapacidade de adquirir a bagagem para acompanharem ou participarem do futebol.

  • 4 Como comparação, dias depois, uma parte da torcida do Bayern de Munique (ALE) levantava um cartaz q (...)

5Mais do que isso, os xingamentos e associações à homossexualidade e à feminilidade soam como ofensas para desqualificação do outro, conformando um cenário de rivalidades em que tais expressões são entendidas como parte da “cultura do jogo”. Isso ficou evidente no clássico Corinthians x São Paulo, no dia 9 de março de 2014, quando a cada tiro de meta cobrado pelo goleiro tricolor Rogério Ceni, era entoado o coro “ÔÔÔ Bicha!”, pela torcida corintiana4.

6Para entender melhor o ideal de dominação masculina e a maneira como este regula as relações nos espaços e práticas que envolvem o futebol, farei uso dos conceitos estabelecidos e outsiders, desenvolvidos por Norbert Elias quando estudou as relações entre moradores mais antigos e grupos com menos tempo de residência na comunidade operária de Winston Parva, na Inglaterra. A dualidade estabelecidos-outsiders se dá por relações de poderes constituídas em um determinado contexto (figuração), em que o grupo que detém uma hegemonia defende a sua posição e reafirma o seu carisma de grupo a partir de uma constante relação de oposição àqueles que representariam um risco à pureza do grupo.

“A peça central dessa figuração é um equilíbrio instável de poder, com as tensões que lhe são inerentes. Essa também é uma precondição decisiva de qualquer estigmatização eficaz de um grupo outsider por um grupo estabelecido. Um grupo só pode estigmatizar o outro com eficácia quando está bem instalado em posições de poder das quais o grupo estigmatizado é excluído. Enquanto isso acontece, o estigma de desonra coletiva imputado aos outsiders pode fazer-se prevalecer. (...) Afirmar o rótulo de ‘valor humano inferior’ a outro grupo é uma das armas usadas pelos grupos superiores nas disputas de poder, como meio de manter a sua superioridade social. Nessa situação, o estigma social imposto pelo grupo mais poderoso ao menos poderoso costuma penetrar na autoimagem deste último e, com isso, enfraquecê-lo e desarmá-lo” (ELIAS, 2000: 23-24)

7A preocupação desse trabalho é a de apresentar e de problematizar algumas relações entre futebol e sexualidade, na tentativa de compreender o porquê de o futebol representar um signo performatizador de uma masculinidade reverenciada socialmente como dominante, que acaba por discriminar e estigmatizar quem não se encaixa nos seus termos, mais precisamente homens homossexuais e mulheres. Também busca-se analisar a articulação dos grupos que se apresentam como torcidas queer e livres e as suas práticas discursivas que propõem a desestabilização da dominação masculina, que regula as relações nos estádios de futebol.

II – A dominação masculina e a configuração de um cenário de estabelecidos-outsiders no futebol brasileiro

8Ao fazer uma análise da história da popularização do futebol no Brasil é possível perceber conflitos e tensões presentes na sociedade brasileira. Por mais que tenha sido um meio de inserção e de reconhecimento das pessoas de ascendência negra na sociedade brasileira – principalmente devido à performance destacada de jogadores como Pelé, Didi, Leônidas da Silva, Romário, Ronaldo e Neymar, entre tantos outros tantos que fizeram de atletas de ascendência negra protagonistas desse esporte – eram evidentes os limites impostos a essa inclusão, assim como eram notórios os estigmas e preconceitos com relação a essas populações.

9Um exemplo emblemático é a derrota da Seleção Brasileira para o Uruguai, na final da Copa de 1950, evento que ficou marcado para a posteridade como “Maracanazzo”. Ali era decretado pela crônica esportiva da época o fracasso do povo brasileiro e da sua miscigenação. Dois jogadores ficaram marcados como os principais responsáveis pela derrota brasileira, o goleiro Barbosa e o lateral-esquerdo Bigode, ambos de ascendência negra.

Na Copa do Mundo de 1950, disputada no Brasil, a derrota para o Uruguai na final foi atribuída à falta de hombridade e a fatores raciais. Ou melhor, a ‘falta de masculinidade de negros e mulatos’ seria responsável pela nossa derrota. O negro e o mulato são representados quase como afeminados. Foram considerados os maiores culpados da derrota brasileira: o goleiro Barbosa, que teria falhado no segundo gol do Uruguai, e o jogador Bigode, que teria levado um tapa de Obdulio Varela, capitão do time uruguaio, ambos escolhidos, justamente, por possuírem ascendência negra(SOUZA, 1996:127)

  • 5 A respeito do ideal de masculinidade, recorro a Vale de Almeida que diz “...a masculinidade é inter (...)

10 O trecho destacado evidencia um ideal de masculinidade5que seria crucial para a vitória brasileira e que uma suposta falta de “hombridade”por parte do escrete brasileiro serviu de justificativa para a derrota frente aos uruguaios.

  • 6 As torcidas organizadas do São Paulo não gritavam o nome do jogador Richarlyson, que atuou pelo clu (...)

11Aproveitando a ideia de dominação masculina para o universo do futebol, a ausência de alguns comportamentos reconhecidos como emblema de uma forma específica de masculinidade representa uma falta de virtude e até mesmo um desvio de caráter. Isso legitima o emprego da injúria homofóbica recorrente na depreciação de figuras como jogadores/torcedores do time adversário, juiz (quando favorece a equipe adversária) ou de jogadores e torcedores da própria equipe, cuja má atuação ou conduta inapropriada, coloquem em risco a ideia de “integridade” do grupo estabelecido e o próprio padrão normatizador6.

12O estádio de futebol “locus por excelência da homossociabilidade” admite demonstrações de afetividade entre homens que não costumam ser manifestadas no dia-a-dia. Abraços intensos e calorosos na comemoração de gols do time pelo qual se torce, por exemplo, são muito comuns:“...essa afabilidade masculina quando pode ser expressa se faz de forma efusiva e o Futebol então pode ser encarado como um catalizador dessa afetividade ‘represada’”(FREITAS, 2002). Porém a demonstração de afeto a outro homem que não se presta a render homenagem ao time que torce, evidenciando uma subjetividade que não se sujeita à homogeneização da massa é duramente repelida e hostilizada.

  • 7 Relato de William, palmeirense, integrante da Palmeiras Livre. Extraído da reportagem “O tabu das a (...)

“Em 2008, eu morei alguns meses em São Paulo e tinha um namorado que era palmeirense também. A gente foi até aconselhado por um amigo dele da torcida organizada a não ter nenhuma demonstração de afeto dentro do estádio, porque a gente poderia ser agredido”7

13No espectro do grupo estabelecido nos estádios de futebol brasileiros, destacam-se as torcidas organizadas, justamente pela capacidade de construção de um carisma grupal. Eles se apresentam e são reconhecidos como os representantes mais apaixonados e maiores apoiadores do time durante os 90 minutos de partida. Entoam cantos e gritos de guerra que são cantados também por torcedores que não fazem parte de suas fileiras. Contam, muitas vezes, com o respaldo de jogadores, que comemoram gols e vitórias indo em direção aos setores onde se concentram as organizadas e costumam também ter bom relacionamento com as diretorias dos clubes, sendo ainda muito comum a ajuda no custeio das viagens dos organizados para jogos fora da cidade ou do estado de origem e a facilitação da compra de ingressos pelas torcidas organizadas.

14Almeida em sua pesquisa sobre as masculinidades no interior de um grupo de mineradores habitantes da aldeia de Pardais, em Portugal, destaca que, na dinâmica de hierarquização das masculinidades, um dos méritos que distingue e confere maior status a alguns é o da disposição a fazer sacrifícios (ALMEIDA, 1996: 169-170). No futebol, quanto maior o sacrifício e os riscos assumidos em nome do time do coração, maior será respeito e o reconhecimento obtido dentro do grupo. Tal imagem é recorrente nas práticas discursivas das torcidas organizadas e aparece na fala do presidente de uma das principais torcidas organizadas do Corinthians. Também expõe a ideia de um processo pedagógico, composto por uma série de rituais de aquisição de capital simbólico que legitime a participação e a visibilidade de indivíduos/grupos entre os estabelecidos nos estádios:

  • 8 Relato de Capão, presidente da torcida organizada Camisa 12, do Corinthians. Extraído da reportagem (...)

“... para nós, uma torcida organizada começa como a gente sempre troca ideia nas torcidas: o cara vai para uma caravana, o cara participa de vários jogos do Corinthians na arquibancada e não na numerada, a pessoa participa de inúmeras manifestações corintianas que teve nesses últimos anos, tanto de protesto contra diretoria, contra jogador. Tem uma caminhada ideológica dentro de uma instituição para você fundar uma torcida organizada. (...) Tomei muita borrachada da polícia por aí, passei muita fome na estrada, nunca fomos pra qualquer lugar e fomos bem recebidos por qualquer órgão que cuida da organização do jogo no estádio, da segurança pública, nós sempre fomos maltratados por muitos deles, então a torcida organizada não é simplesmente chegar e falar: ‘Ó, vou criar uma torcida hoje. Vou criar uma camisa e vou pro estádio’ ”8

15 Para além da representatividade das torcidas organizadas, outros agentes inseridos no universo do futebol, contribuem para a reafirmação e a “naturalização” da ideia de dominação masculina, como, por exemplo, a mídia especializada, mediadora das informações e dos saberes sobre o jogo a serem transmitidos para o público, muitas vezes, contribuindo para afixar estereótipos, como a de que gays e mulheres não gostam ou não se interessam por futebol.

16Há aqui o que Bourdieu chama de instituição da violência simbólica, ou seja, a construção e a reafirmação de discursos cuja força performativa tem a capacidade de produzir o efeito de introjetar tais valores estigmatizantes nas pessoas consideradas outsiders. Até por conta da dificuldade de homossexuais e mulheres encontrarem referências já inseridas no esporte com as quais consigam estabelecer identificação, muitos acabam incorporando para si a visão dominante de que o futebol nada tem a ver com eles e de que não possuem os saberes e códigos necessários para se sentirem participantes legítimos das suas práticas.

“A violência simbólica se institui por intermédio da adesão que o dominado não pode deixar de conceder ao dominante (e, portanto, à dominação), quando ele não dispõe, para pensá-la e para se pensar, ou melhor para pensar a sua relação com ele, mais que de instrumentos de conhecimento que ambos têm em comum e que, não sendo mais que a forma incorporada da relação de dominação, fazem esta relação ser vista como natural; ou, em outros termos, quando os esquemas que ele põe em ação para se ver e se avaliar, ou para ver e avaliar os dominantes (elevado/baixo, masculino/feminino, branco/negro), resultam da incorporação de classificações, assim naturalizadas, de que seu ser social é produto” (BOURDIEU 2002: 49)

17 Como forma de se contrapor à dominação masculina, que visa naturalizar a hierarquização e a estigmatização de gêneros e orientações sexuais que não tenham se adequado ao padrão normal, à ação política, segundo Rancière, abre possibilidades para outsiders produzirem práticas discursivas “inteligíveis” que venham a questionar e expor o caráter “não natural”, mas, sim, de construção cultural e histórica dos códigos e restrições que regem as relações nas práticas relacionadas ao jogo de futebol:

“A atividade política é a que desloca um corpo do lugar que lhe era designado ou muda a destinação de um lugar; ela faz ver o que não cabia ser visto, faz ouvir um discurso ali onde só tinha lugar o barulho, faz ouvir como discurso o que era só ouvido como barulho. (...) Espetacular ou não, a atividade política é sempre um modo de manifestação que desfaz as divisões sensíveis da ordem policial ao atualizar uma pressuposição que lhe é heterogênea por princípio, a de uma parcela dos sem-parcela que manifesta ela mesma, em última instância, a pura contingência da ordem, a igualdade de qualquer ser falante com qualquer outro ser falante”(RANCIÈRE: 1996, pp.41-43)

18 A partir desse olhar é possível dizer que os grupos que se apresentam como torcidas queer e livres, propõem-se a produzir práticas discursivas na contramão do ideal hegemônico, visando uma nova configuração das relações de poder, assim como a desestabilização da ideia de “efeito de destino que a categorização estigmatizante produz” (BOURDIEU, 2002: 144). No próximo tópico farei uma análise mais detalhada sobre o que são essas comunidades e a maneira como atuam, utilizando relatos de alguns dos seus integrantes.

III – Iniciativas (e dificuldades) de enfrentamento da dominação masculina: das torcidas gays às torcidas queer e livres

  • 9 Formada por torcedores do Grêmio (RS), foi fundada em 1977 por Volmar Santos, então dono da boate g (...)
  • 10 Formada por torcedores do Flamengo (RJ), a Fla-gay foi idealizada pelo carnavalesco Clóvis Bornay ( (...)

19No fim da década de 1970, duas torcidas organizadas, Coligay9 e Fla-Gay10,foram criadas com o propósito de conclamar gays amantes de futebol a freqüentarem os estádios para externar a torcida pelo “time de coração”.

20Na tentativa de marcar presença nas arquibancadas, as duas torcidas acabaram sendo vitimas de hostilidades e perseguições por parte de representantes das grandes torcidas organizadas dos próprios times. Foram acusadas de serem iniciativas arquitetadas por torcedores de clubes rivais, visando denegrir o nome de Grêmio e Flamengo. Apesar da curta existência, marcaram história como primeiras tentativas de desestabilizar a ideia de que uma determinada masculinidade tem maior legitimidade para figurar nos estádios de futebol.

21Mais do que isso, Coligay e Fla-Gay surgiram em um contexto político de ditadura militar, marcado por fortes restrições às liberdades políticas, de opinião e de expressão, ousando ao propor o reconhecimento do direito à apropriação de espaços públicos por indivíduos com subjetividades que não correspondam ao padrão heteronormativo binário.

22Vive-se atualmente um contexto histórico-político diferente no qual há muito mais canais de diálogo e maior visibilidade para os debates em torno da conquista de direitos e o reconhecimento social para gays, lésbicas, bissexuais, travestis, transgêneros e outras orientações sexuais minoritárias. Vários são os grupos e movimentos organizados das comunidades LGBT, cuja atuação coloca em xeque o padrão heteronormativo da sociedade, que diferencia e hierarquiza cidadãos de acordo com a sua sexualidade, e que por meio da ação política lutam pelo reconhecimento pleno da sua cidadania e pela igualdade de direitos.

23Porém, o esporte e, principalmente o futebol ainda tem-se revelado “... um reduto importante do preconceito aos homossexuais. (...) Quanto mais a sociedade se constrói no respeito ao diferente, mais nítido fica a discrepância do aceite ao homossexual no futebol” (ALMEIDA e SOARES, 2012: 306):

  • 11 Na tradução literal queer significa estranho, excêntrico e, mesmo, ridículo. De acordo com Louro: “ (...)
  • 12 As torcidas gays/anti-homofobia atualmente ativas no Facebook são:

24Desde 2013 apareceram na rede social Facebook comunidades que se apresentavam como torcidas queer11e livres de alguns dos principais times do Brasil 12.Essas páginas divulgam conteúdos, próprios ou publicados na mídia, questionando a heteronormatividade, que privilegia um modelo de masculinidade como legítimo participante das práticas do futebol, e contrapondo-se à homofobia e ao machismo que segregam gays e mulheres dos estádios. Criadas a partir da iniciativa e articulação de pequenos grupos são acompanhadas por pessoas, na maioria, entre os 25e 34 anos.

  • 13 Extraído de entrevista com Nathalia, representante da GaloQueer, em 21/03/2014.

“A ideia da página foi minha, sozinha, mas logo que criei, chamei algumas amigas e amigos para participar e formamos um grupo de 5 a 10 pessoas meio flutuantes. O evento que me motivou foi uma ida ao estádio, depois de um ano na Alemanha (onde comecei a estudar gênero e portanto ser mais sensível ao tema), ao jogo do Galo contra o Arsenal, no qual todas as pessoas (incluindo os meus amigos teoricamente não homofóbicos) gritavam "Arsenal é maricón". Além disso, me incomodou muito ser mulher naquele ambiente extremamente machista, no qual a maioria dos homens pensa que mulher não entende de futebol e ainda por cima nos assediam”13

  • 14 Extraído de entrevista com Aline, representante da Bambi Tricolor, em 11/03/2014.

“O contexto da criação foi simples demais. Éramos já um grupo de amigos, todos são- paulinos, que concordava que o apelido bambi merecia uma recepção diferente da torcida tricolor. Sem nenhuma pretensão, coisa de conversa de bar e só. Quando a Galo Queer surgiu, nós achamos a ideia genial e esperamos uma semana para ver se alguém na torcida do nosso time encararia. Várias torcidas foram se apresentando, mas nada do São Paulo. Decidimos, então, fazer a nossa, pelo menos pra ‘marcar presença’ e participar desse movimento, sem nenhuma ideia de por quanto tempo manteríamos a página, nem o que adviria dela”14

25Em comum, diante das constantes ofensas dirigidas a mulheres e a homossexuais nos estádios, o sentimento de indignação é o que impulsiona o desejo de se manifestar publicamente contra esse estado de coisas e a criação das torcidas.

  • 15 Comunidade criada em 09/04/2013. Apresenta-se da seguinte forma: “Galo Queer é o movimento anti-hom (...)
  • 16 Comunidade criada em 14/04/2013. A apresentação da página diz: “Paixão pelo futebol, amor ao clube (...)
  • 17 Página criada em 12/04/2013. Apresenta-se como: “Movimento anti-homo e transfobia, contra o racismo (...)

26A pesquisa concentra-se em três comunidades: a GaloQueer15, formada por torcedores do Atlético Mineiro, primeira torcida queer do país e que congrega o maior número de adeptos; Bambi Tricolor16e Palmeiras Livre17, torcidas de dois dos grandes da cidade de São Paulo (respectivamente São Paulo e Palmeiras) bastante ativas e engajadas no posicionamento favorável ao reconhecimento do direito pleno de liberdade de ir e vir e de expressão às pessoas das comunidades LGBT.

27Até o momento as ações dessas torcidas acontecem unicamente na esfera virtual. Criadores dessas comunidades são constantemente hostilizados e ameaçados por pessoas que os veem como transgressores que afrontam a ideia naturalizada de cultura do futebol.

  • 18 Fala de Thais, representante da Palmeiras Livre, extraída da reportagem ”O tabu das arquibancadas”. (...)

“Dia sim e outro também nós recebemos ameaças. As pessoas vem ameaçando, dizendo que estão mexendo com o time errado, que eles vão descobrir quem é, que não sei o quê”18

  • 19 Extraído de entrevista com Aline, representante da Bambi Tricolor, em 11/03/2014.

“Nós nos encontramos esporadicamente, uns mais outros menos, cada um tem uma rotina e uma vida bastante cheias, então não temos condição de promover encontros oficiais de "integrantes", nossa relação se mantém exatamente como antes da criação da página e por enquanto permanecerá assim. Sim, os três rapazes, principalmente, frequentam bastante os estádios e por isso eles evitam a todo custo aparecer em matérias, eles têm receio de serem identificados e reconhecidos pela torcida, por integrantes violentos (...) Se a página for fértil o bastante para criar uma comunidade que tenha vontade de levar isso adiante nós daremos todo o apoio, mas nós, pessoalmente, com a vida e perspectivas que levamos, por enquanto sinceramente não dá.(...) Nossos compromissos da vida "offline" tomam nosso tempo quase inteiro, a Bambi é feita com o que nos resta de tempo livre e disposição e, tomara, os textos que postamos já contribuam pelo menos um pouquinho pro debate, pra essa realocação de ideias que começa a ganhar força”19

28A fala de Aline, porta-voz e uma das criadoras da Bambi Tricolor, evidencia os receios que participantes têm de serem vitimas de agressões por conta de sua associação à comunidade. Esse medo faz com que alguns de seus integrantes, ao frequentar os estádios, prefiram a condição de “clandestinidade” em meio aos estabelecidos. Também expõe os limites de atuação que a comunidade se propõe, reconhecendo-se, no momento, muito mais como um instrumento que produz a crítica à ideia de dominação masculina no futebol e amplia a visibilidade dos debates em torno da superação da homofobia e do machismo.

“A forma simbólica de dominação de que são vitimas os homossexuais (...), impõe-se através de atos coletivos de categorização que dão margem a diferenças significativas, negativamente marcadas e com isso a grupos ou categorias sociais estigmatizadas. Como em certos tipos de racismo, ela assume, no caso, a forma de uma negação da sua existência pública, visível. A opressão como forma de ‘invisibilização’ traduz uma recusa à existência legítima, pública, isto é, conhecida e reconhecida, sobretudo pelo Direito, e por uma estigmatização que só aparece realmente declarada quando o movimento reivindica a visibilidade. Alega-se, então, explicitamente a ‘discrição’ ou a dissimulação que ele é ordinariamente obrigado a se impor” (BOURDIEU: 2002, p. 143-144)

29Por mais que haja dificuldades na estruturação e articulação desses grupos para a demarcação de sua presença no espaço público e, especialmente, nos estádios de futebol, o fato de ampliarem os canais de crítica ao padrão normatizador que cultua um modelo ideal de masculinidade e as estratégias empregadas para a sua reafirmação, como a homofobia e o machismo, permite inferir que o debate em torno das relações entre futebol e sexualidade tem ganhado maior visibilidade. Assim como também cresce a repercussão das reivindicações favoráveis ao reconhecimento da participação de mulheres e gays nos lugares e práticas que dão sentido ao futebol.

IV. Considerações Finais

30 No decorrer do texto procurei problematizar as relações entre futebol e sexualidade, buscando entender, pela perspectiva de Bourdieu, a dominação masculina na qual se constitui relações de poder, analisada pela dualidade estabelecidos-outsiders, que visam legitimar e reafirmar um modelo de masculinidade viril e hierarquizar e segregar subjetividades que não se conformam a esse ideal.

31Na contramão do discurso daqueles que exercem e reafirmam a dominação masculina, há iniciativas como a dos grupos que criaram as torcidas queer e livres, ao elaborar práticas discursivas confrontando a heteronormatividade e a hegemonia masculina. Mesmo com as muitas ameaças, hostilidades e constrangimentos que dificultam a transposição da esfera virtual para a apropriação de espaços nas arquibancadas dos estádios, essas torcidas têm suscitado reflexões e conseguido ampliar a visibilidade para o debate sobre a homofobia e o machismo como posturas que segregam e criam obstáculos ao reconhecimento pleno de homossexuais e mulheres no contexto do futebol. Reivindicam que essas pessoas tenham a sua participação e lugares legitimados nas práticas que dão sentido ao jogo futebol, entendendo ser esse um passo importante para a construção de uma sociedade brasileira mais igualitária, orientada pelo reconhecimento e o respeito às múltiplas subjetividades.

Topo da página

Bibliografia

ALMEIDA, Marco Antonio Bettine de; SOARES, Alessandro da Silva. O futebol no banco dos réus: caso da homofobia. Movimento. Porto Alegre, v.18, n.1, p.301-321, 2012.

ALMEIDA, Miguel Vale de. “Gênero, masculinidade e poder: Revendo um caso do Sul de Portugal”. In Anuário Antropológico, 95, pp.161-190. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro,1996.

BANDEIRA, Gustavo Andrada. “Amor e masculinidade nos estádios de futebol”. In Esporte e Sociedade, v. 19, p. 1-26, 2012.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

ELIAS, Norbert. Os estabelecidos e os outsiders. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2000.

FREITAS, Marcel. “Do amor grego à paixão nacional: masculinidade homoeroticidade no futebol brasileiro. In: http://www.efdeportes.com/ Revista Digital

- Año8 - N° 55 - Buenos Aires: dezembro de 2002 (disponível em http://www.efdeportes.com/efd55/paixao1.htm)

LOURO, Guacira Lopes. “Teoria Queer: Uma Política Pós-Identitária para a Educação”. In: Revista Estudos Feministas. V.9, n.2 Florianópolis: IFCH, 2001.

RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento – Política e Filosofia. São Paulo: Editora 34, 1996.

SILVA, Tomaz Tadeu da. “A produção social da identidade e da diferença” in: SILVA, Tomaz Tadeu da (org. e trad.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000. Disponível em: http://ccs.ufpel.edu.br/wp/wp-content/uploads/2011/07/a-producao-social-da-identidade-e-da-diferenca.pdf

SOUZA, Marcos Alves de. “Gênero e raça: a nação construída pelo futebol brasileiro”. In Cadernos Pagu, Campinas, nº 6-7, p. 109-152, 1996.

Topo da página

Notas

1 Emerson postou uma foto, beijando um amigo, na sua página da rede social Instagram, acompanhada da seguinte mensagem: “Tem que ser muito valente para celebrar a amizade sem medo do que os preconceituosos vão dizer. Tem que ser muito livre para comemorar uma vitória assim, de cara limpa, com um amigo que te apoia sempre. Hoje é um dia especial. Vencemos, estamos mais perto dos líderes...”. (http://uolesporte.blogosfera.uol.com.br/2013/08/19/sheik-comemora-vitoria-do-corinthians-com-selinho-em-amigo/)

Nos dias seguintes houve fortes reações de grupos ligados às principais torcidas organizadas do Corinthians, protestando com o que entenderam ser uma ofensa e desrespeito à instituição, pela associação do time à ideia de homossexualidade. Dias depois a principal torcida organizada do Corinthians, a Gaviões da Fiel, publicou em seu site a seguinte retratação do jogador: “Não poderia ter feito isso, foi sem intenção, mas jogo em um clube de futebol, em um mundo cheio de rivalidades e provocações, qualquer comentário é motivo de chacota. Lamento se ofendi a torcida do Corinthians, não foi a minha intenção. Foi só uma brincadeira com um grande amigo meu, até porque eu não sou São Paulino" (http://www.gavioes.com.br/noticia/nota_oficial_-_emerson_sheik_323)

2 Idealizada pelo jornalista Felipeh Campos, a Gaivotas Fieis apresenta-se como a “primeira torcida de inclusão do mundo” e “torcida gay organizada do Corinthians”. O objetivo, segundo Felipeh, é que a torcida, em breve, marque presença nos estádios (http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2013/10/15/ex-sbt-cria-torcida-gay-do-corinthians-e-diz-que-futebol-tem-enrustidos.htm)

3 Bourdieu fala de como a dominação masculina sujeita e estigmatiza homossexuais, mas o foco de sua análise é de como essa dominação define a relação e os papéis sociais de homens e mulheres.

4 Como comparação, dias depois, uma parte da torcida do Bayern de Munique (ALE) levantava um cartaz que fazia uma referência homofóbica ao jogador Mesut Özil, do Arsenal (ING), que enfrentava a equipe alemã. O caso rendeu multa e punição de fechamento de um setor da arquibancada do estádio onde o Bayern manda as suas partidas. No caso das ofensas a Rogério Ceni o caso nem chegou a ser levado para julgamento. Extraído de: http://www.estadao.com.br/noticias/esportes,uefa-fecha-setor-de-estadio-do-bayern-de-munique-por-cartaz-homofobico,1144451,0.htm

5 A respeito do ideal de masculinidade, recorro a Vale de Almeida que diz “...a masculinidade é internamente constituída por assimetrias (como heterossexual/homossexual) e hierarquias (de mais a menos “masculino”), em que se detectam modelos hegemónicos e variante subordinadas (...). Isto só pode significar duas coisas: que a masculinidade não é a mera formulação cultural de um dado natural; e que a sua definição, aquisição e manutenção constitui um processo social frágil, vigiado, auto-vigiado e disputado” (ALMEIDA,1996:163)

6 As torcidas organizadas do São Paulo não gritavam o nome do jogador Richarlyson, que atuou pelo clube entre 2005 e 2010. O jogador por diversas vezes teve a sua sexualidade questionada, mas sempre afirmou ser heterossexual. Também eram recorrentes as ofensas e cantos homofóbicos contra ele por parte de torcedores adversários e do próprio São Paulo. Ver: http://esporte.uol.com.br/futebol/campeonatos/brasileiro/serie-a/ultimas-noticias/2009/08/13/ult5895u6969.jhtm

7 Relato de William, palmeirense, integrante da Palmeiras Livre. Extraído da reportagem “O tabu das arquibancadas”, disponível em http://www.apublica.org/2013/11/tabu-das-arquibancadas/

8 Relato de Capão, presidente da torcida organizada Camisa 12, do Corinthians. Extraído da reportagem “O tabu das arquibancadas”, disponível em http://www.apublica.org/2013/11/tabu-das-arquibancadas/

9 Formada por torcedores do Grêmio (RS), foi fundada em 1977 por Volmar Santos, então dono da boate gay Coliseu, em Porto Alegre. A torcida chegou a ter setenta adeptos que frequentavam os estádios onde o Grêmio atuava.

10 Formada por torcedores do Flamengo (RJ), a Fla-gay foi idealizada pelo carnavalesco Clóvis Bornay (que era, na verdade, botafoguense) em 1979. A ideia surgiu quando Bornay convocou flameguistas gays a irem ao Maracanã para assistirem a um Fla-Flu, como é popularmente conhecido o clássico Flamengo x Fluminense.

11 Na tradução literal queer significa estranho, excêntrico e, mesmo, ridículo. De acordo com Louro: “... a expressão também se constitui na forma pejorativa com que são designados homens e mulheres homossexuais. Um insulto que tem, para usar o argumento de Judith Butler, a força de uma invocação sempre repetida, um insulto que ecoa e reitera os gritos de muitos grupos homófobos, ao longo do tempo e que, por isso, adquire força, conferindo um lugar discriminado e abjeto àqueles a quem é dirigido. Este termo, com toda sua carga de estranheza e de deboche, é assumido por uma vertente dos movimentos homossexuais precisamente para caracterizar sua perspectiva de oposição e de contestação. Para esse grupo, queer significa colocar-se contra a normalização (...). Seu alvo mais imediato de oposição é, certamente, a heteronormatividade compulsória da sociedade (...). Queer representa claramente a diferença que não quer ser assimilada ou tolerada e, portanto, sua forma de ação é muito mais transgressiva e perturbadora” (LOURO: 2001, p.546)

12 As torcidas gays/anti-homofobia atualmente ativas no Facebook são:

Galo Queer: https://www.facebook.com/pages/Galo-Queer/260183954118767?fref=ts

Cruzeiro Maria: https://www.facebook.com/torcidacruzeiromaria?ref=ts&fref=ts

Cruzeiro Livre: https://www.facebook.com/CruzeiroLivre?fref=ts

Bambi Tricolor: https://www.facebook.com/BambiTricolor

Palmeiras Livre: https://www.facebook.com/PalmeirasLivre?fref=ts

EC Bahia Livre: https://www.facebook.com/pages/EC-BAHIA-LIVRE/494001227314767

EC Vitoria Livre: https://www.facebook.com/ecvitorialivre

Furacão sem Homofobia: https://www.facebook.com/caplivre

Coxa sem Homofobia: https://www.facebook.com/pages/COXA-Sem-Homofobia/428585357237479?fref=ts

Grêmio Queer: https://www.facebook.com/pages/Gremio-Queer/596222133723294

Queerlorado: https://www.facebook.com/pages/QUEERlorado/164289153730713?fref=ts

13 Extraído de entrevista com Nathalia, representante da GaloQueer, em 21/03/2014.

14 Extraído de entrevista com Aline, representante da Bambi Tricolor, em 11/03/2014.

15 Comunidade criada em 09/04/2013. Apresenta-se da seguinte forma: “Galo Queer é o movimento anti-homofobia e antissexismo no futebol dos torcedores do Clube Atlético Mineiro, vulgo Galo Doido. Porque paixão pelo Galo não tem nada a ver com intolerância”. Possui 7265 seguidores (dado de 06/04/2014). Endereço da página: https://www.facebook.com/pages/Galo-Queer/260183954118767?fref=ts

16 Comunidade criada em 14/04/2013. A apresentação da página diz: “Paixão pelo futebol, amor ao clube e até rivalidade entre adversários não tem nada a ver com homofobia. Se, até agora, Bambi foi um apelido usado para discriminar, por que não adotá-lo com orgulho e desarmar o preconceito? Pelo SPFC livre”. Atualmente 2645 pessoas seguem a página (dado de 06/04/2014). Endereço da página: https://www.facebook.com/BambiTricolor?fref=ts

17 Página criada em 12/04/2013. Apresenta-se como: “Movimento anti-homo e transfobia, contra o racismo e todo tipo de sexismo (os machismos e misoginias em especial), destinado à torcida que mais canta e vibra. Porque paixão pelo Palmeiras não tem nada a ver com intolerância”. Conta com 2712 seguidores (dado de 06/04/2014). Endereço da página: https://www.facebook.com/PalmeirasLivre

18 Fala de Thais, representante da Palmeiras Livre, extraída da reportagem ”O tabu das arquibancadas”. Disponível em: http://www.apublica.org/2013/11/tabu-das-arquibancadas/

19 Extraído de entrevista com Aline, representante da Bambi Tricolor, em 11/03/2014.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Maurício Rodrigues Pinto, « Torcidas Queer e Livres em Campo: Sexualidade e Novas Práticas Discursivas no Futebol », Ponto Urbe [Online], 14 | 2014, posto online no dia 31 Julho 2014, consultado o 24 Junho 2017. URL : http://pontourbe.revues.org/1460 ; DOI : 10.4000/pontourbe.1460

Topo da página

Autor

Maurício Rodrigues Pinto

Bacharel em História, pela Universidade de São Paulo, cursa especialização em Sociopsicologia, na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESP). Atualmente trabalha como pesquisador no Museu da Pessoa.

Topo da página

Direitos de autor

© NAU

Topo da página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • Revues.org