Navegação – Mapa do site
Etnográficas

Ressignificando identidades na Tríplice Fronteira: Diálogo Cristão-Muçulmano e questões sociais e políticas

Texto integral

1Ressignificando identidades na Tríplice Fronteira: Diálogo Cristão-Muçulmano e questões sociais e políticas

2Douglas de Toledo Piza

3O dia 25 de março é celebrado por vários cristãos como o dia da Anunciação do Senhor, em lembrança do anúncio pelo anjo Gabriel à Virgem Maria, que teria aceitado o verbo divino e feito a sua vontade, concebendo o filho de Deus. Na Sagrada Bíblia, encontram-se os versículos de Lucas que narram a anunciação sagrada cristã:

"No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, a uma virgem e disse-lhe: ‘Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo.’ Não temas, Maria, conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus. Maria perguntou ao anjo: ‘Como se fará isso, pois não conheço homem?’ Respondeu-lhe o anjo:’ O Espírito Santo descerá sobre ti. Então disse Maria: ‘Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tu palavra’" (cf. Lc 1: 26-38).

4Em um país de maioria católica como o Brasil, nem todos sabem que a anunciação da concepção imaculada do profeta Jesus é também comemorada pelos muçulmanos. O Sagrado Alcorão traz a seguinte narração para o acontecimento:

“Allah disse: ‘Maria, Tu deves afastar-te com tua família em um lugar no Oriente. Sobre Ti descerá uma espécie de véu para proteger-te. E Eu lhe enviarei Meu Espírito sob a forma de um homem perfeito’” (cf. capítulo 19: 16-17).

5No dia 24 de março deste ano, Foz do Iguaçu sediou o maior evento cristão-muçulmano do Brasil, chamado “Maria: exemplo para todos nós – Encontro Internacional Cristão-Muçulmano”. O Encontro foi organizado no mirante do vertedouro da Usina Hidrelétrica de Itaipu pela Pastoral da Criança Internacional, em conjunto com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, representantes da Liga da Juventude Islâmica Beneficente do Brasil, da União Nacional das Entidades Islâmicas e da Comunidade Islâmica de Foz do Iguaçu.

Um evento internacional

6Desde 2010, o dia 25 de março é feriado nacional no Líbano e há celebrações cristã-muçulmanas como a que houve agora no Brasil. Naquele país, oficialmente composto por 18 comunidades étnico-religiosas, estima-se que cerca de 60% da população é muçulmana (sunitas e xiitas) e pouco menos de 40% é cristã (entre católicos, ortodoxos, protestantes, maronitas etc.) – além de outros grupos como alauitas e drusos, que não são reconhecidos como muçulmanos, e nem mesmo consensualmente o reivindicam. Não se pode desprezar o fato de o Líbano fazer fronteira com o Estado de Israel ao sul.

7O desejo de trazer o evento para Foz do Iguaçu se deve ao fato de a cidade e a região ter uma das maiores comunidades muçulmanas do país. Em entrevista, a Assessoria de Comunicação da Coordenação Nacional da Pastoral da Criança afirmou que foi o médico Nelson Arns Neumann (filho de Zilda Arns Neumann), coordenador nacional adjunto e coordenador internacional da Pastoral da Criança que propôs a realização do evento pela primeira vez fora do Líbano. Ele contou com o apoio da organização libanesa das homenagens anteriores, especialmente Mohammad Sammak, secretário geral para o Diálogo Inter-religioso no Líbano. E a partir daí, a Pastoral da Criança buscou apoio das demais entidades partícipes cristãs e muçulmanas.

8Foz do Iguaçu é uma cidade na fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina, o que por si justifica preocupações com as migrações fronteiriças e suscitou na organização do evento o compromisso com o respeito aos direitos humanos, que não deveriam encontrar barreiras de cidadania ou outras e sim seguir a universalidade, presentes como princípio originários destas religiões. É também uma região de migração internacional, com uma forte presença libanesa e chinesa, além de outros migrantes, inclusive brasileiros que foram para a construção da Hidrelétrica Binacional de Itaipu ou com o crescimento subsequente da cidade e para as oportunidades de trabalho geradas pelo forte turismo internacional. Ademais, a região possui áreas indígenas que comportam diferentes grupos étnicos, o que faz a cidade ser sempre lembrada por 74 etnias. Assim, foi celebrada a internacionalização do evento e foram relembrados vários elementos das religiões que preconizam o adequado tratamento humano, a despeito de fronteiras geográficas, jurisdições nacionais, barreiras culturais e preconceitos vários.

9Mais de três mil pessoas prestigiaram o evento.: maioria delas senhoras, poucos homens, e muitas crianças acompanhando mães e avós. Devido ao fato de muitos terem ido em caravanas uniformizadas, era possível perceber que também havia mais cristãos do que muçulmanos – além do fato de grande parte das muçulmanas da região usarem véu, facilitando a identificação.

10Havia sete tendas temáticas no Encontro organizadas por representantes de ambas as religiões, destinadas a receber o público e conscientizá-los ecumenicamente de problemas sociais para os quais Maria era vista como exemplo, tais como cuidados com a gestante, amor à criança e dedicação à comunidade. Outra tenda era organizada pela Rede Global de Religiões pela Criança (GNRC) e reafirmou o diálogo interreligioso e a aceitação da diversidade de crenças – com a participação de representantes religiosos que não creditam caráter sagrado à Maria, como um monge hare krishna que aclarava as dúvidas do público acerca desta religião. Havia também um espaço para meditação e reflexão religiosa individual.

11Uma homenagem a Maria foi programada para o horário central do evento, e foi provavelmente o momento mais esperado. Vários representantes manifestaram suas palavras em nome de suas entidades religiosas por mais de uma hora.

Mais do que religiosidade...

12As falas no encontro entre fiéis das duas maiores religiões do mundo foram marcadas por uma clara manifestação de convergência de credos e afirmação da possibilidade de convivência pacífica entre as diferentes religiões do globo. Neste sentido, quiseram transmitir um resgate aos valores mais tradicionais destas religiões – assim, os católicos (não houve falas de outros cristãos) reforçavam a fraternidade, aceitação e piedade do exemplo de Cristo como forças sagradas para o respeito da diversidade religiosa; já os muçulmanos relembraram a importância de Maria em sua cosmologia religiosa, cujo nome é citado 34 vezes no Alcorão (nove a mais que Jesus) e cuja pureza orienta a apresentação e lugar femininos nas sociedades muçulmanas, a começar pelo uso do véu. Mais significativo, representantes de ambos os lados declararam que suas palavras seriam um modo de revisar a postura religiosa dos crentes e de refletir sobre os modos que os símbolos e costumes cristãos ou muçulmanos poderiam ter sido desviados pelos próprios crentes ou por olhares externos à comunidade religiosa: de certa forma, uma ressignificação das identidades religiosas através de um esclarecimento do conteúdo original de cada uma das escrituras sagradas. E da maneira como isto foi feito, atinava-se para problemas sociais e políticos latentes.

13Os representantes católicos, especialmente através das tendas temáticas organizadas, tentaram demonstrar a virtude cristã da fraternidade e o zelo com o próximo, indistintamente. O caráter assistencialista do crente era tema recorrente das falas, e tratava de citar os problemas sociais que os cristãos não podem ignorar, relembrando a trajetória da Pastoral da Criança – “que promove o desenvolvimento integral de crianças pobres desde a concepção até os seis anos de idade” – desde sua criação por Zilda Arns (vitimada no terremoto de 2010 no Haiti, quando prestava assistência humanitária) até a “exportação” do modelo da Pastoral e de projetos bem sucedidos que passaram a ser copiados em outros países.

14Católicos e muçulmanos reforçaram o caráter não-excludente de suas profissões de fé, e especialmente estes últimos lembraram a necessidade de haver maior esclarecimento quanto à diversidade étnica, religiosa e cultural em Foz do Iguaçu e no mundo, seja entre cristãos, muçulmanos ou não. Os temas mais sensíveis aos muçulmanos também foram lembrados, explicitando os erros de uma construção deturpada de sua identidade exoticizada e muita ignorância com relação às diferenças no mundo árabe ou muçulmano, inclusive com os problemas da associação muçulmana com o terrorismo global e com a suposição do governo americano de que há financiamento de grupos terroristas libaneses ligados ao Hezbollah desde a região da Tríplice Fronteira.

Cosmologias, identidades e alteridade

15Nada do exposto acima foi explicitado por mim de uma maneira menos óbvia para o público geral. Pelo contrário, tudo isto foi dito deliberadamente com a intenção (mencionada pelas falas dos representantes) de fazer os crentes se basearem no exemplo de Maria e nos valores que as religiões criaram a partir dele como modelo de conduta de vida em sociedade. Contudo, a etnografia do evento revela que antes e acima de tudo, tratou-se de um evento religioso, de homenagear a mãe de Jesus. Havia evidentemente uma preponderância do caráter religioso durante toda a celebração, mas a clareza da tentativa de fazer cada crente se colocar no lugar do outro e a ambição anunciada de transformar o evento também em uma posição social e política de resolução de problemas que assolam os homens aonde quer que estejam restam evidentes que as reflexões sobre as narrativas mitológicas de cada religião dialogam com o contínuo processo de reconstrução identitária dos indivíduos.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

« Ressignificando identidades na Tríplice Fronteira: Diálogo Cristão-Muçulmano e questões sociais e políticas », Ponto Urbe [Online], 10 | 2012, posto online no dia 28 Julho 2012, consultado o 23 Agosto 2017. URL : http://pontourbe.revues.org/1407 ; DOI : 10.4000/pontourbe.1407

Topo da página

Direitos de autor

© NAU

Topo da página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • Revues.org