Navegação – Mapa do site
Entrevistas

Intervenções Urbanas: Rede Urbana de Arte de São Paulo (RUASP)- entrevista com Elza Cohen

Notas do autor

Entrevista com Elza Cohen - por Rita Amaral

Texto integral

1Os estudos contemporâneos de antropologia política têm mostrado o aumento da ação artística coletiva e das mobilizações sociais por meio da arte. A conexão das esferas da produção e do consumo, corroborada pela globalização econômica e pelas estratégias de organização e flexibilização do trabalho, ativou resistências mundiais como os “Dias de Ação Global” na década, de 1990. Protestos transnacionais, como o “Carnaval Contra o Capitalismo”, realizado em junho de 1999 nos centros financeiros de 40 cidades do mundo e, depois, os protestos realizados em Seattle contra a Organização Mundial do Comércio, entre muitos outras, apontaram novos caminhos para o ativismo político do século XXI, marcados pela expressão festiva e visualmente plástica.

2Embora não sejam vistas como "arte", as manifestações políticas pela via da arte se expressam em criativas formas estéticas a respeito dos planos simbólico, social e político. Atualmente, é cada vez mais intensa a articulação entre as práticas  festivas e artísticas de grupos urbanos e a ação política. As intervenções artísticas e performances nas cidades,  marcadas por disjunções econômicas e sociais, têm sido associadas à tentativa de dar sentido ao "caos" urbano por meio de novos estilos de engajamento político, fazendo de  artistas agentes políticos  portadores da energia catártica capaz de  ressignificar as experiências individuais e coletivas, integrando a vida urbana à transcendência da arte. Este processo se dá  por meio da reinterpretação da “cidade subjetiva” que envolve tanto os níveis mais particulares do indivíduo quanto os sociais. A apropriação artística da cidade como obra coletiva intervém de maneira polissêmica na produção cultural, recobrando os espaços (físicos, sociais e políticos) por meio de ações arrebatadoras, transitórias, poéticas e transgressoras, desafiantes ou jocosas, usando o espaço "frio" das ruas, denunciando problemas locais, nacionais e mundiais.

  • 1 Entrevista concedida a Rita Amaral em janeiro de 2007.

3É neste contexto que se insere o evento RUASP (Rede Urbana de Arte em São Paulo), idealizado, produzido e promovido, anualmente, pela promotora cultural Elza Cohen, mineira criada no Rio de Janeiro e radicada em São Paulo, que tem como objetivo principal  "resgatar a confiança da população em freqüentar eventos ao ar livre" e "ocupar espaços públicos, levando diversão e arte ao povo, gratuitamente, em praças e ruas de São Paulo". Elza Cohen concedeu entrevista1 a Ponto Urbe sobre a RUASP:

4Ponto Urbe - Como surgiu o RUASP?

5ELZA COHEN: O RUASP é uma dedicação minha de amor a São Paulo, uma cidade cosmopolita, que brilha dia e noite, que tem uma diversidade cultural absurda, uma cidade veloz, cheia de pressão, de personalidade e de possibilidades.. E como eu amo andar pelas ruas dessa cidade, fotografando e observando tudo com os olhos de quem acabou de chegar e está encantado, percebi também a falta de eventos mais informais pros novos artistas se manifestarem e interagirem uns com os outros e com o público, misturar as diferenças num só espaço...

6Ponto Urbe - Qual a proposta final, ou objetivo, deste "evento"?

7ELZA COHEN: O principal objetivo é atender as pessoas que procuram eventos gratuitos de música e arte e que têm vontade de freqüentar ambientes abertos e livres. Jovens e adultos, famílias, formadores de opinião, artistas, skatistas, intelectuais, jornalistas, transeuntes etc, numa reunião que expresse a enorme diversidade popular da capital paulistana. E a proposta final é preencher as lacunas dos espaços públicos, estimulando a interação coletiva com a autenticidade cultural, sem os tradicionais mimetismos aos quais estamos submetidos. A criação de uma rede urbana de artes na capital paulistana pode construir um novo modus vivendi na cidade.

8Ponto Urbe  - Quem são os responsáveis e que apoios tem?

9ELZA COHEN: O RUASP é uma idealização minha; eu mesma produzo, faço captação e a curadoria artística toda, portanto sou a maior responsável, mas sempre conto com uma equipe de colaboradores para realizar o evento. E sobre apoios, na primeira edição eu contei com o apoio do Governo do Estado de São Paulo e do Deputado Turco Loco "Alberto Hiar" E para a próxima edição ainda estou na fase de reuniões tanto para agendar a data e para captação com alguns órgãos do governo do estado e com empresas particulares.

10Ponto Urbe - Quem participa?

11ELZA COHEN: Artistas de diversas expressões da arte urbana, da música até as artes visuais, esportes, dentre outras manifestações culturais. Unindo o novo e o tradicional, reprocessando tudo. 

12Ponto Urbe  -  Por que a Rua? 

13Ponto Urbe - A partir dos anos de 1980, muitos grupos optaram pela arte como modo de ação social e de desenvolvimento da cidadania. Essa proposta visava incluir socialmente a parcela da população urbana radicalmente excluída do acesso ao pensamento artístico e dimensões sensíveis da humanidade. Você observa, de algum modo, as mudanças efetuadas por estas ações? As cidades se sensibilizaram?

14ELZA COHEN: Sim, com certeza! Temos exemplos reais de surgimento de tantas organizações não-governamentais voltadas pras artes e pra educação....Exemplos: Casa do Hip Hop (SP) Afrorregae (RJ) Nós do Morro (RJ), Nós do Cinema (RJ) , Rosas de Ouro (SP) com o projeto que ajuda crianças e adolescentes em situação de risco e ações pessoais dos próprios artistas como Marcelo Yuca (ex O Rappa e atual F.U.R.T.O), Nelson Triunfo (SP), os grupos Contrafluxo e Slim Rimografia (todos eles trabalham em ongs dando aulas) pra citar só alguns....

15Ponto Urbe - Como contrapor arte a violência, não apenas violência física, mas, principalmente, a violência cotidiana da falta de recursos, de ar puro, escolas, respeito? Por que "arte na rua" em vez de "trabalho na rua" ou "polícia na rua"?

16ELZA COHEN: A arte na rua não deixa de ser uma forma de trabalho na rua para os artistas e a arte na rua impõe o respeito até de quem tá mal intencionado. Raramente se tem noticia de assaltos ou qualquer tipo de violência física em eventos culturais na Rua. A arte amolece o coração das pessoas. Na arte todos se reconhecem de alguma forma e a respeitam como uma coisa sagrada. E a policia na rua, que seria para proteger o cidadão, muitas vezes vem para repreender apenas. Acho que a policia que trabalha nas ruas deveria ser mais qualificada e mais educada para lidar com material humano.Como diria "Mahatma Gandhi", "a única revolução possível é dentro de nós."

17Ponto Urbe  -  Numa cidade como São Paulo, onde as pessoas passam correndo pelos espaços e mal vêem o que lhes cerca, como podemos pensar e ocupar o espaço da rua? 

18ELZA COHEN: O primeiro passo é re-educar as pessoas a olharem com novos olhos pras ruas, porque elas mesmas não estão a costumadas a ver esse tipo de lazer. Então, o subconsciente delas está programado pra sair do trabalho e ir correndo pra casa, pra faculdade ou para algum lugar fechado, protegido....

19Ponto Urbe  -  Grafiteiros e pichadores são, freqüentemente, acusados de "sujarem" a cidade e vandalizarem monumentos. No caso dos grafiteiros, muita gente diz que eles deveriam usar telas em vez de muros. No caso dos pichadores, que deveriam ser presos. O que você pensa disso?

20ELZA COHEN: Grafiteiros transformam os muros de concretos em mais humanos com sua arte. Para mim eles trazem uma nova paisagem contrapondo a falta de natureza real para se ver e sentir. Tornam a "concrete jungle" mais colorida e alegre, transformando o morto concreto cinza em vida e arte. Telas em galerias e graffites nos muros, sim! No caso dos pichadores, é também uma forma de expressão urbana de protesto; uma forma de articulação social. A transgressão explica um pouco isso.A única coisa que me incomoda é a falta de respeito com o patrimônio público, que é para o beneficio de todos nós. Acho que ao invés de serem presos é preciso buscar entendê-los e saber quais são suas reais reivindicações através de sua pixação....

21Ponto Urbe  -  Quando você propõe que a arte vá às ruas, isso significa reivindicar o direito à cidade como obra do cidadão?

22ELZA COHEN: Exatamente. Porque uma coisa que eu observo muito é que o governo e prefeitura de São Paulo investem muito em praças bonitas, com jardinagens, plaquinhas com sinalização "não pise no jardim" etc etc., mas esquecem de pôr um banquinho pro cidadão sentar e contemplar a cidade; esquecem de pôr um palquinho pra pequenas apresentações, um banheiro público, lixeiras , etc etc...

23Ponto Urbe  -  Como as diferentes artes se encontram na rua? A rua é cenário ou também atriz quando pensamos na cidade?

24ELZA COHEN: Na rua tudo interage mais naturalmente; até mesmo as diferenças são amenizadas. A rua é cenário e atriz ao mesmo tempo.

25Ponto Urbe -  Uma cidade barulhenta como São Paulo, pode ter, como na Europa, música e músicos na rua?

26ELZA COHEN: Claro, desde que respeitamos as normas dos horários de silêncio.

27Ponto Urbe  -  Vocês se preocuparam em saber como a vizinhança dos locais dos eventos recebe e percebe o acontecimento? E o público, como reage?

28ELZA COHEN: Sim, claro! Isso é muito importante: acrescentar benefícios à vizinhança e não trazer problemas. Normalmente eu procuro locais mais distantes de áreas residenciais, justamente para não correr o risco de possíveis reclamações de barulho, antes de "fechar" o local. Faço todo um estudo. Passo várias vezes no local para entender o perfil do público que transita por ali, penso na segurança do local, no estacionamento, facilidade de acesso, etc etc..

29Ponto Urbe  -  Como você avalia os resultados do RUASP? 

30Ponto Urbe - Quais os seus projetos futuros em relação a "dar sentido à rua"?

31ELZA COHEN: Os meus projetos futuros serão, através do próprio R.U.A.S.P, educar o público a freqüentar mais as ruas, praças e a contemplar mais a cidade. Preserva-la como se fosse o seu bem. Para o seu próprio bem... Levar cada vez mais diversidade de estilos de arte e musica para se apresentar na rua de graça para o publico.

Topo da página

Notas

1 Entrevista concedida a Rita Amaral em janeiro de 2007.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

« Intervenções Urbanas: Rede Urbana de Arte de São Paulo (RUASP)- entrevista com Elza Cohen », Ponto Urbe [Online], 1 | 2007, posto online no dia 17 Julho 2014, consultado o 26 Junho 2017. URL : http://pontourbe.revues.org/1229 ; DOI : 10.4000/pontourbe.1229

Topo da página

Direitos de autor

© NAU

Topo da página
  • Logo Núcleo de Antropologia Urbana da USP
  • Logo Universidade de São Paulo
  • Revues.org